Meu Primo Especial Segunda Parte


BY: betoleandro
Continuação; = Meu primo Especial

Oi pessoal estou aproveitando esta folga do feriado de & de Setembro para continuar minha historia, para os que ainda não me conhece, me chamo Magda, sou baixinha tenho 1.50cm peso 48 kg, para melhor entender minha narrativa, sugiro que leiam o conto anterir, pois bem, depois de me extasiar no cacetão do meu primo Robson, eu não poderia esta mais feliz, fui para a fazenda do meu avô na esperança de te-lo inteirinho dentro de mim, achei que o Robson ia me atrapalhar, mais aconteceu tudo ao contrario, , pois o garotão, tem um cacete que é maior do que o do vovô Rui, como se diz aqui na Paraiba, atirei em um passaro e acertei em dois.ao chegar em casa depois de fuder loucamente com meu primo na gruta da cachoeira, chegando em casa, vovô me questiomou porque demoramos, mais, depois com um sorriso meio safado, nos falou, aproveitem, voce são jovens. fui para meu quarto imaginando o porque do seu comentario, tomei meu banho, coloquei um shortinho de algodão, com blusinha do mesmo tecido, sem usar o sutien. isso marcava meus peitinhos durinhos,ao chegar na sala, encontrei vovô conversando com o Robson , fui me sentar no sofá entre eles. vovô comentou de que eu estava cheirosa, e me beijou a minha testa, me aconcheguei a ele, ficamos juntinho, percebi que o Robson mudou a fisionomia como se estivesse com ciúmes, so então vovô fala para ele, esta menina é a minha neta favorita, fico muito triste quando ela demora a me visitar, tambem gosto muito do Sr. vô, estava anseosa para vir aqui, a noite foi se aproximando e eu ja imaginava como ia fazer para ficar com Robson, não me esquecia, do tamanho do seu cacetão, queria senti-lo novamente dentro de mim,vovô nos convidou para jantar, pois costuma comer logo cedo na fazenda, o acompanhamos, fiquei sentada junto dele, o Robson ficou em nossa frente, mais tirava os olhos de mim, eu ja imaginava o que se passava em sua mente, terminamos o jantar, retornamos para a sala, não demorou muito e vovô anunciou que ia se deitar, levantou-se me beijando agora no rosto, , me abraçou com bastante força, colando nos corpos, saiu me deixando com o Robson, que comentou, vovô te abraçou forte, ate se esfregou em voce,, senti que suas palavras eram de ciumes, então lhe disse, para com isso o vovô me ama, não teve nada disso, teve sim eu vi. se levantou e saiu para o seu quarto, então pensei safado gamou em minha buceta, , acho que ele esta pensando que vou lhe deixar sossegado, para quem nunca tinha fudido de verdade, porque segundo ele as garotas, desistiam dele quando viam o tamanho do seu cacete, a baixinha aqui, deixou enfiar o que podia sem reclamar, segui tambem para meu quarto, ao passar pelo quarto do vovô entrei para lhe dar boa noite,, ele estava deitado, como de costume usando su8a cueca grande de lycra, olhei para o meu de sua pernas com vontade de apalpar seu cacetão, mais me contive, pois ele ainda estava se recuperando da cirurgia , não queria lhe excitar, conhecendo seu fogo, sabia que ele não ia me rejeitar, me curvei para lhe dar um beijo, , ele ergueu os braços, segurou em minha cabeça para me beijar na boca,, ao fazer isso desiquilibrei e caí sobre seu corpo, nos beijamos, como dois apaixonados que somos, ficamos um bom tempo sem nos soltar, ele foi me soltando, eu estava montada sobre ele, senti o volume do seu cacete ir aumentando, não resisti, em me esfregar em seu cacete, so então ele me fala,mandei o empregado ir chamar voces para o almoço, quando ele voltou sozinho me falou que não tinha encontrado voces, achava que voces tinham ido nadar pelo rio, ai imaginei de voe e o Robson, poderiam esta dentro da gruta acertei, fiquei