Logo casa dos contos
Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

A dor do amor

Por: Joo - Categoria: Incesto

       A minha saga sofredora teve início, com a descoberta de um grande amor. Quando pela primeira vez o coração disparou automaticamente, em uma reação reflexa, e a adrenalina povoou meu interior ao deparar com aquela mulher, descobri o significado de uma avassaladora paixão. Ela no primeiro contato visual, olhos nos olhos, me hipnotizou. Seu corpo era escultural, sua delicada face eram contornos perfeitos e seu perfume, uma fragrância envolvente, traduzia-se numa poderosa arma de sedução. O primeiro contato foi o mais breve possível, porém desejei encontrar novamente, a mulher dos meus sonhos.        Com o decorrer do tempo, a paixão foi um fogo crescente culminando num incêndio de grandes proporções. Nesse ínterim meus olhos focalizavam exclusivamente aquela pedra preciosa de valor inestimável. Ela era a atriz principal em minha produção cinematográfica. Jamais, na realidade e até mesmo em minha fantasia, existia uma atriz coadjuvante. A dama reinava absoluta. Seus olhos remetiam ao brilho das estrelas no céu, seus lábios traduziam a maciez das pétalas de uma rosa.         Em companhia da musa inspiradora vivia um romance eterno. A cada despedida, incontáveis lágrimas vertiam em meu rosto sofrido por sua breve ausência. As lembranças dos seus gestos amáveis, das suas doces palavras, do seu carisma e de sua meiguice, povoavam meu pensamento a todo o momento.         Porém os encontros foram se espaçando a intervalos cada vez mais longos, tendendo ao infinito, numa linguagem matemática. A dor pela distância da minha paixão, apertava meu sensível coração. Buscava refúgio nas palavras, compondo poesias amorosas destinadas com exclusividade àquela mulher, razão de minha existência e fonte dos meus desejos reprimidos.         O cotidiano se tornava uma verdadeira amargura na falta daquela alma angelical. O destino resolveu interferir e inevitavelmente nossos laços afetivos e amorosos se romperam. Era impossível digerir um romance não correspondido. Entretanto, ela nunca se entregou completamente de corpo e alma a mim e o recíproco não é verdadeiro. Minhas sinceras juras de amor não foram suficientes para transformar nossa novela num final feliz.         Restava-me apenas lamentar a grandiosa perda em minha vida. Sentia um forte aperto no peito e um vazio imenso em meu teimoso coração que ainda buscava forças do além para pulsar por ela. A cada dia crescia lentamente a consciência que deveria esquece-la completamente, para poder reconstruir minha alma sofrida e viver uma inédita paixão. E o único remédio para realizar este dificílimo feito descrito anteriormente seria, o tempo. Este transcorria na velocidade de uma tartaruga marinha. Responsabilizava-o, pela remanescente angústia, e latentes recordações alegres ao lado daquela mulher.         Os dias foram passando, os meses foram passando, os anos se passaram. Ela continuava a povoar insistentemente meus pensamentos. Será que o tempo seria ao invés de um remédio, um placebo? A resposta para a tal crise existencial deflagrada é negativa. O que ocorreu de fato foi a apresentação pela primeira vez, a mim, do poder mágico do amor. A paixão devastadora por aquela reluzente dama se transformou numa adoração pura e ao mesmo tempo doentia por aquela figura feminina.         A paixão é passageira, como a beleza do arco-íris com suas cores vibrantes. Intensa como o sol emanando os raios ultravioletas. Já o amor é duradouro como o que sinto por aquela estonteante princesa, e eterno como a lembrança da união dos nossos lábios num envolvente e prazeroso beijo.         Devido o seu distanciamento, um imenso período longe dela, o coração se acostumou e aprendeu a conviver com sua ausência. Porém em algum lugar dele, sempre estará cativo a aquela meiga alma feminina, a qual, infelizmente eu não soube encontrar o caminho que conduzia a seu desejado e amado coração.                       

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto
foto avatar usuario Joo
Por: Joo
Codigo do conto: 539
Votos: 1
Categoria: Incesto
Publicado em: 12/08/2014

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2020 - CasaDosContos.com - Todos os direitos reservados