Foi a coragem da minha mulher que realizou nossas fantasias


BY: roberttocardozzo
Eu e meu amor com outro pela primeira vez de forma inesperada em uma piscina de águas termais realizando nossas fantasias:
Eu e minha mulher fantasiávamos muito, muitas e muitas loucuras sexuais, repetidamente, mas somente entre nós dois, pois ela não queria sair das fantasias para a realidade, porém um dia apareceu uma oportunidade totalmente inesperada, trocamos ideias, fizemos nossos acordos internos, tivemos coragem e eu acabei entregando minha mulher totalmente e alucinadamente com eu nunca a vi, para outro homem.
Somos um casal normal, de bem com a vida, 38 e 35 anos, dois filhos, cuidamos da nossa saúde física, alimentar e aparência corporal, somos considerados pelos nossos amigos um casal legal, um casal bonito, contudo não somos “daqueles casais” que outros que contam seus relatos e experiências sexuais, nos fazem imaginar que são de arrasar quarteirões.
Estávamos no mês de janeiro em uma cidade com local de turismo de piscinas de águas termais (águas quentes). Eu estava sentado lendo um pouco, mais atrás na sombra e minha esposa mais a frente se bronzeando naquelas cadeiras brancas de plástico que se esticam. Minha esposa depois de tudo me relatou o que aconteceu antes de eu saber e poder então participar dos nossos momentos inesquecíveis.
Ela me disse que viu um rapaz bonitão que vinha vindo, recém, saído da piscina com seu calção molhado e meio colado ao corpo, que ao caminhar mostrou “algo” que deu um calorão e mexeu com todas as fantasias dela e ela não aguentou e ficou olhando para o grande volume do rapaz. Ele notou, diminuiu o passo, olhou para ela, me viu lendo, deu um sorriso maroto para ela, mexeu com a cabeça em segredo fazendo menção para ela entrar na piscina. Ela tremeu nas bases, olhou para mim que estava lendo, olhou para o rapaz e tomou coragem. Me disse: amor, vou me molhar um pouquinho na piscina para dar uma umedecida no corpo e já volto para me bronzear. Eu lendo só disse, ok, tudo bem e continuei lendo. Ela entrou na piscina termal que tem uma borda ao seu redor um pouco mais alta, mal e mal aparece a cabeça olhando de fora, para quem está um pouco retirado na sombra, que era o meu caso. Ela foi até um canto da piscina e o rapaz espiando se eu estava olhando, foi chegando perto dela, olhou com aquele olhar de “quero te comer agora”, e passou perto dela meio que se enroscando nas pernas nela, e como ele viu que realmente ela ficou na dela e olhou para ele sorrindo meio safada, ele deu mais uma olhada para mim e como eu estava lendo, então ele se encostou ao lado dela, sem falar nada colocou a mão no ombro dela e como ela não se esquivou, ele deslizou a mão dele pelo braço dela descendo até a mão dela, a qual ele levou até o pau dele que estava duro como uma pedra, e ela arregalou os olhos com o tamanho dele, não tão compridão, mas grosso, que ela chegou a imaginar na hora que se algo desse certo, que ela não daria conta daquilo tudo dentro dela, mas que tremia de tesão e vontade de sentir aquilo. Ela apalpou gostosamente e depois tirou a mão, olhou nos olhos dele e disse, você é uma tentação, mas meu marido está esta comigo e eu nunca traí ele. O rapaz falou para ela, que a vida passa e os momentos fervilhantes da vida também, que ela poderia tentar inventar alguma história para deixar ele por umas duas horas longe dela, que ele estava no hotel do próprio balneário e que seria fácil eles irem para o quarto dele. Ele disse para ela que ela não precisava se preocupar que ele era discreto, limpo, saudável, doador de sangue, que não tinha nenhuma doença de nenhum tipo e que ele gostou muito dela e queria dar e ter muito prazer com ela. A cabeça dela girava a mil. Ela respirou fundo, tomou coragem, chegou perto do ouvido dele, cochichou de maneira safadinha, dizendo para ele esperar na piscina que ela iria ver o que conseguiria fazer com o “maridinho”, e então ela veio até mim que estava lendo tranquilo, puxou a sua cadeira bem pertinho de mim, me olhou romanticamente, chegou colada ao