OS FILHOS DE PEDRO, MAGNIFICOS


BY: betoleandro
Há como me sinto estaziada quando o assunto é penis enormes, para quem não me conhece ainda, me chamo Rita,tenho 29 anos, formada em Veterinária, ja contei parte das minhas historias, onde consegui tranzar com homens com cacetes monstruosos,, não satisfeita, fui em busca de algo maior, fodi com um cavalo e um Jegue com sua chapeleta descomunhal, depois que fodi com o Jegue não tenho encontrado parceiro que me satisfaça, hoje meu avô veio a minha clínica, que alegria em o encontrar novamente, conversamos sobre meu trabalho aqui na cidade, tambem me falou que o Pedro lhe falou que seus filhos Jeová e Jeovane que moram em Aracajú estou vindo visita-lo, me pediu para eu levar eles na fazenda, pois iria chegar a noite na rodoviaria, e não queriam ficar em hotel, então lhe faei que faria isso, apenas me informasse a hora que iriam chegar, ppios estou com muito trabalho aqui na clínica, para não deixa-los esperando na rodoviaria, meu avo me falou que tinha passado meu endereço para eles, não se preocupasse, pois eles vinham me procurar falou que ja estava de volta a fazenda, levei ele ate a saída, dei-lhe um beijo nos rosto para não despertar curiosidade as minhas asistentes, o que eu queria mesmo era beijar sua boca e segurar em seu cacetão, que tanto prazer tem me proporcionado, pois bem, voltei a examinar alguns animais que estavam em observação, gatos, cachorros o tempo passou rápido, as 19.50hs, tocam a campainha, como as asistentes ja tinham ido embora, fui atender, ao abrir a porta, tinha dois rapazes altos bem vestidos, sorriso largos, me comprimentaram se apresentando como Jeová e Jeovane, dizendo que eram filhos de Pedro que trabalha como meu avo, pedi para sentar na recepção, enquanto eu organizava uns papeis, para leva-los a fazenda conforme tinha combinado com meu avo, ofereci café para eles que aceitaram, então pedi que poderiam se servi a vontade, pois ja voltava, ao me afastar da recepção, percebi que eles não tiraram os olhos de mim, pensei bem, são jovens, e natural se sentir atraído por uma mulher, mes com 29 anos, ,desperto muito interesse nos homens, terminado o trabalho retornei e informei que ja poderiamos seguir viagem, seria rápido a fazenda fica ha 17 km, perguntei se queriam para em algum lugar para jantar, responderam que tinham comido na rodoviaria e agradeceram,o Jeová sentou no banco da frente se mostrava mais converçador , o Jeovane era do tipo mais calado ficou no banco trazeiro,, perguntei porque não morava com seu pai, me falou que seu pai tinha vindo morar em minha cidade ao se separar de sua mãe , resolveu nos deixar com mãezinha, achei interessante um homão daquele tratando sua mãe no diminutivo, risos, falamos sobre sua cidade, informou que é muito bonita, tem praias maravilhosas, lhe disse que qualquer dia vou conhecer, pois minha vida tem sido estudar e trabalhar, so conheço as praias do meu estado, o Jeová ja oferendo sua casa como apoio, precisei verificar se tinha guardado a chave da clínica no porta luva, aproveitei que estava parada no sinal, ao esticar meu braço, inclinei-me deixando meus seios a vista, pois usava uma blusa de seda sem sutiã, o Jeová se remexeu ao meu lado, pude perceber um volume grande entre suas coxas, ele não tirava os olhos de mim, fingi que não tinha percebido, ao apagar a luz do teto do carro percebi seu olhar penetrante, pois bem sinal aberto segui viagem ja estava entrando na rodovia, não demorou muito chegamos a fazenda, seu pai nos esperava junto com vovô, retiraram suas coisas e vovô os convidou a entrar na casa, informando que hoje eles iriam dormi em sua casa, pois seu pai, não tinha recebi as camas que comprou para eles, fomos pra sala, e converça estava solta, o Jeová não parava de falar, enquanto o Jeovane estava mais para escutar, vovô mandou eles colocarem suas coisas no quarto no fim do corredor, que ficava ao lado do que costumo dormir, o pedro pegou as coisas e seguiu para o quarto, foi acompanhado do Jeovane, vovô foi ate a cosinha, nos deixando sozinhos, foi aí que lhe perguntei sobre se ele tinha namorada, ele sorriu e falou que a namorada tinha deixado ele, perguntei porque ele ficou me fitando, percebi que tinha ficado um pouco pálido, imaginei de que estava com vergonha, eu estava sendo muito direta na conversa, olhei para o meio de suas pernas, ele fitou, quase como um fuzilamento, involutariamente ele segurou em seu cacete e falou, quando nos conhecemos eu estava completando 18 anos, a gente estudava na mesma escola, nos