Aventura no Centro


BY: Bruninha
Para quem nunca leu meus contos, aqui vai minha apresentação: sou Bruna, atualmente com 20 anos. Sou morena clara, peitos grandes, cintura fina e bumbum redondinho, tudo fruto da academia. Meu cabelo está na cintura como sempre, na cor castanho.
Pois bem, no final do ano passado comecei a ficar com um cara de 27 anos chamado Ricardo. Transávamos muito, todas as tardes ele me fodia em todas as posições possíveis, já que nós estávamos desempregados. Em maio desse ano, ele me pediu em namoro e eu aceitei. Até ai tudo bem, o problema foi que o sexo foi diminuindo e agora transamos uma vez por semana e olhe lá... Passei então para as siriricas, ao menos duas por dia.
Me entupia de sacanagem e pornografia, e cada dia meu tesão aumentava mais. Eis que num determinado sábado à noite no qual não passaríamos juntos, resolvi sair. Meu tesão estava no ápice e precisava de uma pica o mais rápido possível.
Tomei um banho, me depilei todinha e me vesti como uma putinha, um vestido justo, calcinha de algodão que mal dava para ver de tão pequena, e sem sutiã. Fui a luta, peguei o metro (estou morando em SP) em direção ao centro.
Cheguei lá por volta das 23h e por ser sábado, tinha bastante gente nas ruas. Recebi varias cantadas e assovios que iam deixando minha buceta cada vez mais molhada. - oh gostosa, como eu faço pra te comer? - não respondi, apenas olhei com cara de safada.
Em quase todas as esquinas tinham putas prontas pra servir a qualquer um que quisesse e tivesse dinheiro, eu não achei uma boa ideia ficar por ali também, já que essas mulheres se acham "donas do ponto". Resolvi então entrar num barzinho, como estava com pouco dinheiro, fui nesses chechelentos mesmo.
Sentei no balcão e pedi uma cerveja, o dono me olhou de cima em baixo e me comeu com os olhos, mas não comentou nada. Um pouco depois, entrou um cara de uns 40 anos, alto, moreno, forte e até que bonito. Aparentava ser um trabalhador braçal, acho que de alguma obra noturna, dessas da prefeitura. - A moça tá sozinha? - ele sussurrou enquanto esperava as águas que pediu. - Estou sim. Com licença - saí do bar.
Como o esperado, ele me abordou novamente na rua - Moça, não é uma boa ideia ficar andando a noite por ai sozinha. Algum tarado pode aparecer. - disse enquanto pegava meu braço, meu deus, que mão enorme... - Eu não tenho medo, sei me cuidar sozinha.- nisso ele me puxou para um desses becos, me encostou na parece de costas para ele e me encoxou. Pude sentir o pão dele duro na minha bunda. Puxou meu cabelo pra traz e com a outra mão abriu minhas pernas - Pois deveria ter medo! tá molhada safada? Vem comigo que vou te dar um trato!! - e saiu me puxando para um lugar escuro do beco.
Não tinha uma alma sequer naquele lugar, eu nem sabia que existia aquele trecho, estava totalmente perdida e o melhor: adorando aquilo.
num determinado ponto extremamente escuro, ele me jogou novamente contra a parede, subiu meu vestido e rasgou minha calcinha - Você é puta? É né? Que mulher digna usaria uma calcinha dessa? - tirou o pau pra fora, cuspiu na cabeça e já foi socando em mim. Não tive reação já que foi tudo muito rápido.
O Homem tinha um pau de uns 16cm, grosso que só. Bombou forte. - Vai cadela, empina esse rabo pra mim entrar mais, quero arrombar essa sua buceta apertada! Empina! - empinei o máximo e deixei ele me usar do jeito que bem entendia. Eu gemia baixinho e ele socava sem dó me xingando de tudo quer nome. Puxava meu cabelo e estapeava minha bunda que ardia muito. - Você nem merece ser chamada de puta! Puta dá por dinheiro, você dá pra qualquer um de graça. É só ter pau e querer que pode te comer! Arrombada, safada, cadela! - e metia.
- Isso vai, me fode, me come todinha. Sou sua puta, me estuprada safado, vai ah ah ah - gozei... Gozei muito no pau do cara. Ele não parava, fodia com toda força e nem ligava - Gozou cadela? Toma mais rola, puta! Vai, geme que vou te encher de porra! Vai.. aaaaaaaah puta! - ele gozou.
Tirou o pau e junto lavou minhas pernas de porra. Fiquei mole por um tempo. O cara me virou, deu um tapa na minha cara se virou e foi embora. Me senti a mais suja das putas, mas estava satisfeita por enquanto.
Ainda estou muito excitada e louca para foder, ser usada por estranhos. Alguém se habilita?
Beijinhos de sua eterna putinha: Bruna
                                





Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

Perdendo a virgindade