meu ouvido e disse: Amor tô toda “molhadinha”, com um tesão danado de foder muito, tô com um calorão e até com uma tremedeira de tesão, que havia pensado em algumas novas fantasias muito loucas. Eu olhei para ela, fiquei excitado e então meio desconfiado perguntei: Amor, você foi na piscina e voltou com tesão né? Viu algum macho lá gostosão e agora quer foder comigo fantasiando com ele? Ela disse: SIM. Então tá, você me conta sua fantasia para que eu fique com tesão também e vamos foder prá valer. Foi aí então que ela me olhou nos olhos, me beijou na boca, respirou fundo e me disse tudo o que tinha acontecido, que ficou com muito tesão pelo rapaz, que este rapaz provocou agora a vontade nela de realizarmos nossas fantasias, que com ele, ela teria coragem, que o rapaz até propôs ela me meter os corninhos, que ela deixou ele na piscina imaginando isso, mas que ela veio falar e ver comigo, e que se eu quisesse ela foderia com o rapaz e que se eu não quisesse, ela mesmo com muito tesão, iria respeitar a vida inteira a minha decisão, e reforçou que sentiu que o rapaz era bem legal, limpo, discreto e muito saudável. Olha, quando eu escutei tudo isso, me deu até tonturas e um negócio por dentro na boca do estômago que me deixou vibrando e pensando realmente nas loucuras que poderiam acontecer se eu também tomasse coragem e liberasse minha esposa para o rapaz. Olhei para minha amada esposinha e disse: que acordos poderíamos fazer para que a realização de nossas fantasias não atrapalhassem nosso futuro e o nosso casamento? Ela ficou toda feliz, sorriu parecendo uma criança que ganhou um pirulito para chupar e disse que faria qualquer coisa ou acordo comigo. Então eu disse: então, que nunca, jamais, em situação nenhuma mesmo longe um do outro em viagens, treinamentos, etc..., mesmo depois de alguma briguinha nossa, mesmo que aparecessem chances de fazer sexo com pessoas que até depois de outras novas experiências com casais, homens ou mulheres, tivessem nosso carinho e liberação, mesmo assim nunca faríamos sexo sem os dois estarem juntos e de pleno acordo, que só faríamos sexo seguro, com quem fossem totalmente garantidos, discretos, realmente saudáveis como nós e sempre juntos. Ela me disse: amor que bom, eu tinha os mesmos pensamentos, as mesmas dúvidas, os mesmos medos e agora estou feliz, pois pensamos igual e ela então jurou que só faria sexo com pessoas diferentes comigo junto e que ela esperava o mesmo de mim. Beijei-a e disse: Então está acordado, porém eu iria querer que ela desse ou fizesse um show de sexo inesquecível para mim, que hoje a “santinha da minha mulher” seria só lá em nossa casa. Ela quase não sabia nem mais o que dizer de tão feliz. Ela silenciou um pouquinho, me olhou e disse que hoje eu seria tão corno que não iria nem conseguir caminhar por causa do peso do montão de chifres que eu iria ter que carregar. Eu disse: “Adooooro”. Eu pedi para ela, se ela queria que eu ficasse escondido vendo ela fodendo com o rapaz e depois eu aparecesse para participar, que ela teria que segurar, beijar e acalmar o rapaz para ele não se assustar quando eu aparecesse. Ou se ela já queria ir lá na piscina falar com o rapaz e explicar a situação, nossas fantasias e ver se ele toparia fazer sexo a três. Ela disse toda apressada: deixa comigo que eu vou lá e vou sentir devagarinho como vamos ter que fazer para que tudo seja e aconteça da forma mais legal, glamorosa e prazerosa possível. Esperei, esperei, esperei, parecia uma eternidade, que momentos de espera deliciosamente angustiantes. De repente vi os dois vindo até mim e eu vi então o tal rapaz, vi seu corpo bonito, trabalhado e olhei para o seu “volume” para ver o que havia encantado minha esposinha. Eu já vi vários paus no chuveiro masculino da piscina e no futebol, de vez em quando, você vê alguns paus que dão inveja na gente. O pau dele realmente também é de dar inveja, um pouquinho mais cumprido que o meu, mas a grossura, a dita grossura, essa sim, é bem mais grossa que o meu pau. Minha esposa vinha toda feliz na frente e ele chegando perto