minha cunhada Nilde


BY: hiper-tora
Minha cunhada Nilde me pediu para come-la

O que vou contar agora aconteceu no inicio deste mês no aniversário da minha linda cunhadinha. Meu nome é Evandro tenho 29 anos, namoro, já alguns anos, a fabiola uma moreninha linda linda, corpinho perfeito e tudo durinho, ela é maravilhosa. Sua irmã nilde é mais "cheinha", peitos médios , coxas grossas e uma bundinha de dar água na boca. Conheci-a quando ainda tinha seus 13 anos, mas nunca olhei-a com segundas intenções até porque era irmã da minha namorada. Hoje ela tem 20 anos e, de uns tempos para cá, depois de umas atiradas dela, como: "Ah, cunhado, como vc está bonito e gostoso hoje..." "... cunhadinho! Já estava com saudade de vc..", sem contar com as mini-saias e vestidinhos curtíssimos que usava de vez em quando mostrando suas coxas e por vezes a calcinha que mal cobria sua buceta. Aquilo começou a mexer comigo e então passei a prestar mais atenção nela, já desejando-a loucamente. Sempre que dava eu passava no seu colégio com o pretexto de dar-lhe carona mas, por azar, sempre vinha uma colega junto, não nos deixava sozinhos. Por um lado até achava bom, assim não corria o risco de fazer uma loucura. Um dia Nilde pediu que fizesse um trabalho no computador, o que fiz com maior prazer, alias faço tudo o que ela me pede. Ao devolver o trabalho, no meio de tanto papel, acabou indo junto um conto que tirei desta sessão de contos com o título "Comi Minha Cunhadinha", confesso que só fiquei sabendo depois que ela me contou. Isso foi a dois dias do seu aniversário. No dia do aniversário, ela chamou várias amiguinhas para comemorar em sua casa, a festa rolou até quase meia-noite quando todos começaram a ir embora inclusive o namorado dela, naquela noite eu ia dormir em sua casa. Como minha namorada estava muito cansada disse que ia dormir e eu fiquei na sala olhando televisão e conversando com Nilde que naquele dia estava mais linda do que nunca. Sentada no sofá, na minha frente, ela colocou o dedo da boca, como era de costume, só que naquela noite de um jeito todo especial, abriu um pouquinho mais as pernas e ficou daquele jeito a me olhar. Brinquei com ela, se não estava cansada de chupar o dedo e que prontamente me respondeu: Estou! Eu gostaria tanto de chupar uma outra coisa., dizendo isso olhou maliciosa para o volume que o meu pau já fazia dentro da calça. Quase cozei quando escutei isso. Se quiser eu deixo você chupar o quanto quiser. Ela então, ajoelhou-se no chão e veio de quatro até onde eu estava e colocou a mão sobre meu pau, apertou com força: -É, acho que é bem melhor e maior que meu dedo. Pedi para ela esperar um pouco pois queria certificar-me que minha namorada estava dormindo. Ela já dormia profundamente e tive uma visão maravilhosa pois estava só de calcinha com aquela bundinha empinada o que me deixou ainda com mais tesão. Voltei para sala onde minha cunhada me esperava na mesma posição. Ela não deixou eu sentar-me e ajoelhada como estava abriu minha calça e tirou meu pau para fora e ficou admirando-o por alguns instante ( minha hiper-tora) depois sua boquinha foi abrindo, abrindo e logo ela estava chupando meu cacete como uma criança chupa o dedo. Como eu estava muito exitado em dez minutos estava gozando em sua boca o que a danadinha engoliu tudo, foi maravilhoso pois minha namorado nunca deixou eu gozar em sua boca. Nilde continuou chupando não deixando meu pau amolecer. Então levantei-a, nos beijamos loucamente com ela me pedindo: - Cunhado quero que me coma gostoso, como no conto que você me trouxe. Fiquei louco com o pedido dela e com sofreguidão terminei de tirar sua roupa chupando seu seios maravilhosos, descendo pela barriguinha fazendo-a gemer baixinho. Levei-a para o quarto de hospede deitei-a na cama pedi que abrisse as penas pois queria retribuir a chupada que ela me deu. Prontamente ela me atendeu, então pela primeira vez pude ver aquela bucetinha linda, era pequeninha, de lábios pequenos e com os pelinhos bem aparados. Separei os lábios e passei a língua bem devagar o que tirou gritinhos de sua boca: - chupa gostoso cunhado, chupa a bucetinha da tua cunhadinha, chupaaaaaa .... Continuei chupando com mais força como se fosse uma laranja madura, não só pela cor mas pela quantidade de suco que saia, estava completamente molhadinha, em pouco tempo ela estava gozando na minha boca. Depois de um breve descanso ela repetiu o pedido: _ Agora eu quero que você coma minha bucetinha e meu cuzinho, quero gozar muito nesse cacete gostoso. Coloquei-a de quatro e direcionei meu pau para aquela xoxota gostosa e fui empurrando, fiquei surpreso, como era apertadinha, tão grande por fora, mas por dentro... era uma loucura. Depois que entrou a cabeça ela forçou a bunda para trás e o cacete entrou todo de uma só vez, o que a fez gemer alto, começamos um vai e vem maravilhoso, que bucetinha gostosa. - Vai cunhado me come gosto, enterra esse pauzão gostoso na minha bucetinha, vai come sua cunhadinha, come, maaaaais ... Nilde rebolava como um cadelinha no cio, e como rebolava gostoso. Em pouco tempo ela gozou novamente. Tirei meu cacete da sua buceta e continue comendo-a em outras posições, e quando estava quase gozando ela pediu para gozar novamente em sua boca pois tinha adorado a minha porra. A danada engoliu boa parte e o resto deixou cair pelo seu corpo esfregava meu pau no rosto e nos peitos. Fomos para o banheiro tomamos um banho gosto. Minha cunhada molhadinha era ainda mais gostosa. Suas mãos novamente procuravam meu pau que novamente ficou duro, ela chupou um pouquinho e então pediu que queria senti-lo no cuzinho. Ela virou-se de costas apoiando-se na pia empinando seu bumbum, primeiro enterrei meu pau na bucetinha que ainda estava bem lubrificada, peguei um creme lambuzei bem o cuzinho e comecei a prepará-lo para me receber, enfiando um dedo depois outro, ela já estava quase gozando tamanha ela a exitação. Tirei meu pau da sua buceta e encostei na portinha do danado que piscava de ansiedade, forcei a entrada, estava difícil. Ele pediu: - Com cuidado querido, eu nunca dei o cuzinho. - Não se preocupe cunhadinha vou fazer bem gostoso. Forcei mais um pouco e começou a entrar, ela chorava e dizia que estava doendo. Perguntei se queria que tirasse e a resposta dela foi ainda mais gostosa, forço sua bundinha para trás e pediu: - Não! Por favor não pare! Coloque todo esse pau no meu cuzinho, tire o meu cabacinho, atola todo ele bem dentro, vai!!! Com o movimento dela para trás e eu forçando para frente o cacete entrou todo, esperei um pouco para ela se refazer da dor e comecei o vai e vem, e a dor foi se transformando em prazer e minha cunhadinha robolava varavilhosamente bem. Sentei-me no vaso e ela veio por cima enterrando novamente no seu cuzinho gostoso, em meio hora gozamos juntinhos. Tomamos mais um banhos, nos beijamos novamente e decidimos que não deveríamos abusar da sorte e fomos dormir, satisfeitos. Depois disso nos encontramos mais vezes o que vou relatar em outra oportunidade. Me escrevam dizendo o que acharam da minha experiência.


                                





Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

Ah! Se a Santa Falasse