Logo casa dos contos
Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

Finalmente Corno (Verídico)

Por: Ronaldo - Categoria: Cornos-Cuckold

Após mais de 10 anos de casamento, minha mulher Juliana, loira, 1,75m, 58kg e uma bunda de enlouquecer, me permitiu encontrar uma antiga namorada que andava se insinuando. Foi a primeira de algumas gostosas transas que ela me permitiu e eu aproveitei esse liberalismo. Aos poucos fui criando a fantasia de também querer que ela desse uma puladinha de cerca, comecei curtindo as estórias dela com seus ex-namorados, não foi fácil que ela se abrisse, mas lentamente tudo foi aparecendo. E as estórias não eram poucas. Depois de algum tempo, sempre que transávamos, ela estava me contando como tinha dado pra aquele, chupado um outro... coisas assim, e ela também ficava super excitada em se lembrar. Eu até já me masturbava sonhando com ela dando pra outro, criei coragem e pedi a ela que realizasse a minha (nossa) fantasia. Ela até gostava das fantasias, mas se recusava a realizá-las. Dizia que era muito tímida, que não se sentiria à vontade, etc... O tempo foi passando e eu sempre tentando, já conhecia todos os detalhes das antigas transas dela e olha que ela deu bastante, 19 homens tinham experimentado as delícias da sua bucetinha. Água mole em pedra dura... Um dia ela me contou que um antigo colega estava sempre se atrevendo com comentários sacanas. Eu fiz todo o possível, liberei, incentivei, aceitei não estar presente para não deixá-la constrangida, mas ela ainda resistia. Um dia, recebi um telefonema dela perguntando se poderia chegar mais tarde com uma voz muito insinuante... Decolei! Passei algumas horas esperando, sonhando que ela voltasse pra casa sem calcinha. Nós tínhamos combinado isso, se um dia ela desse pra outro, ela voltaria pra casa sem calcinha. As horas demoram a passar. Quando ela finalmente chegou, estava quieta, só me olhava, se aproximou, puxou a minha cabeça para perto da sua calça, abriu o botão e foi abaixando o zíper... e lá estava a calcinha. Mas não estava tudo perdido, rolaram beijos e bolinações. Eu voltei a incentivar e ela voltou a resistir. Após mais algum tempo e alguns apelos meus ela disse que iria visitá-lo dentro de alguns dias. No dia marcado ela acordou um pouco nervosa, de poucas palavras. Quando nos despedimos eu até perguntei: Você vai? Ela disse que sim e saiu meio tensa. Algum tempo depois, novamente recebi um telefonema meio sussurrado avisando que ela chegaria mais tarde... outra vez com uma voz insinuante... outra vez eu esperei horas em total ansiedade. Finalmente ela ligou do celular no carro dizendo apenas: Oi! Eu perguntei: E então? Ela respondeu: Você não queria que eu fosse uma puta? Agora vai me esperar na cama corno. Hummm... eu fui, que sensação deliciosa. Esperei pelo som do carro, ela entrando e vindo até nosso quarto, eu deitado... ela subiu na cama, ficou em pé e quieta começou a abaixar a calça até tirá-la completamente... Sem calcinha! Abriu as pernas deixando a buceta bem exposta e me olhando... Você queria que eu desse, não queria?... Agora vem, olha bem de perto... Meu corno... olha como a minha buceta tá vermelhinha... sente o cheiro de porra nela... a camisinha arrebentou quando ele me comeu pela segunda vez... Ela se deitou com as pernas bem abertas e dirigiu minha cabeça para o meio de suas pernas dizendo: Vem bem pertinho, sente o cheiro dela... Eu quero que você tenha certeza que dei... Que ele me comeu a vontade... A camisinha estourou mesmo, nós só descobrimos depois, eu estou cheia de porra dele. Depois de alguns dias ela me disse que naquela hora ela queria que eu a chupasse, mas ficou retraída. Que pena, eu estava com muita vontade de chupá-la, mas pensei que ela pudesse não gostar. Logo em seguida disse: Quer me comer também?... Vem, eu vou gostar de ter tido dois paus na minha boceta em tão pouco tempo, faz menos de uma hora que ele me comeu, vem... Eu fui entrando naquela bucetinha molhada por outro, já um pouquinho sofrida por ter passado umas duas horas dando. Disse para ela: Agora você vai ter dentro de você a porra de dois machos em menos de uma hora, como uma cadela. Senti sua buceta se molhar inteira ao redor do meu pau. Ela me contou cada detalhe, foi delicioso. Amigos que tem a fantasia de ser corno aceitem o meu conselho, façam, é delicioso. Ela ainda é resistente, mas me prometeu que algum dia vai fazer o faltou fazer desta vez. Sempre fica faltando algo na primeira transa, o que ela mais quer agora é dar a bundinha pra ele... Eu tenho certeza que vou adorar. Para meu prazer ela me disse que na próxima vez eu vou ter que prepará-la de manhã, chupá-la antes para ter certeza de seu gosto estar bom e ser aprovado por ele e chupá-la na volta para ter certeza que ela foi bem comida e sentir bem o gosto. Na terceira vez eu vou querer estar junto e fazer uma DP.

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto

foto avatar usuario Ronaldo
Por: Ronaldo
Codigo do conto: 256
Votos: 3
Categoria: Cornos-Cuckold
Publicado em: 12/08/2014

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2019 - CasaDosContos.com - Todos os direitos reservados