Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte


BY: MayaraNascimento
Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte
Conto de Mayara Nascimento
Depois de um cochilo e descanso merecido, acordei com a pica do meu cunhado tentando entrar de novo na minha grutinha, minha buceta estava literalmente esfolada, mas eu queria tanto ter o marido da minha irmã, sentir o mesmo prazer que ela sentia com aquele macho viril, queria tanto aquela rola arrombando minha buceta, provoquei tanto a ele que não podia mais voltar atrás e nem decepciona-lo, e quando ele tentou me penetrar minha buceta reagiu se contraindo tentando se proteger, impedir a invasão, ele percebeu e disse: Tá dolorida ne meu amor, bastante, respondi: ele se levantou e pegou uma pomada, espremeu no dedo e lambuzou minha xaninha, metendo o dedo lá no fundo, aquilo era gelado e em poucos minutos eu já não sentia mais dor, parecia que minha xaninha tinha sido anestesiada, quando percebi sua rola grossa estava todinha enterrada em mim, aquela rola preenchia todos os espaços daminha buceta e agora sem dor a coisa era muito melhor, ele socava o pau com forca enquanto sentia seu saco batendo na minha buceta. Eu estava dominada pelo prazer e exalando tesão por todos os poros, não demorou muito pra eu anunciar que gozaria mais uma vez no pau gostoso do meu cunhadinho, e ele deu uma pausa e com o caralho totalmente enterrado dentro de mim, pulsando, completamente duro, pois o seu gozo ainda não tinha vindo. Ele passou a chupar os meus seios, a me beijar, enquanto eu me refazia da onda de prazer. Mas eu queria tirar mais leitinho daquele pau, e logo em seguida as bombadas continuaram, agora num ritmo frenético, meu cunhadinho com sua respiração ofegante e me trocando de posição, ajoelhado atrás de mim ele socava aquela rola feito um alucinado na minha buceta que era duramente castigada sem reclamar. Cansado e suando muito, meu cunhadinho encheu minha buceta com sua porra quentinha, ele gemia forte roçando a piroca de cima a baixo na minha buceta, depois ainda com seu cacete duro tirou da minha xoxota e ficou esfregando no meu grelo provocando em mim mais ondas de choque e prazer. Ficamos ali deitados, mortos de cansado depois de um gozo tão intenso, refeitos fomos para um banho refrescante e depois voltamos pra cama, onde Dormimos de conchinha.
Quando acordei eu mal podia acreditar que eu tinha dado conta daquela tora do meu cunhado, olhei e vi aquela coisa mole, murcha, comecei a alisa-lo até que ele despertou da sua hibernação, e começou a endurecer, meu cunhado perguntou: Tá gostando, cadela?   Que caralho gostoso! Uuuuuuiiiii... Ele se levantou, foi até o banheiro e trouxe um frasco de creme, e fez uma deliciosa massagem com hidratante no meu cuzinho. Ele então pediu pra eu ficar de quatro, veio por trás e meteu mais um pouco na minha bucetinha, e enquanto isso enfiava o dedo no meu cuzinho. Eu estava alucinada com aquilo tudo, rebolava e dizia o quanto estava bom, ele então parou de penetrar e pegou mais uma vez o hidratante e lambuzando bastante meu cuzinho, eu sabia que ia ter de aguentar aquela tora no meu cu. Eu na hora hexitei um pouco, imaginando a dor que seria, mas ele me tranquilizou dizendo que meteria bem devagar, mas que não perderia essa oportunidade de comer meu cuzinho, e pra eu relaxar não iria doer muito. Continuou penetrando meu cuzinho com dois dedos e com a mão tocando minha bucetinha dolorida. Começou cutucando meu anelzinho com a cabeça do seu pau, em seguida com dificuldade foi enfiando aos poucos.
