Logo casa dos contos
Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

Confissões de uma virgem na faculdade 2 - Diego

Por: AngelaRangel - Categoria: Outras
Testo Power

Conheci o Diego no meu trote.
Virei bichete do cara mais folgado e gostosinho do campus.
O Campus em Botucatu ferve de carinhas lindos. Os veteranos principalmente.
A galera que tá entrando ainda tá saindo do ensino médio e apesar de muito testosterona tem muito pouca atitude, os meninos chegam virgens a faculdade, vão continuar por um bom tempo, a não ser que se engalfinhem com aquelas gordinhas encalhadas que ainda cheiram a giz de lousa do ensino médio.
Diego é simplesmente uma delicinha, ele parece com o Caio Castro mas tem olhos claros, é alto e forte. Não é o tipo bombadinho de academia, ele é desses caras que tem a estrutura corporal mais robusta, mas é todo proporcional.
Ele chegou em mim me vendando, e falando que meu nome agora era Sideshow Bob, que eu ia ser a sidekick dele. E todo mundo riu da minha cara, vendada ele prendeu minhas mãos atrás do meu corpo com uma faixa dessas de curativo, e falou que ia me apresentar pra galera. Foi aflitivo, eu esperando um trote solidário, e na primeira festa de confraternização passei por isso.
Confesso que foi bem engraçado, e as brincadeiras que fizeram com gente foi ótimo pra me enturmar, eu entrei na brincadeira e acabei me divertindo bastante.
Os meninos, todos, deram seus telefones pra gente, mas eu estava vendada e não sabia quem era quem, e a brincadeira era essa. Eles trocavam de nome o tempo todo.
Acabei demorando dias pra conhecer todo mundo.
Diego já estava no meu whatsapp no mesmo dia, e nos dias que seguiram ao trote, haviam provas que deveríamos fazer, levar bolo pra eles, os bichos tinham que doar itens de cesta básica pra Rep dos seus veteranos, e rolou uma competição de qual Rep arrecadaria mais. A Rep que mais arrecadasse iria no churrasco daquele finde sem pagar sua parte. No dia seguinte eu e um colega de bicho fomos levar as coisas na Rep do Diego. Diego é muito sarrista, principalmente perto dos outros, e logo veio dizendo que ele gostava mais de mim amarrada.
Imaginem as coisas que EU imagine.
Das frescurites entre bichos e veteranos a ele me convidar pra sair foi muito rápido. Quanto ele viu no meu facebook que eu gostava do Trevor Brown, ele me perguntou se eu tinha gostado da brincadeira de ficar amarrada.
E eu disse que sim, que havia sido engraçado e sensorial.
Ele me convidou pra sair, dessa vez só com ele, depois do churrasco.
Lá eu sinto uma liberdade que não tenho aqui em casa, e bebi como se não houvesse amanhã. Ele não ficou comigo no churrasco, mas vinha vez ou outra falar comigo. A impressão que eu tive é que ele estava analisando as outras meninas ali. Mas se tem uma coisa que eu sou é bonita. Eu me acho harmônica, gosto dos meus seios, gosto de não ter nada de barriga, gosto das minhas coxas, e da minhas pernas, gosto do meu bumbum, gosto do meu rosto, dos meus lábios e desde criança já era cheia de caras e bocas, cheia de fazer gracinhas e chamar atenção. E modéstia à parte, eu me visto bem. Meu bumbum tem aquela curvinha, meu pai diz que é um pouco de lordose kkk não importa, o que importa é que tenho um perfil de bumbum que nem eu aguento, é convidativo, confesso.
Eu gosto de usar roupas que vez ou outra mostrem os buraquinhos que tenho atrás, acima do bumbum, meu irmão chama isso de "buraco de pilha" ou "on e off"... ah, meninos.
Mas voltando ao churrasco.
No final do churrasco o Diego, veio falar comigo e disse que pra eu beber daquele jeito, eu tinha que pedir pra ele antes. Me abraçou e me levou pro carro dele.
entramos e eu já fui abraçando e beijando ele. Ele nem disse nada, só correspondeu de maneira bem receptiva e bem assanhadinho. Mas carro é carro, não dá pra fazer muito, ainda mais em uma Montana. Ele me perguntou onde eu queria ir, e eu disse que eu era a convidada, a sidekick e ele é que tinha que decidir. E foi dirigindo até um motel.