preparavamos para o Enem, eu era foco de brincadeiras na escola, me chamavam de tres pernas, ele se interessou por mim, movida pela curiosidade, queria ver como eu era realemente, o namoro foi se firmando ate que no mes passado levei ela para minha casa, aproveitei que a gente estava sozinhos, fomos ao meu quarto, , ate então nosso namoro não passava de beijos e abraços, ela sempre se esquivando de investidas maiores, ao chegar no quarto levei ela para cama, ficamos nos beijos e abraços,, fui tirando sua blusa e beijando seus peitos durinhos, depois tirei sua calçinha, ela falou que não podia passar dali, passei a dedilhar sua buceta , toquei seu grelo ela gemeu alto, parei para tirar minha roupa, estava de bermuda, pois ja não aguentava mais a pressão que o cacete fazia, quando ela viu meu cacete, ficou espantada, disse que jamais deixaria eu colocar meu pau em sua buceta, não era uma egua para aguentar tanto cacete, tentou se levantar, acalmei ela , falando que nada faria se ela não desejasse, mais calma ela ficou me acariciando, ate que resolveu medir meu cacete, colocou seu ante braço ao lado do meu cacete, que ficou emparelhado do seu cotovelo ate seu punho, eu ja estava quase gozando com o narrar da sua historia, então ela me disse, nunca vou deixar voce me foder, não quero ir parar no hospital topda rasgada, percebo que vovô vinha em nossa direção, meu coração estava pulsando forte so de pensar como seria seu pau, nisso vovô fala se quiserem comer a Maria deixou o jantar pronto, eu ja comi, mais tem para todos, fui a cosinha tinha um arroz ligado, feito com caldo de galinha caipira, fizemos nos pratos e fomos para mesa, terminado o jantar, retornamos para a sala, eu não via a hora de ir a meu quarto me lavar pois a conversa me deixou de buceta molhada meu avô anunciou que ia se recolher, pois tinha acordado cedo, levantou-se veio ate onde eu estava, me abraçou dando boa noite, e falou baixinho em meu ouvido, hoje temos visitas, vou ficar na saudades, beijei seu rosto disendo, é so uma noite passa rápido, ele saiu indo direto para seu quarto, Pedro foi para a casa dele que fica perto, Jeovane deu boa noite seguindo para seu quarto, ao ficar a sós, lhe falei, Jeová depois vá a meu quarto, fica ao lado do seu, seus olhos brilharam ele não esperava um convite desse, seguimos pelo corredor, ao entrar no quarto me virei e pisquei o olho junto com um sorriso, deixei a porta entre aberta, fui tomar meu banho , a agua quente escorria em meu prazerosamente, lavei minha bucetinha enfiando os dedos nela, , estava toda molhadinha, meu desejo aflora muito rápido, por conta disso evito usar calças de tecidos finos, para não correr o risco de molhar a roupa, ao sair do banho peguei minha camisola, vesti somente com calçinha branca rendada, , deitei-me na cama e liguei a TV para esperar meu visitante, demorou um bom tempo, ate que ouço ele pigarrear, estendi a mão para ele com um sorriso largo, ele sentou na beirada da cama e dando um beijo na testa, foi ai que ele perguntou não e perigoso a gente ficar aqui, lhe disse, não, meu avo não vai vir aqui, ja deve esta dormindo, ele disse demorei porque o Jeovane demorou a dormi, ele estava vestindo uma camiseta tipo regata, e um calção das pernas largas,pedi para ele trancar a porta por garantia, ele levantou e trancou, ao sentar junto de mim, curvou-se para me beijar, agora parecia mais seguro, alizou meus peitos, sentindo a maciez do tecido, tremi com o toque de sua mão, alizava com suavidade, parecia que a gente ja se conhecia, baixou a mão e tocou minha buceta, , abri mais as coxas, ele encheu a mão com minha buceta, gemi baixinho, ele passou o dedo sobre meu grelo, me abri mais curvando os joelhos, pedi para se deitar, ele deitou-se , vindo beijar minha boca, correspondi colocando minha lingua para ele chupar, ele sabia como ninguem a arte de amar levei minha mão ate seu cacete, que estava suspendendo o calção, segurei sobre o tecido, percebi que era um cacete de respeito, minha mão simplesmente não abarcou, ai me lembrei do seu pai, bem que dizem, tal pai , tal filho, alizei de cima a baixo, parecia maior do que seu pai,, senti meu sangue ferver, so de pensar em receber aquele caralho grosso, eu estava ficando seu folego, pois ele não descolava da minha boca, segurei sua cabeça e levantei devagarinho, não queria que ele achasse que eu estava o recusando, ele se levantou e veio por cima de mim, levou a mão a seu cacete puchando para fora do calção, ao sair a cabeçona do seu pau, a visão daquela anaconda, me fez