Primeira vez que dei o cuzinho


BY: PedroFontes
Esse é a minha história e de Gustavo! Está dividida em oito partes, com muito sexo!
Não percam as continuações!

Pedro e Gustavo - Parte 1

O que eu estou prestes a contar aconteceu em 2010, quando eu tinha dezessete anos, em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais. Como eu não vou revelar a cidade, eu vou manter os nomes reais! O meu é Pedro, eu meço 185cm, sou um pouco alto, loiro, magro definido, nunca fiz o tipo atleta mas sempre pratiquei vôlei, peteca e natação. Eu sempre fui estiloso, o que meio que entregava a minha homossexualidade, mesmo que eu tenha demorado a perceber que eu era gay.
Tudo começou no meu terceiro ano do ensino médio. Eu não era o garoto popular, mas como era uma cidade pequena, a classe tinha pouco mais de 30 alunos e eu conhecia e era conhecido por todos!
Havia um cara chamado Gustavo que sempre pegava no meu pé. Ele era da minha altura, tinha cabelo castanho e encaracolado, olhos azuis e era mais musculoso. Ele zombava de mim por qualquer coisa, desde as roupas que eu usava até as músicas que eu ouvia.
Quase no final do ano, meu professor de história passou um trabalho em dupla e, naquele dia abençoado, ele e eu perdemos a aula. Eu queria matar os meus amigos! Nenhum deles me escolheu como sua dupla! Sobramos apenas ele e eu! Conclusão: nós tivemos que fazer o trabalho juntos!
Quando descobrimos no dia seguinte, eu fiquei puto! E, aparentemente, eu não era o único insatisfeito com a notícia. Primeiro, ele fez uma cara de surpreso e, em seguida, de irritado! Então, como se eu não estivesse com raiva o suficiente, ele olhou para mim e deu um sorriso meio com cara de safado que me deu vontade de bater na cara até que aquele sorriso sumisse. Mas eu não podia deixar de admitir que ele tinha um sorriso lindo. Um sorriso atraente. Se não fosse o fato de eu odiá-lo, eu tenho certeza que eu acharia aquele o sorriso mais lindo do mundo.
Tivemos dois horários de história naquele dia e o professor disse que deveríamos usar ambos os horários para discutir o trabalho. Nós relutantemente sentamos juntos naquele dia para que pudéssemos começar. Como não pudemos escolher nossa dupla e nós dois éramos péssimos em história, o professor nos deu um tema fácil, a Segunda Guerra Mundial! Meu Deus! Como eu odiava a Segunda Guerra Mundial! Embora eu admita que comecei a amá-la um pouco. Ele manteve aquele maldito sorriso o dia inteiro.
Eu era muito educado com ele, e sempre que não havia ninguém perto de nós, ele também era muito educado comigo e até mesmo boa gente. Eu puxei minha carteira pra perto dele e começamos a discutir o trabalho. Como não tínhamos nenhuma maneira de fazer a pesquisa lá, eu tentei sugerir cada um fazer uma parte do trabalho.


_Então, vamos ter que fazer isso juntos
_É seu dia de sorte!
Meu Deus, como ele era chato
_Eu estava pensando que você poderia fazer a pesquisa e me enviar para que eu possa montar o trabalho, pode ser?
_De jeito nenhum! Você não vai ficar com a parte mais fácil!
_Ok! Eu vou fazer a pesquisa e você monta o trabalho, pode ser?
_Tambem não!
_Você está falando sério?
_Aham! Encontramos em minha casa depois da escola e nós vamos fazer juntos!
_Qual é?


Ele me entregou seu celular


_Salva seu número aí, eu vou te enviar meu endereço! Às 14h está bom para você?
_Bom não tá! Mas nós temos que fazer o trabalho, não é mesmo?


Faltava apenas três semanas para o fim das aulas e tinha algumas provas chegando! Tínhamos que fazer esse trabalho o mais rápido possível para que pudéssemos começar a estudar para as últimas provas e também para os vestibulares! Uma vez que não tinha mais nada a fazer a respeito do trabalho, eu me levantei e estava puxando minha cadeira para longe dele


_Onde você está indo?
_Eu vou sentar ali com os meus amigos
_E o trabalho?
_Nós já decidimos que vamos encontrar em sua casa, não?
_Sim, mas o trabalho não é só decidir onde iremos pesquisar, não é mesmo?
_Nós não temos um computador aqui para fazermos a pesquisa! O que você quer fazer?
_Muita coisa!
_Oi?