Em momento algum eu disse pra ele que era virgem.
Ele me levou a um motel sensacional, frente magnifica, e só não era novidade pra mim, porque uma vez com minha família, tivemos que pernoitar em um motel, pois havia caído uma barreira na serra, e não deu pra prosseguir uma viagem, era véspera de reveillon, todos os hotéis da cidadezinha por onde estávamos passando lotados e tivemos que apelar pra um motel mesmo. Mas era um motel de beira de estrada, e minha mãe dizia pra gente não ficar encostando muito em nada kkk
Aquele tinha piscina, spa, pole dance, cadeira erótica, umas coisas penduradas no teto... e algemas em uma poltrona erótica. Foi a primeira coisa que ele fez me prender, virou uma brincadeira entre a gente por causa do nosso primeiro contato.
Como eu tava bêbada e ele talvez um pouco alterado os amassos foram maiores que a conversa.
Algemada ele me beijava e ia me despindo, eu tava com uma blusinha dessas frente única que a gente amarra dando um nozinho na nuca, e calça jeans, mesmo algemada ele não teve dificuldade alguma pra tirar tudo... me deixou só de calcinha, passava a mão pelo meu corpo, como se nunca tivesse tocado uma mulher, não com falta de experiência, mas como se tivesse curiosidade. Parecia que ele media meu corpo com os dedos... tentando me conhecer, e eu estava tão sem noção que não escondi nada do que tava sentindo.
Ele não tirou minha calcinha, me beijava sem parar, aqueles beijos de filme pornô sabe, e começou a me masturbar por cima da calcinha. Cheirava minha bucetinha, beijava, mordia por cima da calcinha... até me fazer gozar, o que não demorou nada.
Como me masturbo desde criança, eu sou bem sensível, e gozo muito rápido.
Só depois de me fazer gozar que ele me soltou e me levou pro spa, que já tava cheio.
peguei o sachê de espuma, e ele não me deixou colocar, disse que atrapalhava pra ele me ver... depois a gente brincava com espuma, que naquele momento ele queria curtir a vista, eu.
Entrei na água, e comecei a me exibir, a passar a mão nos seios, nas coxas, e comecei a me masturbar pra ele ver, olhando nos olhos dele, eu achei que ele fosse vir pra cima de mim, mas ao contrário, sentou na borda do spa, ficou com as pernas na água apenas e ficou me olhando, excitadíssimo. O pau dele não é gigante, deve ter uns 15 ou talvez 16 cm, tem uma leve inclinação pra direita, quase imperceptivel, circuncidado, grosso, com veias aparentes, cabeça rosada, muito bonito, e depilado. Eu não me depilo, mas não tenho pelos nem nas axilas e nem na virilha, pernas e braços tenho tão pouco que só se enxerga contra a luz.
Fiquei me masturbando até que ele percebeu que eu ia gozar, e disse pra eu parar, pra segurar... e que a gente ia combinar uma coisa, que sempre eu só ia gozar quando ele deixasse. Ele entrou na água, começou a me beijar e falou no meu ouvido, que antes de chegar nela ele tinha muito pra descobrir e desceu as mãos pelas minhas costas, chegando no meu bumbum, agarrando as bochechas do bumbum com força e abrindo, foi uma sensação muito gostosa, ele parecia se apossar de mim, eu achei que ele fosse me virar de costas e comer minha bunda, o que eu iria adorar, pois sempre gostei de me masturbar colocando um dedo no meu cuzinho, ou até algum objeto. Mas ele desceu pra me chupar, senti uma diferença entre a chupada dele e das meninas. Ele ficava sugando meus pequenos lábios, como se achasse que a gente sente algo ali, as meninas já são mais precisas, chupando e lambendo o clit, e massageando nos lugares certos. Ele me chupou e me lambeu e por umas 4 vezes quando eu estava quase gozando ele parou... ai passou a cabeça do pau dele no meu clit, chegou a bater uma e gozar na minha barriga, e voltar a me chupar e novamente não me deixar