Bastou uma discursão, pra eu saber que era corno


BY: MayaraNascimento
Bastou uma discursão, pra eu saber que era corno Chifre é como sapato novo, no começo incomoda mas depois agente acaba acostumando até virar um corno manso. Meu nome é Riocardo, e apesar do nome o Ricardão dessa história foi outro. Sou casado há 11 anos com a “Nina” uma mulher incrivel, tano como pessoa ou como mulher, muito companheira, ativa e ainda linda e gostosa no auge dos seus 30 anos. Tudo aconteceu quando tinhamos dois anos de casados e moravamos em uma cidade universitária no interior gaucho. Eu trabalhava em uma das universidades da cidade, ganhava um salária razoável, e queria juntar um dinheirinho pra comprar nossa casa própria e nosso carro. Como tinha possibilidade de fazer horas extras comecei a pensar mais no trabalho, nas horas extras pra conseguir juntar mais dinheiro e acabei descuidando da minha casa e da minha esposa Nina. Chegava em casa super cansado, tomava banho jantava e ia dormir, pra mim tava tudo perfeito, não percebia que minha mulher estava insatisfeita, com dois anos de casada, novinha linda fogosa e com muito apetite sexual, nem me dei conta que tava pedindo pra ser corno. Praticamente não tinhamos diálogo, a não ser nos finais de semana quando trocávamos umas palavras, no mais eu ia pro futebol com meus amigos e depois de tomar umas cervejas voltava pra casa, tomava meu banho e ia dormir pra descansar e começar toda rotina na segunda feira. O que me abriu os olhos foi uma discursão que tivemos um certo dia, por causa da fatura dos cartões de créditos, as faturas vieram muito altas por causa de umas compras que ela havia feito. No calor da discursão ela se irritou por causa da minha falta de atenção e carinho para com ela, que eu preferia o trabalho e os amigo e deixava ela de lado, era como se ela não existisse, que era por isso que eu era corno e que ela não se arrependia de ter dado pra outro e me feito de corno. Na hora fiquei gelado e retruquei. O que você disse? É isto mesmo que você ouviu, eu dei para outro macho, coisa que você não ta sendo, você é um corno chifrudo!!!. Nina entrou em nosso quarto chorando e se trancou lá dentro. Naquela hora meu coração estava disparado, eu fiquei ali batendo na porta tentando fazer ela abrir, mas en vão, por drntro eu estava me remoendo de raiva, não queria acreditar que aquilo fosse verdade, ela que sempre foi calma honesta, que ficava brava quando alguem olhava pra ela com segundas intensões, não era possível ter feito isso comigo que nunca tive motivos para desconfiar dela. Depois de um tempo fui pro outro quarto pensando em tudo o que ela havia falado, e pensando quem seria o outro macho que teria comido a buceta dela, fiquei horas pensando e acabei caindo no sono. Durante a noite acabei sonhando com a Nina cavalgando na pica de outro homem, e não tive coragem de fazer nada, fiquei apena olhando, e aquela imagem dela sendo comida por outro homem me enchia de tesão e me deixava de pau duro, enquanto observava acabava me punhetando e torcendo pra ele encher logo a buceta dela de porra. No dia seguinte eu acordei, e percebi que minha cueca tava melada de porra, eu havia gozado durante o sonho com a visão da Nina sendo fodida por outro macho, não acreditei que eu tinha gostado daquilo a ponto de gozar durante o sonho,o fato é que eu acordei mais calmo e a chamei para termos uma conversa, ela veio, ja estava com as malas prontas achando que eu iria manda-la embora de casa. Sentou se do meu lado e eu falei que tinha pensado muito no que ela havia me dito, e mesmo sabendo que ela tinha me traído, eu estava disposto a esquecer tudo , que eu iria dar mais atenção a ela e voltar mais cedo pra casa, eu não queria acabar com meu casamento. Eu também quero continuar casada com você, disse ela de cabeça baixa, e disse que estava muito arrependida e envergonhada, e que não esperava que fosse perdoada por mim, por isso estava com as malas prontas. Nos abraçamos e nos beijamos como se fosse a primeira vez. Apesar de querer saber quem foi o macho que comeu a buceta dela eu não tive