sem palavras,meu avô conhece meus desejos mais, intimo realmente, pois é la dentro da gruta que costumamos trepar, falei vô voce não é facil heim, fui para a gruta sim com o Robson, ele me contou uma historia de que não tem sorte com as mulheres, me falou que é avantajado, então fui conferir, acredite seu neto tem um pau maior do que o seu, senti vovô quase se engasgar, isso não é posssivel, é sim vô, saiu direitinho ao senhor, por isso demoramos tanto, o garotão não perdeu tempo, me deixou deslumbrada, então ele me fala, e eu que estava pensando em reviver nossos momentos especiais hoje, vejo que o Robson, ja apagou parte do seu fogo, nada disso vô, estou querendo mais ainda, so me diga uma coisa, o sr. ja pode trazar, pois ainda esta se recupendo da cirurgia, minha linda eu quebrei o osso da coxa, não o meu pau, ai rimos, então lhe disse, deixa eu fechar a porta, não quero que o Robson ouça meus gritinhos de prazer, ele me fala, deixa a porta aberta, quam sabe ele não vem nos espiar, falei vô o sr. não tem vergonha dele nos espiar. ai ele respondeu, e voce teve vergonha quando trazamos na casa da Rita e ela veio nos olhar,falando isso foi suspendendo minha blusinham acariciou meus peitinhos , depois passou a beija-0los, dando mordidas de leve, ficamos nesta agarração por um bom tempo, minha coxa encostou em seu pau, que ja estava totalmente duro, então lhe disse, deixe eu liberar seu monstro, senti que ele esta querendo sair da prisão, puchei sua cueca, deixando aparacer meu esfolador de buceta , segurei com as duas mão para colocar na boca, vovô falou, que saudade desta sua boquinha minha pequena, estopu ha bastante tempo sem ninguem me dar prazer,, ate a Rita que adorava passar tardes inteiras na camo comigo, agora so fala que preciso me recuperar, mais eu estou muito, o que me faltava realmente, era voce aqui meu doçinho, , suas palavras me fizeram enterrar seu pau mais ainda na boca, fiz com tanta vontade de que topou a cabeçona em minha garganta quase me sufocando, tirei seu cacete da boca e falei, agora vou sentar neste cacetão fica paradinho deixa que eu cuido de voce, me levantei, tirei meu shortinho junto com a calçinha, os olhos de vovô brilharam, ao me ver peladinha, fui me abaixando segurei em seu cacetão, comessei a pincelar na entrada da bucetinha que de tão molhada molhava seu cacete, encaixei o cacetão na entrada da buceta e fui deixando o corpo ir arriando, seu cacete foi entrando sem dificuldade, o Robson tinha me enlarguecida com seu canhão, deixei entrar mais ou menos a metade, ai me debruçei sobre ele, que me abraçou forte, comessei a ir e vir, seu pau entrava e saia com facilidade, ele tremeu ao sentir seu cacetão sumindo dentro de mim, comessei a ter contrações na buceta, parecia que ela mordia seu cacetão, comessei a soltar pequenos gemidos, hannn, hannnn oi voinho que gostoso, que saldades eu estava deste seu cacetão, come sua netinha, aaiiiiiiiiiiii, aaiiiiiiiiiiiiiiii, vou enfiar todinho, quero seus culhoes topando em minha bucetinha, uuiiiiiiiiiiiiiiiiii, uui8iiiiiiiiiiiiiiii, empurrava o porpo para traz com bastante força, senti seu cacetão entrar todinho, ai não me segurei, comessei a gritar agora bem alto, aaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii vooiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinho como é bom, aaiiiiiiiiiiiiiii voce é o maximo, , vamos gpzar juntos, vem, vem, vem comigo, me enche com tua poooooooorra,eu agora parecia uma cobra me remechendo sobre, , de repente, vovô fala, olha quem esta parado ai de lado,, pensei que ele tava brincando ao abri os olhos vi o Robson segurando em seu cacete monstruoso, estava punhetando, o susto me fez cortar meu gozo, quis sair de cima de