de mim, esticou a mão e me cumprimentou, eu tremia, minha mão estava gelada e eu cumprimentei-o também, mas ele não soltou minha mão e me segurando, chegou perto do meu ouvido e disse: Corninho, tua mulher quer que eu a coma na sua frente, ela quer ser tratada e gozar como uma cadelinha no meu pau, que eu mostre para você como se come uma mulher de verdade, ela quer fazer de você o maior corno do mundo. Vem corninho para o meu apartamento assistir eu foder está cachorra safada, e se você se comportar direito eu até deixo você comer esta putinha também depois que eu encher ela de porra em todos os buraquinhos. Nossa, “meu amigo”, eu já estava alucinando. Ele mandou e eu obedeci. Minha mulher sorria de felicidade, me deu um tapa na bunda me empurrando para frente e disse: vai logo meu corninho e putinho que hoje vou te encher de chifres como você nunca imaginou que eu faria ou eu fosse capaz de fazer. Rapidinho chegamos no quarto dele, ele foi ao chuveiro e disse que já vinha. Eu e minha mulher nos olhamos com aquele olhar de confidências, de segredos, de uma cumplicidade gostosa e ela disse: já que você deixou e chegamos até aqui, te prepara, pois vou querer tudo e de tudo, vou ser toda dele e quero gozar até não aguentar mais e você que aproveite bem o que sobrar. O rapaz voltou do banho com uma cuequinha branca, sensual, mostrando bem visivelmente por baixo do pano o que a minha esposa iria receber. Eu vi que ele iria devorar, alargar e “detonar” no bom sentido a minha esposinha, que estava hipnotizada com os olhos brilhando em direção aquele pau. Eu levantei e disse para ele que eu iria dar um banho na minha mulher e preparar ela para ele e fomos ao chuveiro. Ao voltarmos ele já estava deitado acariciando aquela “coisa” enorme e já duro como uma “pedra”. Minha esposinha disse: OBA! Saiu correndo e se jogou no braços dele me esquecendo totalmente. Ela começou a beijar o rapaz loucamente e foi beijando todo o seu corpo de uma forma tão gulosa que parecia que ela queria engolir ele. Nunca havia visto ela tão atrevida, tão safada, tão vagabunda, cachorra e fogosa como neste momento. Eu continuava a sentir um calorão e um tesão bem diferentes ao costumeiro, sentia uma tremedeira gostosa e estranha pelo corpo, um calor, uma sensação muito louca vendo minha mulher totalmente entregue nos braços e no corpo de outro homem. Ela estava muito diferente e muito ousada. Pegou o pau dele com as mãos e começou a mordiscar bem em baixo do saco dele perto do ânus, que delirava e me dizia, que putinha esperta, inteligente e boa você tem seu corninho, corninho não, cornão e putinho gritou ele, pois se ela gostar de ver e ela quiser, eu vou te obrigar a me chupar e vou te comer sem dó também. Caramba, eu já não sabia mais o que fazer, pensar e no que isso tudo iria terminar. Eu ainda não estava pronto para tanta coisa junta ao mesmo tempo. Minha esposinha com o pau dele na mão abriu bem a boca e engoliu o pau dele, dizia que era a coisa mais gostosa do mundo, beijava, lambia, chupava de uma maneira que o meu pau nunca viu e acho que nunca verá. Ela parou de chupar o pau e voltou a beijá-lo e disse em voz alta, que queria ser toda dele e que queria que ele a comesse muitas e muitas vezes no futuro, junto com o corninho dela e que ela, sim, queria e deixava ele comer seu maridinho, usar ele como bem quisesse, que era para ele transformar o corninho dela num escravo, viadinho e putinho deles dois. Eu nunca havia ouvido tantas coisas tão ousadas, obscenas e promiscuas da boca da minha esposinha que me deixava cada vez mais pirado. Ela estava realmente “endiabradinha” e pronta para tudo. Vem aqui perto meu corninho, ver como vou saborear este macho de verdade, vem sentir o cheiro delicioso que ele tem. Ela começou a beijar e dar mordidinhas no pescoço e nas orelhas dele, beijou o peito dele, chupou forte e mordiscou os mamilos dele, no que ele disse: sacanagem, que mulher maluca e gostosa, você vai ser minha também para sempre e o seu corno vai ser o nosso amante e escravinho submisso. Minha esposinha disse para ele