Logo casa dos contos
Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

Meu filho....aconteceu

Por: Tiozao - Categoria: Incesto


Olá, me chamo Sonia, 42 anos, viúva , branca, 1,68mts olhos e cabelos castanhos claros.

Apesar da idade, mantenho meu corpo em dia, a ponto de chamar muito a atenção na rua onde passo.

Fiquei viúva a dez anos atrás e este foi o único homem da minha vida, até então.

Tenho um filho, Pedro que está na casa dos 18 anos.

Tudo começou à algum tempo, pois nos dias que lavo as roupas senti falta de uma calcinha minha, dias depois esta aparecia no cesto de roupas, mas, outra sumia por uns dias , voltando a reaparecer.

Achei no mínimo estranho o fato , pois moramos somente eu e Pedro no apartamento.

Comecei a prestar atenção no fato, e percebi que, assim que eu saia do banho, Pedro sempre entrava no banheiro, e , as vezes em seguida minha calcinha desse dia sumia.

Passado algum tempo, num dia de folga, Pedro não estava em casa , e iria demorar a voltar.

Não me contive e fui no seu quarto, coisa que não fazia, pois sempre respeitei a privacidade, mas resolvi dar uma olhada geral, e, para minha surpresa, no fundo de uma gaveta, lá estava minha calcinha junto a algumas revistas eróticas.

De inicio fiquei puta da vida queria esperá-lo e brigar, onde já se viu, falta de respeito, não foi isso que ensinei a ele. Peguei minha calcinha e levei de volta para lavar.

Depois de alguns minutos, mas ainda brava, pensei melhor, por que será esta atitude dele?

Não seria melhor conversar na boa? Voltei, e devolvi a calcinha no lugar onde estava, e tentei entender o que estava rolando. Vi as revistas e dei uma folheada, havia cenas de sexo explicito, mas será que ele tinha tesão por mim? Quando pensei nisso, senti minha pequena dar sinal de vida, puxa 10 anos só nos dedinhos, é complicado, mas me repreendi, pois este não era um bom pensamento. Vendo as revistas, vi que tinham também historias de incesto, parei e li uma delas, o que me excitou, mas novamente desviei o pensamento , pois não era bom, sai dali e procurei fazer outras coisas e não pensar mais.

Passaram-se dois dias, e minha calcinha reapareceu no cesto de roupas de manhã, olhei no cesto e as outras estavam lá. De noite, antes dele chegar, chequei na gaveta, e só as revistas estavam lá. Aquilo fez minha cabeça girar, e veio idéias na minha cabeça junto com excitação, acabei ficando muito molhada, tentava desviar as idéias mas o tesão estava tomando conta , fazendo com que os dedinhos atuassem e acabei gozando e deixando a calcinha que estava usando bem melada. Já estava perto da hora dele chegar, então procurei me comportar.

Logo ele chegou , e no mesmo instante corei, de vergonha de mim mesma, mas agi como se nada tivesse acontecido e fui para meu banho.

Desta vez, me bolinei mais um pouco antes de tirar a calcinha, não sei por que fiz, mas fiz , e, deixei ela mais melada possível então me despi e a deixei a calcinha a vista.

Tomei meu banho e sai, em seguida ele correu ao banheiro, fiquei muito curiosa, mas nada podia fazer por enquanto.

Quando ele saiu disfarcei e entrei no banheiro, sim , minha calcinha não estava mais lá.

Queria conversar com ele, mas estava faltando coragem, isso não estava certo.

Dia seguinte, como sempre cheguei antes dele e fui checar em seu quarto, e lá estava a calcinha, no fundo da gaveta. Na hora que vi, senti a pequena molhar de novo , procurei mudar o pensamento de novo, mas estava molhada e, este era o fato, sendo errado ou não, tava dando tesão.

Nada fiz, mas a noite corri tomar banho, e quando sai, ele entrou, fiquei curiosa e olhei pelo buraco da fechadura, sim, lá estava ele, de piroca dura , ( e que piroca, maior e bem mais grossa que o pai), estava se masturbando enquanto cheirava minha calcinha.