coragem de perguntar, achei melhor não saber, se ela decidisse falar depois tudo bem, mas eu não iria forcar nada. Depois do abraço e do beijo, Nina percebeu que eu estava de pau duro e perguntou se eu ainda a desejava, falei que sim e contei do sonho, do tesão que senti ao vela cavalgando na pica de outro macho e de como ele tinha gozado gostoso na buceta dela, deixando ela cheia de porra quentinha, e isso tinha me feito gozar muito e que acordei com a cueca melada de porra. Ela sorrindo me beijou de novo e me empurrou pro sofá, desabotoou minha calça, tirou toda a sua roupa e montou em cima de mim e cavalgou meu pau como fazia com o macho no sonho. Não aguentei segurar muito o tesão e logo esguichei meus jatos de porra dentro da sua buceta, gozei como nunca e ela também. Nina então decidiu contar como me traiu, ela contou que estava se sentindo só, abandonada, que achou que eu tinha outra e estava deixando ela de lado, por isso resolveu se vingar arrumando um amante, então contou que tinha metido com o “Roger” que conheceu numa sala de bate papo com o nick de comedor de buceta de mulher casada, ela não teve dúvida e começou a bater papo com ele, fez isso durante uma semana, depois marcaram um encontro só pra conversar e conhece-lo pessoalmente. Depois de conhece-lo e analisa-lo perguntou pelo tamanho da sua pica e ele respondeu 22x5, e ela pensou, é tudo que preciso, uma pica grande e grossa. Então marcaram uma ida ao motel e durante dois meses ela deu pra ele, mas que tinha acabado. Eu queis saber de tudo que eles fizeram, e ela contou que havia mamado a pica dele por varias veses, e bebeu muita porra, deu a buceta e o cuzinho varias veses, e que ele chupou a buceta e o cuzinho dela também muitas veses. Meu pau estava duro de novo e babando e demos mais uma trepada gostosa, enquanto eu metia nela ela gemia e gritava o nome dele!!! Vem Roger, mete gostoso na sua putinha!!! Me fode gostoso, me enche de porra emquanto meu corninho ta trabalhando!!! Me fode, me rasga, sou toda sua!!! AIII qie caralho gostoso, mete tudo, me arromba, aquele corno não me come mesmo, aproveita, mete tudo, mete com força!!!! AIIII to gozando, que pau gostoso ,> Não aguentei e soltei mais um riacho de porra dentro daquela buceta quentinha e gostosa que se contraia apertando meu pau, que delicia!!!. Gozou meu corno?, voce goza gostoso quando sua putinha fala o nome de outro? Você quer ver ela dando a buceta pra outro macho, quer? Em cima dela e abraçado ao seu corpo quente e suado no auge daquele gozo eu respondia: quero, quero que você dê de novo pra ele, quantas veses você quiser. Quero que você volte pra casa com a buceta cheia de porra fresquinha, depois quero te chupar até sair a última gotinha, faz isso pra mim, faz?. Faço sim meu corninho, quero que você seja um corno bem mansinho, e prometo trazer toda porra que couber na minha buceta, quero ver meu corninho sempre feliz, assim como hoje, depois vamos foder bastante!!!!. Depois nos beijamos e dormimos ali mesmo no sofá por varias horas naquela manhã, afinal nenhum de nós dois tinhamos dormido o suficiente a noite. Depois que acordamos Nina desfez as malas e eu quiz saber se ela ainda sentia tesão pelo Roger, ela disse que tinha acabado, mas que não tinha como esquecer aquele pau generoso que fodeu sua buceta e seu cizinho por dois meses, que ainda sentia muito tesão e muita vontade de sentir aquele pau dentro dela de novo. Incentivei Nina a procurar o Reger e trepar com ele de outras vezes, se possivel naquela mesma noite. Nila ligou e marcou com ele uma ida ao motel, depois me disse que essa noite eu ia ganhar a bucetinha dela cheia de porra. Logo que anoiteceu eu pude perceber a euforia dela, e em poucos minutos Nina já estava no banho, queria saber se eu estava feliz em saber que ela iria ser comida por outro, respondi que sim, que seria o melhor presente que ela iria me dar, e ela falou que estava doida para sentir o pau do Roger regaçando sua buceta, e queria gozar gostoso no pau dele e trazer a bucetinha cheia de porra para o corninho dela beber. É indescritivel e inimaginável