virar de costas para cima e ela subiu em cima dele e começou a mordiscar e beijar seu pescoço. Beijava alucinada seus ombros e suas costas até chegar na bunda dele. Ela disse para mim: veja seu corno que bundinha linda, é o paraíso. A tua bunda só servirá para levar pica e dar prazer para o meu novo homem, para o meu macho de verdade. Ela começou a lamber e morder a bunda dele, abriu afastando as pernas dele e começou por trás a chupar e engolir o saco e as bolas dele. Ele olhou para mim e disse: O que é isso? Olha só a tua putinha do caralho, que delicia, que vagabundinha safada e gostosa, ela realmente sabe o que quer e o que fazer e será muito bem recompensada por ser tão carinhosa comigo. Ela parou, veio até mim e me beijou toda lambuzada do saco dele e disse que agora iria dar uma boa chupada no pau dele e viria me beijar de novo para eu sentir o gosto bom dele. E foi o que aconteceu. Ela pediu para ele virar de barriga para cima e se jogou no pau dele, chupando, sugando e vindo lambuzada me beijar. Isso é uma loucura, é estranho, diferente e deixa a gente maluco por dentro. Meu corninho disse ela, vem colocar seus dedos na minha bucetinha para ver como ela está molhada e louca para levar aquele pau todo dentro. Ela realmente estava “encharcada” de tanto tesão. Ela subiu em cima dele e disse que queria aquele pau maravilhoso todo dentro dela, só que era para ele ficar quietinho no início, que ela iria sentar devagarinho no pau dele para se acostumar. Ela me chamou, me deu uma ordem e me xingando disse: seu brocha cornudo segura firme o pau dele que eu vou sentar nele, fica pertinho, embaixo olhando o pau dele entrar e sair e rasgar a bucetinha da tua esposinha.
Ela realmente delirava, respirava rápido, tinha se tornado em uma outra mulher toda ousada, atrevida, obscena, sacana e sem limites. Ela sabia, depois de tantas e tantas fantasias que fizemos juntos o que eu gostava, o que eu queria sentir, ver e ouvir e como deveria me tratar num momento como este. Ela sabia como eu queria que ela “fosse”, o que ela fizesse e que ela aproveitasse sem tabus, preconceitos ou medos a oportunidade de poder foder com outro cara como uma vagabunda, pois se um dia eu a liberasse, era para ela aproveitar bem pois poderia não ter uma segunda chance. E ela estava realmente aproveitando, e eu me tornando no corninho mais manso, submisso e feliz do mundo. Ela se abaixou um pouquinho e eu vi a cabeçona do pau dele encostar na bucetinha da minha mulher, nesta hora chegou a me dar até um pouquinho de arrependimento, mas era tarde demais. Pedir para parar agora? Eu só iria levar chineladas. É lindo ver este momento de perto. A cabeça do pau dele foi abrindo a bucetinha dela e entrou um pouquinho e ela parou e levantou. Nisso o rapaz disse: não me judia assim minha princesa, atola logo o meu pau aí dentro que eu quero encher tua buceta de porra. Ela fez isso só para judiar nós dois na verdade. Eu já estava fora da “casinha” com o que eu estava vendo. Que visão boa, que sensação boa, que cheiro bom, é tudo de bom. Então ela foi descendo mais um pouquinho, entrava um pouquinho e ela subia, descia mais um pouquinho e subia, descia novamente mais um pouquinho até que vi aquela coisa grande todo atolado dentro dela. Comigo ela gozava somente depois de eu chupá-la e já enquanto estava gozando eu metia meu pau e ela gozava mais ainda. Com ele, conforme o pau foi atolando, ela foi gritando, me xingando e gozando como uma cadela no cio. Dizia: seu corno brocha, seu putinho, viadinho, agora sim estou gozando de verdade com um macho de verdade, você vai se arrepender de ter me liberado para ele. Eu vou ser a maior cadela e a maior trepadeira do mundo e sempre vou dar para dele e você vai fazer tudo o que ele quiser, sempre que ele quiser, vai ser o putinho, o viadinho e o escravinho dele só para me dar mais prazer ainda e só vai me comer quando sobrar alguma coisa para você. Ele começou a urrar, parecia um touro estuprador, metia na minha mulher como um louco e gozou enchendo ela de porra que até escorria para fora entre o