Na hora fiquei fula da vida, ia bater na porta, fazer escândalo, mas ao mesmo tempo fui traída pela minha pequena, que a muito não via, e muito menos sentia uma piroca dura, senti ficar molhada, com muito tesão, afinal ele estava sentindo o cheiro do meu sexo, da minha vagina, estava se masturbando, e iria gozar com meu cheiro.

Fiquei ali, olhando até ele explodir num gozo, me dedilhando ao mesmo tempo, sim, era para minha vagina que tinha gozado.

Mais tarde me deitei, pensamentos malucos vinham a minha mente, tentava não pensar, mas estava excitada, me bolinei e só dormi depois de gozar.

Nos dias seguintes, resolvi judiar dele, e não deixava mais as calcinhas de forma fácil ,mas também escolhi uma muito sexy, e fiquei com ela por dois dias, onde procurei ficar excitada e gozar até, deixando com meu cheiro bem acentuado, nesse dia nem perfume usei, deixando o cheiro de femea o máximo possível, fui ao banho, e deixei bem a vista.

Foi eu sair, e ele entrou, e quando saiu, já não estava mais lá a calcinha, sim ele ia gozar com meu cheiro de novo. No dia seguinte ele saiu para trabalhar e eu corri lá, e a mesma estava lá, só que desta vez, dobrada bem num cantinho, desdobrei e o que eu achava tinha acontecido, ele tinha ejaculado na calcinha.

Desta vez fui eu quem quis sentir o cheiro, cheiro de esperma, e vagina, que a muito não sentia, a calcinha estava bem molhada, sinal que não tinha acontecido a muito tempo.

Na hora não sei o que me deu, mas o tesão estava enorme, retirei a que eu estava usando e coloquei na gaveta, e vesti e que ele tinha esporrado, sentindo minha vagina naquela lambança toda.

Elas eram muito diferentes, mas na hora não pensei e não deu outra, ele chegou, foi a seu quarto e saiu, ficou inquieto, e eu nem tinha percebido por que, ( besta eu né?), tomei meu banho, e, ele correu como desesperado, ai que caiu minha ficha, não sabia onde enfiar minha cara, mas ele achou a calcinha no cesto de roupa para lavar. Saiu mudo do banheiro.

Nos dias seguintes, nenhuma calcinha sumiu, mas ele estava nervoso e inquieto. E, eu muito apreensiva, afinal sabíamos um do outro.

Duas semanas se passaram, e, estávamos ambos mais calmos, apesar de não falarmos a respeito. Aliás, mal nos falamos nesse período.

No sábado estávamos ambos em casa, estava quente, e, resolvi tomar um banho a tarde, claro que proposital, então deixei a mesma calcinha do acontecido em cima da cama, fui ao banho e ao término, gritei pelo Pedro de dentro do banheiro, que atendeu na hora, então pedi que pegasse minha calcinha que estava em cima da cama, pois havia esquecido, ele voltou tremulo e nervoso, e me entregou pelo vão da porta, perguntei, o que houve filho, porque esta assim?

- Nada mãe, não foi nada.

Sai do banho e fui ao meu quarto, estava só enrolada num toalha, passei pela sala e percebi ele me fitando e ainda meio tremulo.

Parei e perguntei de novo, que foi filho, que houve?

Novamente ele disse, nada, não foi nada.

- Já sei, eu disse, eu não fico bem com esta calcinha que pedi pra você pegar né?

- Não mãe, não é isso !!!!

- Estou ficando velha, não é? Não devo usar este tipo de roupa, então vou trocar.

-Não mãe, você fica muito bem, não tira.

-Sério? Levantei um pouco a toalha, deixando aparecer a calcinha, tem certeza?

Ele muito tremulo – Sim mãe, você fica um tesão! .

Corou o rosto quando disse isso. Eu procurei acalmá-lo então, dei risada e ele acompanhou. Chamei ele ao quarto, pois iria experimentar outras para ele analisar se ficava bem ou não.

- Mãe, espero na sala.