pulsar a buceta, ele não parecia nada com o pai, era bem mais grosso, parecia uma maçã, deitou sobre mim, encostando em minha barriga, minha camisola tinha subido com os movimentos, ele pediu para tira-la, ergui o ombro para facilitar, tirou com rapidez, me deixando so de calçinha, eu ja estava a mil, queria aquele cacetão dentro de mim, ele comessou se esfregar, subindo e descendo, dava umas paradinha com seu cacetão colado a entrada da minha buceta, isso era uma judiação, ele não tinha pressa em me penetrar, parece que temia em me machucar, não aguentando mais lhe falei baixinho,, vem me come com este cacetão, ele me olho nos olhos e falou, é isso que voce quer? sim respondi, ele arriou o calção, não usava cueca, ai sim, percebi porque a sua namorada não deixou ele lhe foder, seu cacete alem de grosso da cabeçona ate a base, devia passar facilmente de 36 cm, pincelou em minha buceta, espalhando o liquido que escorria da buceta em seu caralhão, deu uma cuspida na palma da mão e espalhou na cabeça do cacete, voltou a pincelar, eu sentia ele na entrada da buceta, falei, vem querido, não aguento mais, ele encaixou e segurou firme minha cintura, senti que estava bem encaixada, suspendi a buceta de encontro a ele, a cabeçona abriu caminho, aiiiiiiiiiiiiii, aiiiiiiiiiiiiiii entrou, para um pouquinho, deixa eu me acostumar, ele estava se sustentando nos braços ficou me olhando com certo espanto, acho que ele não acreditava que eu tinha deixado ele enfiar sua picona , agora a dor foi passando, pedi para ele enfiar mais um pouquinho, ele se moveu, dando uma socada com mais força, minha buceta se alargou toda, quis gritar, mais não podia, meu avô iria acordar, modi os lábios para conter o prazer de receber parte daquela anaconda, aaiiiiii, uuiiiii, ooiiiiii, gemia baixinho, minha vontade era de gritar bem alto, ele se movia com ritimo, eu ja sentia a cabeça do seu cacete tocando as paredes do meu utero, ele ia e vinha,, suspendi as coxas, cruzando minha pernas e suas costas, ele deixou seu peso cair sobre mim, entrou mais um pouco, agora ele socava com vontade, dizia voce e muito gostosa, quero voce todinha, e beijava meu pescoço, labia minha orelha, levei a mão para ver se ele tinha enfiado todo seu cacetão, que nada ainda estava de fora uns 10 cm, era muito cacete, pra entrar numa buceta, comessei a senti que meu gozo ia chegar, esta muito gostoso foder aquele homem quase desconhecido, comessei a gritar baixinho, aaiiiiiiiiiii, aaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, aaiiiiiiiiiiiiiiiiiii, soca mais, vai, quero gozar com voce todinho dentro de mim, nisso ele curvou o corpo e enfiou o resto do cacetão, uuiiiiiiiii, uuiiiiiiii, ooiiiiiii, mais, mais, aaaiiiiiiiiiiiiii maais, me abraçei a ele, senti seus pentelhos, colar aos meus, ele tinha enfiado tudinho, aaiiiiii, aaiiiiii, uuiiiiiii, uuiiiii, ele acelerou, agora nossos corpos faziam um barulhos plof, plof,, nisso ele arrancou aquele monstro de dentro da buceta, era algo asustador, gozou sobre minha barriga uma grande quantidade de porra, dava jatos que vinha ate meus peitos,,deitou a meu lado, apenas respirava, segurou minha mão e ficou de olhos fechados, passado algum tempo, me falou, Rita esta é a primeira vês que gozo de verdade com uma mulher, poucas deixaram eu enfiar mais que 15 cm voce e maravilhosa como conseguiu isso, lhe falei tenho obserção por caralhos grandes, depois lhe conto porque deixei voce enfiar este colosso, levantou-se foi ao banheiro limpar seu cadete, tambem me lavei, ele foi para seu quarto, não demorei a dormir, de manhã voltei para cidade, prometendo voltar no final de semana, ate breve, beijos..............


Foto 1 do conto: OS FILHOS DE PEDRO, MAGNIFICOS

Foto 3 do conto: OS FILHOS DE PEDRO, MAGNIFICOS

Foto 5 do conto: OS FILHOS DE PEDRO, MAGNIFICOS



Comentarios
aravilhoso o desabrochar de uma mulher e nunca mais ficara sem um macho gostoso que a domine. Toda mulher inclusive a minha teria que ter uma experiencia desta para valorizar e curtir a vida sem pudores.O que esta esposa gostosa viveu se entregando e se deixando viver foi lindo demais e quando menos amanheceu ela já estava submissa e sedenta de rola diferente..lindo demais me deixou vibrando leio sempre contos desse estilo imaginando a minha esposa vivendo a historia no lugar da personagem meu email histotinhaslegais amigos que quiserem comentar sobre as fotos dela Comentado por:paulomancio em 13/02/2016 06:52
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

Primeira vez. Minha esposa e o negão