Eu fiquei sem entender a resposta dele, mas nessa hora ele sacudiu a cabeça e respondeu rapidamente


_Quero que você sente aí e vamos conversar
_Sobre o trabalho?
_Senta aí logo!


Eu, muito suspeito, sentei. Não sabia porque ele queria que eu ficasse ali conversando ele, considerando que ele nem gostava de mim! Achava que ele iria ficar feliz se eu fosse sentar com os meus amigos e ele pudesse ir sentar com os dele.
Começamos a conversar, ele me perguntou se eu era interessado em alguém da sala, se eu já tinha ficado com alguém ou quase ficado pelo menos. A resposta para todas essas perguntas foi não. Ele então me perguntou se eu não ia fazer a mesma pergunta para ele e eu respondi que não, que já sabia com quem ele tinha ficado. No ano passado ele havia ficado com uma menina da nossa sala. Todos sabem que ela achava que eles iriam namorar, mas ele só ficou com ela umas duas vezes e depois não quis mais.
Conversamos sobre músicas, filmes, seriados, e vários outros assuntos e concluí que éramos muito diferente. Ele gostava de rock e eu de pop, ele gostava de filme de terror e eu comédia romântica, ele gostava de Sobrenatural, enquanto eu assistia a Diários do Vampiro! Éramos dois opostos! Mas durante aquele tempo nos demos muito bem! Ficamos até o final da aula sentados juntos e ele em momento nenhum me zoou! Por um momento, até esqueci o quanto eu não gostava dele! O sinal bateu meio-dia, guardamos nossas coisas e me despedi dele!


_Tchau por que? Onde você vai?
_Para casa!
_E o trabalho?
_Nós combinamos às 14h!
_Vamos almoçar lá em casa!
_Minha mãe está me esperando em casa!
_Liga para ela e fala que você vai almoçar lá em casa!
_Eu não quero dar trabalho! E minha mãe já deve estar com a comida pronta!
_Não vai dar trabalho! Fale com ela que vamos fazer o trabalho! Ela não deve achar ruim!


Afastei-me dele e liguei para minha mãe. Acho que na hora até rezei para que ela não deixasse, mas ela me respondeu que estava tudo bem, que o gás lá de casa tinha acabado e o almoço não estava pronto mesmo!


_Minha mãe deixou!
_Ótimo! Você prefere passar em um restaurante e comprarmos comida ou cozinhamos lá em casa?
_O que? Você me convida para comer na sua casa quando nem comida tem?
_Se quiser eu te dou uma comida!
Eu tenho certeza que corei nessa hora
_Deixa de ser idiota! A gente almoça lá em casa!
_Não! Nós já resolvemos que almoçamos na minha casa! Eu banco a comida! Meus pais não estão em casa, por isso não tem almoço! Mas se quiser eu posso cozinhar!
_Para mim tanto faz!
_Vamos passar num restaurante perto de casa então e pegar comida!
_Você não ia cozinhar
_Preguiça!


Passamos um restaurante e almoçamos lá mesmo, na hora de pagar ele levantou antes e pagou a conta. Eu tentei passar minha parte para ele, mas ele não aceitou de jeito nenhum. Seguimos para a casa dele e chegando lá começamos o trabalho! Sentamos em frente ao computador, lado a lado, quando comecei a sentir uma das sensações mais intensas da minha vida! Ele estava sentado do meu lado, bem próximo a mim, e eu podia sentir seu calor. Eu podia sentir seu cheiro. Comecei então a repara em como ele era bonito! Tinha uma pele lisa, clarinha, os olhos azuis concentrados, enquanto eu só conseguia concentrar nele! Então ele virou o rosto! Sua boca ficou tão próxima a minha que eu podia sentir seu hálito! Ele interrompeu meu transe quando disse:


_Já chega de trabalho por hoje!
_Mas nós só fizemos a pesquisa! Ainda falta muito!
_Já são quatro da tarde! Eu estou cansado! Vamos fazer outra coisa!
_Eu acho que vou embora.
_Não, está cedo ainda
_Mas não vamos fazer o trabalho mais
_Vamos fazer outra coisa!
_Tipo?
_Vamos para a sala!