vovô mais ele me abraçou para eu não sair, então ele fala, vem Robson, vamos dar a ela o prazer que ela nunca teve, aquele safado não se fez de rogado, ate parecxia que tinha combinado com vovô, foi para os pés da cama, e subiu, vindo se juntar a nós, eu que estava com o cacetão de vovô todo enterrado na buceta, com ele me abraçando, aprecia que me segurava, para eu não sair, disse, agora queria, voce ter dois cacetes para matar seu desejo, apagar seu fogo, gelei, imaginei de que o Robson iria enfiar seu cacetão em meu cuzinho, mais ele pinçelou aquele cabeção no meu cuzinho ate a minha bucetinha que estava entupida com o cacetão do vovô, senti quer algo estava me abrindo, meu corpo foi sendo elevado pelas mãos do Robson, de repente uma dor enorme, parecia que eu estava sendo rasgada,, e tava realmente, seu cacetão foi entrando junto como de vovô, nunca imaginei de que dois cacetão daquela grossurar iriam caber em minha buceta, aquela situação contesta a lei da física, de que dois corpos não ocupa o mesmo espaço, mais eu estava entalada com dois cacetões descomunhais, comessei a agritar, voces estão me rasgando, não façam isso, pare, pare, pare, aaiiiiiiiiiiiiii, aaiiiiiiiiiiiiii, hhoooo
de nada adiantava meus pedidos, o garotão comportada , agora se mostrava um perverso, ele socava com força. sentia que ele tinha enfiando mais da metade do seu cacetão dentro de mim, pois sentia sua barriga encostando em minha bunda, a dor foi aliviando, dando sinal de prazer, ai aproveitei tudo que tinha direito, comessei a beijar vovô, que não se mexia, eu que fazia os movimentpos junto com Robson, ate que voltei a ter esparmos, voltei a gritar agora era puro prazer, seu malvado, esta me arrombando, que bom,. que bom, vem, vem, quero gozar nestes cacetões, mais, mais, , quero mais, quero mais, uuiiiiiiiiiiii, uuiiiiiiiiiiiiii, não adiantava pedir, minha bucetinha estava no limite da sua elasticidade, so então foi gozado, e gritando, mais, mais, mais, aaiiiiiiiiiiiii, aaiiiiiiiiiii, vovô me abraçou mais forte, dando um urrrooooo, anuncia seu gozo, o Robson me puxou com força como fez na cachoeira, então percebi de que estava gozando tambem, ficamos os tres ofegantes, so então o Robson foi retirando seu cacetão de dentro, eu sentia algo saindo com se fosse um cabo de enchada , pela sua extenção, , a pressão da paredes da minha vagiva foi diminuindo, ate fez um plof, era o ar acumulado dentro da buceta pela pressão de dois paus gigantescos, ele se deitou, deixando um espaço no meio da cama, fui saindo de cima de vovô me deitando, ficando entre os dois, eu não me contia de felicidade, passado algum tempo, vovô falou, gostou magda, porque eu adorei, e voce Robson, o que me diz, eu vô, não tenho palavras, nossa pequena sabe fuder como ninguem eu que nunca tinha enfiado meu pau numa mulher, ela consegue enfiar os dois, ela e pequena em tamanho vô mais é uma gigantona em tamanho de buceta, foi que vovô falou, bem que eu lhe disse que a gente ia conseguir enfiar nossos cacetes nela, ai falei, voces armaram pra mim, como pode, foi por isso que o Sr. pediu para eu não trancar a porta, minha nossa, meu avô fez isso comigo, como pode, ele me disse, eu queria saber como era voce com dois cacetes enfiado nesta bucetona, como dizem se para uma cabeça de crianças, passa dois cacetes, ficamosd rindo sobre o comentario, resolvi dormi com vovô, o Robson foi para seu quarto, nem banho tomei, me aconcheguei junto a vovò e adormeçi, levei os dedos a minha buceta, estrava totalmente aberta, eles me abriram sem pena, sem dó, beijos a todos, , espero que tenham gostado, pois eu não tenho palavras, para definir esta aventura






Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

meu pai