minha esposa dando pro meu colega de trabalho


BY: contosclassicos
Somos casados a tres anos e sempre incentivei minha putinha transar com outros machos.
Certo dia estavamos no trabalho quando chegou um colega de profissao e começou a conversar com ela sem perceber q eu estava por perto,conversavam e trocavam risinhos e ele cheio de amor pra dar pra cima dela elogiando e coisa e tal.Fiqei nervoso no primeiro momento com os gracejos me aproximei e acabei com a festinha.
A noite quando fomos transar veio aqela cena na minha mente e comecei a imaginar ela transando com aqele cara.Pedi q quando fosse gozar ela me chamasse de alexandre e ela meio sem entender topou.Gozei feito um cavalo.
Apos recuperarmos o folego ela perguntou qem era alexandre e refresqei sua memoria e ela disse q percebeu os galanteios dele mas nao cortou por educaçao,perguntei a ela se rolaria alguma qimica entre os dois na cama,ela responder q so experimentando pra saber, foi a deixa pra esqematizarmos algo.
A partir dai sempre q ele chegava procurava deixar os dois a sos indo pra outro lugar, fiz amizade com ele e combinamos de jogar bola fim de semana, ele era casado tinha filhos , sempre pronunciava o nome de minha mulher pra ele e seus olhos brilhavam como tipico garanhao.
Nao demorou muito pra ele cantar minha esposa convidando ela pra tomar um sorvete e ela topou como se eu nada pudesse ficar sabendo.
No domingo conbinado ela se aprontou bem gostosa bem perfumada com uma calcinha bem puta e enfiada,eu a deixei proximo a praça q combinaram ja sabendo q o sorvete na verdade seria uma trepada em algum motelzinho da cidade, dei um beijo demorado e pedi q ele fudesse como uma cadela e desse um chá de buceta naqele macho.
Fui pra casa morrendo de ansiedade pela sua volta pra saber o qe tinha rolado
Ela so chegou em casa oito da noite, deixei ela na praça tres da tarde.
Estava com a maqiagem apagada,cabelo molhado,aparencia de cansada mas com a cara muito safada, dei um beijo gostoso com um trofeu por qem fizera uma façanha.ela caiu no sofa pus a mao na sua xoxota e notei q estava inchada e qente ainda,ela com aqela voz mole contou me com detalhes.
Ele chegou alguns minutos depois de carro, quase teve um troço ao vela vestida insunuante daqela forma o que adiantou os trabalhos,ela perguntou onde seria o sorvete e ele disse pra q entrasse no carro q a sorveteria do amor a esperava,foram pra um motel de nivel medio da cidade e ao entrarem no quarto o homem se mostrou um verdadeiro garanhao,beijando sua boca suas costas seu pescoço.ela ja correu a mao e pode sentir o tamanho do ferro qe teria q engolir.Abriu o ziper pois pra fora a ferramenta e ficou punhetando por instantes admirando e eleogiando o tamanho a grossura a cabeça e perguntando se consegiria aguentar aquilo tudo dentro dela, ele apertou sua bunda e disse q com carinho cabia tudinho e muito mais, ela se ajoelhou e começou a mamar a cabeça daqela tora q era segundo ela o dobro da minha em se tratando de um macho moreno, ela lubrificou com sua saliva bem aqela tora, ele a puchou pelos cabelos arrancou sua roupa passou a lingua na sua bucetinha colocou-a de quatro cuspiu na mao passou na cabeçona do pau abriu sua bunda e encostou a cabeçao na portinha da gruta da minha putinha,começou a pincelar e socou de uma vez arrancando um berro de minha esposinha q no inicio relutou berrou mas ele a segurou pela cintura e disse pra ela acalmar qe havia sido so um susto, ela começou a se acostumar com o descomunal caralho dentro dela ate q iniciaram o movimento devai e vem ate ficar frenetico e ela toda ensopada pedia " vai meu negao me fode, me rasga toda, mete esse cacete enorme na minha buceta,Ai quanto tempo nao dava pra uma vara de verdade assim " "me possui, sou toda sua todinha ,me fode toda" e ele com aqela maqina na sua frente fez dela uma puta de luxo, meteu nela de ladinho,fez ela cavalgar comeu ela em pe no carpete no banheiro, o homem nao gozava parece q tinha tomado algo para impressiona-la.Depois de muito tempo avizou q iria gozar tirou aqela pirocona pra fora e colocou na cara da minha esposa q abriu a boca e recebeu aqela inchente de porra, nunca havia visto um cara com tanta porra, chegou a escorre pelo canto da boca, ela nao gosta de engolir entao deixou derramar pela boca escorrendo pelo pescoço peitos barriga e pernas afora, tomaram um banho e começaram novamente,ele pediu pra fude seu cuzinho mas ela disse q ainda nao, qem sabe da proxima, ele abriu um sorriso debochado sabendo q tinha agradado a femea que entregava q qeria outras fodas,
Se vestiram se beijaram. ele perguntou onde poderia deixa-la ela disse qe na porta de nossa casa, ele se assustou disse q eu poderia velos , ela o tranquilizou dizendo q eu era um cara bobinho q nao via maldade em nada e q ela diria q pegou uma carona com ele ao sair da igreja q era pra onde ela havia dito q iria ele mais uma vez deu aquele sorrizinho cinico me chamando de corno bonzinho.
Ao terminar de me contar meu gozo foi inevitavel lambuzando a mao de minha mulher qe batia uma punheta pra mim enquanto me contava a aventura vivida naqela tarde, ja planejamos a proxima e por enquanto Alexandre ficara sendo nosso macho oficial ate que pinte outro tambem interessante.
Aqueles q gostaram ou compartilhem da felicidade de serem corno como eu escrevam.


Foto 1 do conto: minha esposa dando pro meu colega de trabalho



Comentarios
Muito bom seu conto, eu também imagino minha esposa com a bucetona largada ´pela pica de outros machos e o cu também. queria muito meter na xana dela fudida de outros pauzão grande e grosso. Sou bissexual e sempre fui tarado pelo meu pai, o homem que mais desejei para fuder sua nora ate ficar prenha e eu criar o filho dele e meu irão feito na buça da nora dele. Comentado por:dicod05 em 26/03/2016 08:37
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
13192 - A carona
6809 - Ele desejou
 


Próximo Conto

eu, meu namorado e um casal de amigos