Segui ele até a sala, que era no andar debaixo do quarto. A casa dele era muito grande. Não sabia que a família dele era tão rica assim. Chegando na sala ele ligou o som na radio, me disse para sentar no sofá e foi à cozinha. Quando voltou estava com dois copos com gelo na mão, uma garrafa de vodka e refri.


_Para quê isso?
_Vamos beber!
_Está louco? Amanhã temos aula cedo! É quinta ainda! Ainda são quatro da tarde!
_Deixe de ser fresco! Vamos tomar uma juntos!


Eu não queria beber, mas ele chamou de fresco! Aquilo me deixou com muita raiva! Peguei o copo da mão dele com força e ele me olhou com uma cara de convencido. Começamos a beber e conversar, quando dei por mim já estava escurecendo e estávamos ficando tontos.


_Preciso ir embora! Já está de noite!
_Não está de noite ainda!
_Mas está quase! Realmente preciso ir!


Quando me levantei, ele que estava em frente a mim, colocou as mãos nos meus ombros e me fez sentar de novo! Ele então sentou-se do meu lado e ficou me olhando sorrindo, com cara de bêbado. Estamos próximos um do outro! Pude novamente sentir o calor que vinha dele! Senti seu cheiro, dessa vez misturado com o cheiro de álcool. Aquilo foi me hipnotizando! Eu fui ficando bobo! Então eu perguntei a única coisa que veio a minha mente naquela hora:


_Por que você não gosta de mim?
_Quem disse que eu não gosto de você?
_Você me zoa o tempo inteiro! Sempre faz brincadeiras pesadas comigo quando estamos na sala! Eu nunca te fiz nada!
_Eu gosto de você!
_Se você gostasse pelo menos um pouco de mim, não faria isso comigo!
_Você não entendeu! Eu gosto de você!
_Nao gosta, não!