pau dele e a buceta da minha esposinha. Os sons do sexo e os gemidos deles dois eram coisas do outro mundo para mim naquele momento. Eu me levantei, me punhetando sozinho e disse para minha mulher que iria gozar, então ela que nunca havia deixado eu gozar na boca dela, disse: vem que hoje vou deixar você feliz, goza dentro da minha boca. QUE MARAVILHA. Eu gozando e ela chupando e sugando com força tudo dentro dela. Nunca na vida gozei tão bem assim, é maravilhoso ser sugado na hora do gozo. Não precisa nem dizer que ficamos os três deitados juntos abraçados descansando com ela no meio de nós dois. Levantamos, tomamos uma ducha e depois sentamos no sofá da sala para conversamos um pouco. Ela sentou no colo dele e disse que estava muito feliz, que tinha o melhor marido do mundo e o melhor amante do mundo, que estava completa. Olhou para mim e disse: benzinho, eu quero muito mais. Isso foi só o aperitivo né?, reforçou que ela já estava pronta novamente para meter muito mais com o verdadeiro macho dela, se virou e deu um beijo nele. Sugeri voltarmos para a piscina, ficarmos por lá flertando, namorando, fazendo sacanagens discretas, nos conhecendo melhor para depois a noite retornarmos e passarmos a noite toda juntos fodendo. Eu na verdade também queria dar uma saidinha e ir numa farmácia comprar um “remedinho” para me dar um pouco mais de “vigor” e um lubrificante. (risadas). Fomos para a piscina termal, dei uma escapadinha na farmácia, voltei e sentei com os dois e ficamos de papo naquele ambiente de sacanagem e de segredos promíscuos dos três. Enquanto conversávamos, eu dava umas olhadas para minha esposa e via que diante de mim eu tinha uma nova mulher, uma outra mulher, uma mulher ousada, inteligente, criativa, atrevida, sacana, obscena, safada, vagabunda, puta, cachorra, fogosa, deliciosa, tarada, uma mulher maravilhosa, tudo de bom e o que me esperava daqui para frente seria inimaginável pois ela não teria mais limites, nem pudores e eu iria ter que satisfazer todas as loucuras e fantasias que sua cabeça conseguisse criar. E ela é muito boa nisso também, pois as melhores fantasias que fazíamos eram as que ela criava com muito homens, mulheres safadas, trocas de casais, garotos de programa, orgias, surubas onde ninguém era de ninguém e todos topavam tudo e de tudo. Imaginem só o que acontecia comigo nas fantasias dela? A noite foi muito esperada e desejada por nós, principalmente para minha esposinha que cada pouco perguntava: que horas meu corninho chifrudo e meu macho vão me comer? E a noite chegou, a hora tão desejada novamente chegou e fomos para o quarto dele. Ela foi ao banheiro e disse que já voltava, que iria se lavar todinha de maneira bem especial. Eu e ele ficamos de papo esperando e então a minha taradinha chegou e já foi tirando a roupa dele e começou chupar ele de pé mesmo, parou, olhou para mim e disse para eu ir tirando o restinho da roupa dela para ela ficar toda peladinha para o macho dela. Enquanto ela o chupava, o rapaz me mandou chupar a buceta dela, porque ele queria ela todo molhadinha bem rápido. Coloquei minha boca e a língua na buceta e no clitóris dela, que já estava pra lá de molhadinha. Ele pediu: ela já está pronta? Eu disse: sim senhor. Então ele levantou ela, mandou ela se encavalar com as pernas na cintura dele e enfiou se dó de uma vez só aquela tora enorme na bucetinha dela que deu um grito e disse: seu puto gostoso me fode até eu desmaiar. Eu fiquei vendo ele meter nela sem dó e ela gemendo e gritando como uma louca com as unhas encravadas nas costas dele. Eu estava atrás dela e vi que um buraquinho dela estava livre. Eu disse: amor posso meter em você também no buraquinho que esta livre, e ela nem bola me deu, estava hipnotizada no pau e nos braços dele. Voltei a pedir e então ela me olhou e disse que ela já havia se lavado bem especial pensando nisso, mas que eu só a comeria se o macho dela autorizasse. Eu olhei para ele com uma carinha de cachorrinho pidão, que ele ficou com dó e disse: pode meter nesta safada, que dois homens para esta vadia é pouco. Todo