o tesão que é ver a sua esposa se preparando para ser fodida por outro macho, e com o seu consentimento, depois de se arrumar e ficar toda cheirosa, Nina me pediu pra leva-la até o ponto de encontro com seu macho as nove da noite,eu estava nervoso e ancioso ao mesmo tempo, estava me assumindo corno manso, iria entregar minha mulher pra ser comida por outro homem,ao mesmo tempo imaginava como ela chegaria em casa com sua buceta alargada pelo pau do Roger e cheinha de porra. Levei-a até uma praça,ela desceu do carro e cominhou até proximo a uma banca de jaonal. Eu fiquei observando e em poucos minutos um carro prata parou diante dela, ela abriu a porta e entrou e se foram. Eu voltei pra casa, só me restava esperar ancioso pela sua volta, a espera parecia uma eternidade, as horas não passavam e minha anciedade só aumentava cada vez mais,acabei tirando um cochilo até que ouvi barulho e o portão se abrindo, eram duas da manhã, abri a porta e dei de cara com a Nina com um lindo sorrisono no rosto, nos abraçamos e nos beijamos, nem precisei perguntar como foi, seu sorriso de alegria e satisfação ja dizia tudo, ela me puxou pela mão em direção ao nosso quarto, Nina foi tirando sua roupa e deitando na cama enquanto eu tirava a minha, mostrou a calcinha melada, depois puxou a calcinha para me mostrar sua buceta lambuzada de porra, terminou de tirar a calcinha e deitou na cama, cheguei perto e tive a maravilhosa visão da sua buceta toda impregnada de porra com os pentelhos grudados em sua volta, a entrada da sua grutinha estava bem aberta e um liquido viscoso escorrendo la de dentro. Ainda deitada foi me contando detalhes do que aconteceu entre eles, disse que deu uma chupada gostosa na pica dele deixando ele louco de tesão, que ele retribuiu chupando sua buceta e seu cuzinho. Depois dos dois estarem bem lubrificador, virou ela de bruços e enfiou o pau lentamente no seu cuzinho,depois de sentir ele inteiro enterrado nela, Roger fodeu com força até ela sentir seu pau inchar e despejar uns jatos quentes de porra la dentro. Depos de recuperado e estar de novo em ponto de bala meteu aquele pinto durrissimo na sua buceta e fodeu ela com força até ela gozar gostoso e depois ele se retesou e socou fundo e começou a bombar,bombar ate encher ela de porra, ela disse que nessa hora ela só pensava na minha reação quando ela chegasse en casa com a buceta toda esporrada. Minha primeira reação ao ver aquela buceta lambuzada de porra foi meter a boca ali e saborear aquela gulozeima que Nina tinha trazido pra mim,ao tentar fazer isso ela me impediu fechando as pernas, perguntou se eu queria mesmo chupar sua buceta com porra de outro homem, se eu não tinha nojo, respondi que era tudo que eu queria era chupar a buceta dela daquele jeito, suja e melade de porra. Ela abriu as pernas e falou sorrindo, então chupa meu corninho, sente o gosto da porra que a putinha da sua esposa foi buscar para você. Chupei a buceta dela com gosto, bebi toda porra que saia la de dentro e depois meti gostoso naquela buceinha laciada pelo caralho de outro homem até gozarmos os dois juntos e dormirmos abraçadinhos. Hoje temos onse anos de casados e somos cumplices em tudo e ainda hoje ela traz sua bucetinha cheia de porra pra mim cada vez que vai pro motel com algum macho e sempre com o meu apoio e depois de tomar toda porra que ela traz ainda transamos como dois alucinados, como se fosse a primeira ves de cada um. Eu nunca imaginei que gostaria tanto de ser corno, de entregar munha esposa pra ser comida e de tomar tanta porra de outros machos, ela gosta de uma pica diferente, está sempre feliz e me faz feliz assim.
Mayara Nascimento 21/06/2014





Comentarios
Que relato? Eu me vejo numa situação igual com minha esposa, mas só na fantasia, ela é fresca, moralista, metida santinha e com preceitos religioso, mas eu penso nela aguentando a pica de um macho e esse homem seria meu pai por quem eu fui apaixonado ate hoje aos 63 anos de idade. Comentado por:dicod05 em 24/03/2016 09:49
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

Como fiz pra seduzir meu filho