Sabado quente


BY: meinhasoquete
         Como é bom poder escrever e enviar pela internet meus relatos. Para vocês que não me conhecem, sou de São Paulo,capital, sou cabeleireira durante o dia e uma vadia nas noites livres .Sou Travesti,branquinha,37 anos, seios pequenos,bumbum 100cm bem carnudo ,coxas grossas,1.69 de altura e bem vagabundinha e vadia.Minha marca registrada são minhas meias soquetes(mais de 30 pares).As uso com sandalinha,tamanquinhos ,tênis,etc; sempre com roupinhas bem sexy.        Bem vamos ao que aconteceu sábado comigo.Tivemos um dia de muito calor(mais de 30O C), o salão é quente e meu cuzinho senti escorrer suor deixando ainda mais excitada.        Sai do salão eram 20hs45;fui para casa pensando em sexo e quase bati o carro tamanha excitação.        Cheguei em casa,tomei um gostoso banhinho,fiz enema para deixar meu cuzinho limpinho,tomei um lanche e me arrumei assim: Sandalinha de salto tipo cristal,transparente, meinha soquete branquinha, calcinha fio dental branca,micro-saia de couro e camiseta branca.        Sai de casa eram mais de 22hs.Tinha marcado ir numa festa no litoral. Entrei na Anchieta eram 22hs 30 mais ou menos,após o posto rodoviário vi um cara,negro aparentando mais de 30 anos,alto parado ao lado de um caminhãozinho urinando, seu cacete mesmo no escuro era uma sombra “volumosa e apetitosa”,reduzi a velocidade, pouco depois ele estava do meu lado. Acendi a luz de dentro do carro, e passava a mão nas minhas coxas,buzinei ele viu e acenou para eu parar.        Mais a frente parei,gente o cara era um negão,mais ou menos 1:95 de altura, mais de 100kg. Brinquei com ele que babei só de ver o membro dele.Ele riu e disse: “se você agüentar,tudo bem”.          Pediu para segui-lo, antes do pedágio contornamos e pegamos uma estrada que passou por baixo da que vínhamos,uns 3Km para frente ele entrou numa estradinha, juro que o medo e o tesão se misturaram nessa hora. Vi uma luz,era uma casinha. Ele desceu e falou: “minha casa,pode vir”. Sai do carro e ele emendou: “ Hum, bela bunda” e me deu um tapa.          Entramos na casa ele foi tomar um banho,casa simples,sala,quarto,cozinha mas na sala um monte,serio um monte de revistas pornô”.          Ele voltou so de toalha e disse “Tô a quase um mês sem mete”., ai deixou cair a toalha.Fiquei assustada com o que vi: seu pênis mole devia ter uns 20cm,brilhante,com veias enormes e bem cabeçudo. Falei pra ele: “Com jeitinho eu agüento” ele respondeu “sem pressa,sem pressa”.Fiquei so de sandalinha,meinha e calcinha. Comecei a chupa-lo,ele gemia como um animal,o volume não parava de crescer.ai ele com suas enormes mãos abriu meu anus e me deixou doida com sua língua no meu cuzinho.        Ai ele me virou,falou: “empina bem,eu vou devagar”.Pus o camisinha nele e como ordenado fiquei de 4 bem empinada e aberta,ele foi vagarosamente introduzindo em mim,ardia,ardia muito,comecei a relaxar e com minha mão fui encontro de seu membro,só havia entrado um pouco mais da metade,foi indo indo e estava tudo dentro,lacrimejei nesta hora mas o tesão era maior,num movimento de vai e vem ele gozou abundantemente.        Me comeu mais uma vez e após isso veio pedido: queria que eu batesse uma punheta pra ele na estrada.Topei fomos para beira da estrada,chovendo e ele gozou na minha cara mas só um cara mexeu com a gente.        Gente valeu a madrugada,foi o maior desafio que tive e agora sei aonde tem uma pica me esperando


Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
4307 - Na garagem
5990 - A surpresa
8281 - Na guarita
 


Próximo Conto

o acordo