gozar, ai teve uma hora que eu não aguentei e segurei a cabeça dele... Porra, filho da puta, me deixa gozar na sua boca.... eu tava maluca. E estava começando a ficar cansada. Ele foi me virando de costas, como quem diz "Não vai descansar, não"... me colocou na borda do spa abriu minhas pernas e começou a lamber minha bunda, morder minha bunda, deu uns tapas e não foi tapinha não, foram tapas fortes, desses que deixam luvinha vermelha na bunda da gente... eu senti na hora que ia ficar um vergão, e olhando pro teto deu pra ver que ficou mesmo. Ele gostou disso, porque beijou e lambeu, e eu sentia o bumbum ali quente dos tapas, todos no mesmo lugar, propositalmente, sabe.
Dai a beijar e a lamber meu cuzinho foi dois segundos... não gostei disso. Mas deixei.
Eu pedi pra ele enfiar o dedo... e ele disse que ele ia fazer melhor. Saiu do spa, e pegou uma camisinha e um lubrificante, e só me pediu pra ficar naquela posição e não me mexer... e pra ficar olhando pro espelho que ele queria me ver, com ele atrás de mim.
Eu nunca tinha feito anal, só com o dedo, e vai por mim, sentir um pau grosso entrando no seu cu, é bem diferente. Quando eu percebi que ia doer, eu comecei a me masturbar, e fui forçando pra abrir pra que não doesse tanto. Doeu, eu senti que devia ter perdido umas duas preguinhas kkkk mas ao mesmo tempo, era uma situação tão erótica, que me deixou tão imensamente excitada.
Eu senti também que, quando ele começou a colocar, doeu, pois sentia que tava arregaçando mesmo, mas depois que passou a cabeça e entrou um pouquinho, acho que passando do esfincter, não doeu mais. Foi muito mais prazeroso. Ele gozou muito rápido, e a impressão que eu tive, é que ele estava gostando mesmo é de olhar tudo acontecendo. Depois eu relato nossa segunda vez no motel, eu queria citar, que, quando fizemos na segunda vez, ele me tocou mais, grudou mais seu corpo em mim, me masturbou enquanto fodia minha bunda, agarrou meus peitos e tal... mas nessa vez, ele só olhava, parecia que ele tava curtindo ver o pau dele entrar e sair, Gozamos, e ficamos exaustos, ficamos lá no spa por um tempinho ainda, e meu corpo começou a pesar, sabe quando aquela sensação de quando você fica muito na água. Saímos, tomamos banho, e eu só pensava que eu tava muito cansada, mas que ainda queria o principal, a cereja do bolo, pelo amor de Deus, era o dia... tudo estava acontecendo.
Tomamos uma chuveirada, ele foi o momento mais carinhoso e romantiquinho.
Nos beijamos muito, conversamos, e fomos pra cama. Eu ainda me sentia um pouco alcoolizada, mas não mais bêbada, e dormi.
Dormi mesmo, acordei com ele me chupando e subindo pra me beijar, eu acordei, e adorei aquilo, mas decidi que era hora de eu chupar ele até gozar, nos amassos eu tinha chupado ele, mas não até o final e eu queria muito.
Eu aprendi a chupar um pau com os gays nos filmes que assisti, eu acho ridículo o modo como as meninas chupam os caras, a impressão que dá é que elas mal sabem pegar em um pau direito... e na minha primeira vez, era como se eu tivesse feito aquilo sempre... em momento algum conversamos sobre experiências anteriores, tudo só foi rolando. Ele disse que não ia gozar na minha boca que queria gozar fodendo minha bucetinha.
Foi nesse momento que eu fiquei insegura. E acho que demonstrei.
E ele achou que eu não queria, que eu tinha ficado brava porque ele não quis gozar na minha boca, e eu achei melhor contar.
Foi quando ele achou que eu tava zuando ele, e riu de mim, o que me deixou com uma sensação péssima, pois ele disse "Ah, não vem pagar de virgem agora, não caio nessa.";; e eu disse que era verdade.
E nesse momento ele abriu minhas pernas na cama e praticamente fez um exame ginecológico.
Quando ele constatou que eu ainda tenho hímen ele colocou as mãos na cabeça e começou a rir, como se tivesse ganhado na megasena.
