NOSSA PRIMEIRA VEZ


BY: contosclassicos
Meu nome é Silvio e da minha esposa é Sandra, somos casados a dezesseis anos, temos dois filhos, ela é muito bonita e ainda mantém o corpinho de solteira.
Depois de alguns anos de casados, durante as nossas transas pedia para ela imaginar que era outro que estava fudendo com ela e sempre gozávamos gostoso. Certa vez perguntei se ela teria coragem de transar de verdade com outro, ela respondeu que apesar do tesão e da vontade que sentia de conhecer outros paus ela não tinha coragem de me trair.
Conversamos e falei do meu desejo de saber que ela tinha transado de verdade com outro, que não seria traição, que ela estava liberada caso aparecesse alguém interessante.
Ela falou que tudo bem, se um dia aparecesse alguém ela daria para ele, mas desde que eu prometesse que não haveria nenhuma cobrança da minha parte, nem antes e nem depois de transar com o outro, concordei e disse que para eu não interferir, gostaria de saber só depois do fato consumado.
Depois disso sempre conversamos e ela dizia que ainda não tinha achado ninguém, mas que estava cada vez com mais tesão de foder com outro. Passado quase um ano, cheguo em casa e encontro um bilhete dela pregado na geladeira, dizendo que ela tinha saído e que era para não me preocupar pois voltaria tarde e que era para esquentar a minha janta e dos meninos.
Estranhei, pois ela nunca chegava tarde em casa, mas fiz o que me pediu, jantei e fui para o quarto tomei um banho e fiquei assistindo televisão, sem desconfiar de nada.
Lá pelas dez horas ouço o barulho do portão, sai do quarto quando ela trancava a porta, beijou os meninos e mandou eles para a cama, notei que ela estava mais alegre que o normal, tinha um sorriso diferente nos lábios. Veio para o meu lado e antes que eu falasse alguma coisa me deu um beijão na boca dizendo que estava muito feliz e que me amava muito e me empurrou para dentro do quarto, trancando a porta.
Perguntei porque da demora, ela mandou eu sentar na cama, parou em pé bem na minha frente e disse que tinha acabado de sair do motel aonde tinha ido trepar com outro, que tinha adorado e que estava muito feliz por eu ter proporcionado isso a ela.
Levei um susto com a noticia e perguntei se era verdade mesmo.
Ela confirmou e levantando a saia e baixou a calcinha para eu examinar a buceta e ver como estava inchada e com a boquinha arreganhada de tanto trepar.
Realmente estava vermelha, inchada e arreganhada, o meu pau ficou duro na hora com a visão e saber que a poucos instantes outro homem estava comendo ela.
Transamos duas vezes e cansados dormimos abraçadinhos, no dia seguinte ela acordou e ainda estava muito feliz, aí ela me falou quem era o homem que tinha comido sua buceta, era o professor particular da minha sobrinha que ela conheceu no aniversário de minha irmã, já fazia uns dois meses que conversavam por telefone até criar coragem para sair e transar, que tinha sido muito gostoso e que foi indescritível a sensação de ter outro homem enterrado e gozando dentro dela.
Que gozou com fortes contrações da buceta e que pensou que ia desmaiar de tanto prazer.
Se eu deixasse, ela gostaria de foder outras vezes com ele, falei que tudo bem que tinha sido muito bom para mim, só tínhamos que dar um tempo.
Mas que agora não era mais preciso fazer escondido e que seria muito bom curtir todo o preparo e ficar em casa esperando ela voltar e imaginando o pau enfiado e ela gozando gostoso no pau do outro.
Depois disto o nosso relaciomento melhorou ainda mais e o humor dela é outro, não vive mais estressada como antes.

                                





Comentarios
Quero comer a sua esposa! komoksada Milton Comentado por:mmori em 14/05/2016 10:28
Morro de tesão e inveja quando leio um conto desse. Parabéns pela simplicidade e objetividade. Entendimento feitos, ela escolheu a pessoa de seu agrado, gozou, realizou-se e o casal ficou feliz. Imagino o tezão do marido ao receber a noticia e ver a bucetinha inchada e gozada. Parabéns dobrado. Comentado por:suvela em 21/11/2016 09:51
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
13192 - A carona
6809 - Ele desejou
 


Próximo Conto

Orgia Extrema