Eu reclamava de dor e ele pedindo pra eu relaxar que eu a dor passaria logo. Depois que entrou a cabeça senti uma dor horrível como se tivesse rasgando meu cu, na hora não vi só estrelas, mas uma constelação inteira, ai ele estava pondo devagar e eu disse: "enfia tudo de uma vez, vai, não é para ter dó de mim, é para socar com força e rasgar o meu rabo", ai ele segurou na minha cintura e socou de uma vez toda a rola dentro do meu cuzinho. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, entrou tudo até o talo, ai, como doía aquela tora no meu rabo, parecia tá perfurando minha tripas, estomago, tudo ,o cacete do meu cunhado era realmente grande. Dei um berro, eu gemia, gritava, xingava de dor e prazer com aquele espeto no meu cu, ele ficou parado e eu só sentia aquilo pulsando la dentro, depois de alguns minutos aos poucos começou a se movimentar e pedi para ele bombar cada vez maia forte, ele ficou mais 30 minutos bombando o meu cuzinho quente e apertado. Ele sabia que sua tora era grossa e meu cuzinho apertado, ele me fodia gemendo alto dizendo que nunca tinha comido um rabinho tão apertado, que estava uma delicia e não ia aguentar muito tempo e logo começou a bombar com força. Eu comecei a gostar, numa mistura louca de dor e prazer e ele me pedia pra rebolar e me dava tapa na bunda, me deixando com ela toda ardida e com marcas de sua mão. ... isso gostosa geme na minha pica, geme com ela inteirinha no cu, vai... vou fazer você gozar muito nela... Eu dizia: isso meu tesão, mete gostoso no meu cu, mete, não para, vou gozar no seu cacete, ai que delícia de pau... Isso cadelinha morde meu pau com esse cu apertado vai!!! goza gostoso, goza putinha......... aiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
Eu então pedi pra ele encher meu cuzinho com seu leite quente, e ele me chamando de vadia, cadela, gostosa, disse que ia me encher de porra. Foi estocando cada vez mais rápido gritando de tanto tesão, me chamando de puta, safada, cadela e dizendo que ia me foder sempre agora.
Senti seu pau latejando e engrossando dentro de mim, alargando cada vez mais meu cuzinho e de repente veio aquele jato quente e gostoso fazendo meu cuzinho arder. Ele caiu do meu lado exausto, dizendo o quanto eu sou gostosa, tanto quanto a minha irmã. Naqueles quinze dias que minha irmã ficou fora meu cunhado me comeu todas as noites, parecia insaciável, e na última noite ele realmente judiou de mim, praticamente não dormimos, só fodendo, minha buceta e meu cuzinho, estavam ambos esfolados, minha buceta inchada, e devo ter tomado uns dois litros de porra. Decidi esperar por minha irmã na própria casa dela, dei uma desculpa pro meu cunhado que precisava limpar a casa pra hora que minha irmã chegasse. Quando meu cunhado entrou em casa com ela, ela veio logo me abraçar, e ele fez de conta que nunca tinha acontecido nada entre nós, como se aquela fosse a primeira vez que eu tivesse ido a sua casa só pra arrumar pra chegada da minha irmã. Assim que ele se afastou e nos deixou a sós, ela percebeu que eu estava andando até com as pernas abertas e perguntou: Pelo jeito essa bucetinha tá muito esfolada né? Respondi, não só ela, meu cuzinho está em brasa, fodemos esses quinze dias e na noite passada nem dormimos, ralei na pica dele!!!. Ele desconfiou de alguma coisa? Não, ele acha que eu estava te pondo chifres. Homens, são todos safados ne mesmo? Basta agente virar as costas, pintou um rabo de saia eles comem. Gostou do presente? Mesmo esfolada, Adorei!!! Quando você viaja de novo? RSRSRS.
Mayara Nascimento 12/08/2015
“ Caro leitor, se você gostou desse conto vote, mas também comente, e sempre importante ter o seu voto mas também saber o que você acha do conto que leu, se te deixou excitado(a) se te deixou com tesão, se você se masturbou imaginando estar vivendo aquela aventura, ou estar no lugar daquele personagem. Seu comentário me ajudará a escrever cada vez melhor pra aumentar a sua libido e fazer você gozar cada vez melhor. Agradeço, Bjsss Mayara Nascimento”



Foto 1 do conto: Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte

Foto 2 do conto: Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte

Foto 3 do conto: Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte

Foto 4 do conto: Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte

Foto 5 do conto: Perdi o selinho da buceta com o marido da minha irmã 4ª parte



Comentarios
Muito bom seu conto e as fotos também são show. Ate minha esposa vai se animar e melar a buceta vendo estes pauzões. Comentado por:dicod05 em 22/03/2016 09:59
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

Enfim corno visual.