- Não vem cá, assim não preciso ficar pra–lá e pra cá

Fomos ao quarto, ele sentou na cama, fu na gaveta das calcinhas e escolhi algumas, das mais comportadas as mais ousadas.

Usando a toalha, fiz a primeira troca e mostrei a ele ( era das mais comportadas), levantei a toalha e mostrei. – não sei mãe, meio cafona eu acho.

De proposito tirei a toalha que cobria parte do meu corpo e seios e joguei na cama, dando voltinhas.

- Põe outra, escolhi uma mais ousada, seu volume a esta altura estava enorme, assim como minha pequena melada.

Virei de costas, retirei a anterior e pus a nova, me virando e me mostrando.

- Isso mãe, agora sim, rsrsrsrsr. Fui mais perto, dei voltas , - Verdade?

-Sim, ficou ótimo ,

Cheguei mais perto, - não sei, acho que tá marcando a periquita, não está?

-Não acho que não, deixa ver, deita na cama pra bater mais luz.

Deitei, o tesão estava tomando conta de mim, pedi que ele olhasse bem de perto, o que ele fez, e em seguida disse que tinha um pelinho aparecendo pra fora da calcinha, o que eu sabia que não era , pois sou toda depilada, mas era o jogo que eu queria. – Espera, baixei a calcinha . ele arregalou os olhos, mostrei a bucetinha que já estava melada e disse, - Se tem pelinho, tira para mim, e dei uma risada marota.

Ele entendeu, se aproximou e começou a passar a mão como tirando algo, soltei um leve suspiro, e ele entendendo o sinal, começou a brincar com minha amiguinha, logo estava com o dedo dentro, eu o puxei, e comecei a beijá-lo, ele com a mão na minha buceta, brincando com o grelinho, que delicia, enfiei a mão em sua bermuda, encontrando um mastro enorme e duro. Retirei sua bermuda e ficamos ambos nus.

- Pedro, dá uma soprada nela pra ver se tem mais algum pelinho....

Ele sorriu, se deitou na cama junto, e em segundos estava chupando minha buceta, não me contive, e comecei a chupar seu pau freneticamente.

Nos chupamos por algum tempo, eu o puxei para mim, e senti seu pau entre minhas pernas, como procurando o buraquinho do prazer. Me ajeitei e logo estava sentindo a cabeça passar e entrar todinho dentro de mim, como que me rasgando, a sensação do pau grosso forçando as paredes da minha vagina me fez gozar antes do pau estar todo dentro. Que delicia, a anos não sentia uma vara, ainda mais daquele tamanho. Logo ele gozou, enchendo minha buceta de porra.

-Isso filho, é aqui que você tem que gozar, não na calcinha.

- Você sabia mãe? – Sim filho, já algum tempo, agora vem, come gostosinho, vem....

Ele não se fez de rogado, e me comeu das mais variadas posições, me enchendo de porra mais duas vezes.

Dormimos, e de madrugada acordamos com uma nova transa, desta vez, fui por cima, mexendo muito e tendo uma penetração profunda, nossa, que fogo esse muleque. Não preciso dizer que mais uma vez me encheu com sua porra quentinha.

De manhã ,eu o acordei com uma chupada em seu pau, que fiz questão de ter o leitinho na boca.

Conversamos depois, ele disse que era virgem ainda e que tinha vergonha das mulheres, e que já algum tempo tinha muito tesão por mim.

Rimos muito e transamos o dia todo , me deixando inchada e até ardida de levar tanta rola.

Bem , a calcinha que iniciou tudo, nos dias que se seguiram, foi o que ficou de fora, pois o Pedro não me deixava usar mais nenhuma, transando varias vezes por dia, e passamos a dormir juntos, assim como ler as revistas juntos.

Todos os dias ele faz questão de chegar, e cheirar e lamber minha buceta , só que agora faz questão de em seguida gozar dentro.

Ultimamente, ele tem cogitado colocar atrás, mas isso é uma história futura.

beijos


Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2020 - CasaDosContos.com - Todos os direitos reservados