Nesse momento aconteceu o que jamais pensei que fosse acontecer! Ele colocou a mão em minha nuca, me puxou e me beijou. Naquela hora nada mais passou pela minha cabeça! Eu só beijei ele! Ele começou a passar a mão pelo meu corpo todo, foi tão intenso que parecia que estávamos sozinhos no mundo. Ele tirou minha camisa de uniforme e começou a beijar meu pescoço. Vagarosamente foi descendo pelo peito, chegando ao meu mamilo e dando uma mordida de leve. Partiu para meu umbigo e me empurrou deitando-me no sofá. 
Nesse momento, ele veio até minha boca e me beijou novamente. Foi quando senti sua mão passando por minha coxa e chegando a meu pau! Ele começou a apertar meu pau por cima da calça mesmo e eu estava ficando louco! Foi quando ele desceu minha calça e começou a me masturbar. Não demorou muito e ele estava me chupando!
Nunca havia sido chupado antes, mas aquilo era perfeito! Ele lambia bastante a cabeça e depois engolia o máximo que conseguia. Meu pau não era pequeno! Tinha uns 17cm, assim não cabia tudo na boca dele! Ele chupava meu saco e depois voltava para meu pau e chupava muito bem! Foi quando senti que ia gozar e pedi para ele parar.
Ele voltou a me beijar e então levantou seu corpo, colocou sua mão na minha lateral e fez sinal para que eu virasse de costas. O êxtase naquele momento era tanto que eu nem hesitei! Virei de costas e ele começou a beijar minha orelha. Que sensação foi aquela! Ele mordeu a parte de cima e depois beijou meu pescoço! Ele estava deitado em cima de mim e eu podia sentir seu pau duro pressionando em minha bunda. Eu estava sem roupa e ele ainda vestido.
Ele beijou minhas costas e foi fazendo seu caminho até chegar em minha bunda. Beijou os dois lados e então mordeu um deles! Passava a língua lentamente no meio da minha bunda, até que resolveu abri-la e expor meu cuzinho! Quando ele encostou a língua eu fui à loucura! Nunca tinha sentido aquela sensação antes e nunca imaginaria que fosse tão bom! Ele lambia meu cuzinho, passando a língua em volta do anel e ora debaixo para cima, ora de cima para baixo!
Eu apertava o sofá com força de tanto tesão! Ele então cuspiu no meu cuzinho e subiu para o meu pescoço e o beijou! Foi então que senti a cabeça do seu pau encostando no meu anel! Ele havia tirado sua calça e começava a esfregar seu pau em minha bunda. Eu queria tanto aquele pau dentro de mim, que na hora não cogitei a possibilidade de doer, nem lembrei de pedir que ele colocasse um preservativo! Quando ele passava seu pau pelo meu buraquinho, além do meu cuzinho piscar, eu involuntariamente levantava a bunda um pouco, o que com certeza demonstrou para ele que eu queria muito que ele me penetrasse.
Ele então começou a forçar o pau na minha entrada! Ele havia lambuzado bastante meu cuzinho, que estava bem lubrificado, mas isso não fez com que não doesse! Eu senti uma queimação enquanto era arrombado! Meu cu pegava fogo! Parte por causa da dor, mas boa parte por causa do tesão! Ele pressionou tanto que a cabeça passou. Eu então comecei a segurar o corpo dele, que entendeu que eu estava sentindo dor!
Ele parou de forçar, mas eu podia sentir seu pau pulsando. Quando a dor começou a passar, automaticamente levantei um pouco o quadril, pois queria muito ele todo dentro de mim. Ele percebeu isso e prosseguiu com a penetração! Meteu devagar até eu sentir seu saco encostando em minha perna! Estava doendo, mas não tanto quanto antes, ainda assim joguei as mãos para trás e o segurei um pouco, mantendo seu pau dentro de mim.
À medida que fui diminuindo a força com que o segurava ele começou a bombar! A dor cedeu completamente e a única coisa que sentia agora era prazer! Ele metia com muita força, tirava o pau de vez em quando e colocava tudo de uma vez. Senti meu corpo todo tremer e anunciei que ia gozar. Ele passou a meter mais rápido e com mais força! O tremor do meu corpo foi só aumentando até que não contive e gozei muito em seu sofá! Ele então urrou e liberou vários jatos de porra em meu cuzinho. Pude sentir seu esperma escorrendo enquanto ele continuava bombando.
Gustavo puxou meu ombro me virando um pouco de lado e me beijou! Um beijo maravilhoso que fez o tempo parar. Até que meu telefone tocou! Era minha mãe, perguntando onde estava e por que não havia chegado em casa ainda. Ele insistiu muito para que eu dormisse lá, mas minha mãe estava muito nervosa por eu não ter avisado que atrasaria. Ele me levou até o portão, onde me beijou e se despediu de mim.
Cheguei em casa ainda tonto, com a cabeça a mil, relembrando tudo que havia acontecido. Estava com medo de minha perceber que havia bebido então apenas cheguei o rosto na cozinha, pedi desculpas por ter me atrasado, disse que foi por causa do trabalho mas que ainda não conseguimos terminar. Então subi para meu quarto e fui tomar um banho! Depois do banho apaguei!


Acordei quase na hora da aula, com minha mãe me gritando! Comi o café da manhã que ela havia preparado e fui correndo para a escola. Minha cabeça latejava, não estava acostumado a beber e agora estava com uma ressaca daquelas.
Quando entrei na sala, só conseguia pensar em uma coisa, ou melhor, uma pessoa! Avistei ele próximo ao seus amigos e ao me ver, ele disse tudo que não esperava ouvir:


_Senti um cheiro de viado de longe, só podia ser!


Continua


Galera, esse é meu primeiro conto e não sei se fiz direito! Eu sei que meu conto ficou um pouco longo, mas eu realmente espero que vocês tenham gostado! Não percam a parte 2!






Comentarios
eu quem tiro meu cabaço foi o meu irmão foi muito bom eu adorei mais eu era bem novinho e depois com tio mais todos me trataro com respeito eu gostei do teu conto mais e assim mesmo gospe no prato que comeu Comentado por:joelj em 14/02/2016 01:52
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

Pedro e Gustavo - Parte 2 - Tudo tem sua primeira vez