feliz, pequei o gel lubrificante e quando dava, pois se mexiam como loucos, fui lubrificando o rabinho dela. Há muito tempo eu queria comer o cuzinho dela e ela nunca me dava, mas agora eu iria ter a oportunidade tão esperada e ainda mais, metendo nela em dois ao mesmo tempo. Juntei-me aos dois e fui metendo devagarinho meu pau no seu cuzinho, que quando entrou ela deu um gemido, me olhou amorosamente e me disse a coisa mais gostosa que já havia ouvido dela. Ela me disse: agora sim, está tudo bem certinho e você agora também está sendo meu macho. Acabem comigo meus machos safados. Não precisou nem falar duas vezes. O cheiro de sexo, o suor e a adrenalina dos corpos, o som da respiração e dos paus entrando e saindo, o gemidos enlouquecidos dos três pareciam algo transcendental. Para mim esse momento de sexo total com quem a gente ama e com quem a gente confia é único e totalmente diferente de qualquer outra experiência na vida. Parece que o corpo todo fica em um orgasmo continuo até o momento final que a gente goza de verdade. O nosso amante sugeriu pararmos e irmos para a cama para ficarmos mais a vontade. Ele colocou dois travesseiros na cama e disse para eu deitar minha cabeça neles, disse para minha mulher sentar com o rabinho no meu pau que ele a iria comer por cima. Minha esposinha me beijou e disse: muito obrigado amor. Sentou no meu pau e se deitou de costas em cima de mim. O “macho” dela foi em cima dela, chegou perto do ouvido dela, que estava colado ao meu rosto, e ele olhando fixo para mim, disse a ela, que adorou ela, que ela era uma cadela safada, vadia, putinha e gostosa, que queria comer ela ainda muitas vezes, que tinha uns amigos bem legais, saudáveis e garantidos, que iriam adorar saborear e devorar ela também e ainda me olhando nos olhos, com a boca encostada no ouvido dela, disse que gostou do seu maridinho e que iria comer ele, que iria transformar ele além de escravo sexual dos dois, além de corno, em um viadinho chupador de muitos paus e iria gozar muito nele e na boca dele só para deixar ela feliz e com mais tesão ainda. Nisso ele beijando-a, começou a meter o cacetão nela e fomos nos mexendo os três num vai e vem louco, com gemidos loucos, mordidas, beijos, apertos, aranhões, palavrões para todos os lados, eu como conheço minha mulher vi que ela não parava de gozar e eu gozei em seguida dentro do rabinho dela e o “macho dela” foi o que gozou por último dentro dela. Lambuzados de porra, de suor, de salivas, de sexo, relaxamos na cama sem se preocupar com nada, só com nós mesmos, com o nosso prazer. Depois de nos recompormos, o nosso amante olhou para mim e disse: agora só falta eu meter no seu rabo, ao eu disse de prontidão: “nem a pau Juvenal”. Este teu negócio é muito grande. Eu faço tudo o que vocês quiserem mas este pauzão “é a treva”. Todos rimos sem parar da frase que acabou me saindo. Minha mulher me disse: Meu corninho, vamos fazer assim: na próxima vez eu vou tentar sentar no pau dele e dependendo do que eu sentir e se eu conseguir você terá que tentar também. Me dá esse presente de eu ver um homem te comendo, gozando na tua boca e no teu cuzinho que eu te dou outro presente de eu sendo comida e comendo uma mulher bem gostosa, depois nós duas vamos te “devorar” e eu deixo você comer ela também. Feito? Você consegue imaginar a minha resposta? Você consegue imaginar o que está acontecendo conosco agora depois desta experiência? Estamos super felizes, saudáveis, confidentes e cumplices um do outro. Nosso macho continua “brincando” conosco e nos gostamos tanto que fizemos um acordo que só entre nós três não usaríamos camisinha, mas que mesmo assim sempre teríamos que comprovar que estamos com a saúde perfeita. O nosso amante trouxe seus maravilhosos amigos, consegui depois de muita “luta” ganhar o meu presente tão esperado e tivemos muitas outras experiências que ainda vou detalhar tudinho quando me sobrar um tempinho, pois me dá muito tesão poder compartilhar isso.
Beijos quentes.   





Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

Assuntos de família