_ Caralho, você tem cabaço! Como assim? Você jura que é virgem?
Nessa hora eu quase chorei, mas segurei a onda.
Ele me abraçou e começamos a conversar.
Eu contei que tudo que eu tinha feito com ele, tinha sido pela primeira vez, e ele achava impossível, pois tinha sido a foda mais legal que ele tinha tido até então, o jeito como eu fazia as coisas, o jeito como eu olhava, o jeito como agia, com segurança, me envolvendo e envolvendo ele. Minha postura erótica de prender ele com as pernas, de arrebitar minha bunda daquele jeito quando ele fazia anal... mas eu não falei sobre assistir videos.
Foi quando ele disse, que minha virgindade ele não ia tirar, não naquele dia, que ele queria que fosse especial pra mim, e que a gente não se conhecia o suficiente pra que eu me estivesse apaixonada por ele, e que ele não me conhecia pra saber se ele estaria fazendo amor comigo ou só sexo.
EU NÃO ESTAVA NEM AI, eu só queria que ele me comesse.
Tudo bem, eu banquei a recatada kkk se é que dá pra fazer isso depois de tudo aquilo.
Depois disso, a gente aproveitou o tempo que a gente tinha, ficamos juntos, nos beijamos muito, conversamos muito, ainda fizemos oral mútuo, e depois ele me levou pra rep das meninas.
Depois disso, eu achei que fosse ficar mais sossegada, mas foi o efeito inverso, eu fiquei pensando em sexo o tempo todo e decidi que ele ia ser o primeiro, nem que fosse uma questão de honra, pois eu tinha achado um desaforo ele não me foder.
Acho que ele, naquele primeiro momento, gostou de perceber que eu tava com muita vontade quase implorando pra ele me comer, e ele gostou de estar no controle e dizer não. Do mesmo jeito que eu havia gostado de estar no controle com as meninas. Principalmente com a Luiza que é mais submissa.
Então, era isso.
Eu estava deitada na minha cama, com meu cuzinho ainda dolorido, com aquelas sensações todas no meu corpo, e ainda com vontade. Mas estava cansada.
Dormi até que acordei com a Marina chegando, ela tinha voltado pra casa dela naqueles dias, e estava de volta, morrendo de saudade, chegou, estávamos sozinhas e ela veio direto pro meu quarto.
Nesse dia ela se declarou, se declarou mesmo. Dizendo que estava gostando de mim mais do que ela esperava, mas que ela entendia que eu sou bi e gosto de meninos, e ela disse que ela também era assim, mas que sentimentalmente, ela estava se sentindo bastante envolvida comigo, porque ela me admirava demais, e ficou falando que ela nunca imaginou conhecer uma menina que gostasse se Tarantino, de Dizzi Gilespie, de muscle car e de papel de carta ao mesmo tempo e que fosse tão gostosinha como eu. Eu achei aquilo engraçado, e confesso que gostei muito da sensação de ter alguém assim caidinha por mim.
Peguei a mão dela e coloquei na minha bucetinha e deixei ela me masturbar, me beijar, me chupar e dormir comigo.
Ela gosta de humping, ela gosta de ficar se esfregando em mim até gozar, como se estivesse fodendo minha bunda. Eu gosto de chupar as meninas, e enfiar um dedo nelas pra sentir elas tremendo quando gozam...
Tenho que ir... depois conto mais.
Se você leu, comenta... estou contando como foi o começo desse ano na facul pra mim. E como foram minhas primeiras experiências sexuais não platônicas kkk
Me pediram fotos, mas não vou colocar foto minha ou deles.
Esse relato é real demais, e eu já estou me comprometendo bastante.
Talvez em breve eu ensaie um nude, mas não é o momento.
Até .

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto
Avatar do perfil AngelaRangel
Por: AngelaRangel
Codigo do conto: 18553
Votos: 0
Categoria: Outras
Publicado em: 03/08/2020

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login



tesao de vaca
Mais contos desse usuario

Confissões de uma virgem na faculdade

Confissões de uma virgem na faculdade 3 - Luiza


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2021 - CasaDosContos.com - Todos os direitos reservados