Festa na Praia -parte 2


BY: PolicialSafado
No outro dia de manhã, começamos a preparar as coisas para levar a casa da Bela, minha esposa veio de shorts curto e com a parte de cima do biquíni, bem como a Anna, que só diferenciava pelas cores das roupas, já a Inez, veio com seu maio e uma saia até os joelhos, eu estava de bermuda e camisa cavada, já o Olavo, foi de bermuda jeans e camisa.
Chegamos a casa da Bela e fomos recebidos por ela, que estava de biquíni branco e uma saída de praia quase que transparente que deixava ver a parte minúscula do biquíni sendo engolido por aquela deliciosa bunda, ao adentra sua casa, vimos que tinha mais uma morena, que assim como a Bela era modelo, corpo estilo paniquete, seios fartos, cintura fina e bunda deliciosa, alem de coxas grossas eu lindas, a morena se chamava Barbara, assim como a Bela tinha seus 28 anos e solteira também.
Eu e o Olavo nos dirigimos para a churrasqueira, para começar a festa e as mulheres aproveitando que a Bela e a Barbara já estavam na piscina, tiraram a roupa ficando somente de biquíni e maio e foram para a piscina, eu conversava com o Olavo para distraí-lo e tentar fazer ele se descontrair, para ser mais fácil introduzir a conversa mais a frente, nisso a Bela se aproximou e dizendo que nos éramos os machos da casa que devíamos cuidar para deixar as mulheres contentes e deu um beijo no rosto do Olavo que ficou vermelho de vergonha.
Apos comermos e já termos bebido um pouco, nos sentamos em uma área coberta próximo a piscina e começamos a conversar, a Bela e a Barbara começaram a falar sobre os bastidores da moda, quando a Ellen, muito safada perguntou se já haviam feito o teste do sofá e entre risadas e olhares safados, disseram que fizeram mais de uma vez e que tinham feito com alguns homens bonitos mais tinha uns que elas nem queriam comentar, elas começaram a nos elogiar, dizendo que a Ellen e a Inez eram mulheres de sorte por ter homens tão gentis e simpáticos ao seus lados e a Barbara um pouco mais ousada, já foi comentando que a Ellen não deveria ter reclamações, pois eu era um homem muito atraente.
Ai começamos a conversar sobre as fantasias que tínhamos, sendo este assunto puxado por minha esposa Ellen, que começou a dizer que tinha fantasia de participar de uma festa onde todos transavam, sem pudores, nisso o Olavo olhou com desaprovação para ela e ela já emendou que o pai era muito careta, que apostava que ele tinha fantasias também, mas ele ficou quieto.
Apos isso a Bela disse ter fantasia de transar com dois homens e que adorava homens mais experientes e deu um olhar matador para o Olavo, que ficou novamente vermelho, eu já fui dizendo que adoraria transar na praia ao ar livre, sem pudores, a Barbara disse que adoraria fazer sexo anal, que ainda não havia encontrado um homem que merecesse este privilégio, o que poderia mudar naquele dia e me deu um olhar que logo foi retribuído por mim e tendo um sorriso da Ellen de aprovação.
A Anna olhou para seu pai e meio constrangida, disse que apesar do pai ali, iria dizer que tinha fantasia de transar também ao ar livre, na praia e que adorava sentir o gosto quente da porra descendo por sua garganta, neste momento o Olavo se levanta e diz que iria ao banheiro, ele demorou um pouco e quando retornou ainda conversávamos sobre sexo, a Inez virou para ele e disse que as filhas estavam se revelando naquela conversa.
Nisso a Bela, vira e pergunta para o Olavo qual seria a sua fantasia, ele diz não ter, e ela insiste e a Ellen diz que estavam entre amigos e família, que poderíamos conversar sem pudores, sendo sinceros, ele relutou e disse que não havia pensado neste assunto ainda, nisso a Barbara vira para a Inez e pergunta a ela qual seria a fantasia dela, ela olha bem para o Olavo e diz que como estávamos entre amigos ia falar, que adoraria ver o Olavo transando com outra mulher, para ver se assim ele liberava todo o fogo que tinha dentro dele.
Olavo a olhou assustado, mas ela disse que era isso mesmo, que ela sabia que ele tinha fogo, mas que era muito controlado e que queria ver ele com outra para ver se este fogo saísse e assim ela poderia ser mais satisfeita, a Bela, disse que se ele topasse, adoraria realizar este desejo dela.
O Olavo ficou sem fala, nisso a Ellen chama sua atenção e diz, olha só pai, até a mãe tem uma fantasia, pode falar a sua, não percebeu que aqui todos estamos a vontade, ele olhou para ela ainda sem palavras, nisso eu emendei dizendo que havia visto ele observar eu e a Ellen transar a noite e que sabia que ele estava se masturbando vendo isso e que eu não liguei para isso.
A Bela, olhou para ele e disse rindo, então você é safadinho, que adora ver pelas frestas e depois vem dizer que não tem fantasias, e se aproximando dele, disse, fala para mim o que você gostaria de fazer com ela, ele olha bem para a Bela e depois para a Inez e fala que adoraria foder com ela, á que era isso que a esposa queria e a Bela disse que adoraria fazer isso e já foi tirando a parte de cima de seu biquíni.
Diante da cena o Olavo ficou sem ação, olhando para aqueles deliciosos seios da Bela, a Ellen me deu um sinal, fazendo com que eu me aproximasse dos dois e começasse a acariciar os seios da Bella, olhava para o Olavo e dizia:
- Olha só que delicia, vem aproveita e faz tudo o que você quer, olha que mulher deliciosa te querendo e sua esposa esta ali permitindo isso.
Nisso a Bela vira e me da um beijo na boca e neste mesmo instante desço minha mão para sua buceta e colocando o biquíni dela de lado introduzo um dedo naquela buceta deliciosa.
A Inez olha para o Olavo, que observa sem ação e lhe diz:
- Vai lá homem, aproveita que vai saber quando uma mulher desta vai estar assim a disposição de vocês, vamos parar com os pudores - apos dizer isso ela começa a se despir e indo em direção ao Olavo se ajoelhando entre suas pernas e puxando sua bermuda iniciando uma chupeta nele.
Nisso ao lado a Ellen e a Anna também tiram a roupa e começam a se acariciar e se beijar e a Barbara se aproxima de mim e tirando minha bermuda liberta o meu pau que já esta muito duro, a Bela olha com admiração para meu pau, mas em seu ouvido, peço para ela dar uma atenção a mais para o Olavo e ela se vira e começa a beijá-lo e desce para junto da Inez para chupar o pau dele.
A Barbara começa a me chupar, mas não consegue sugar ele todo e fica lambendo e beijando a cabeça do meu pau, e dizendo que nunca havia visto um pau grande e grosso como o meu, nisso o Olavo olha para o meu pau e admirado diz:
- Nossa Ellen, minha filha, como você agüenta tudo isso no seu cú - e voltando o olhar para a Ellen, percebe que ela e a Anna estava em um delicioso meia nove e se espanta - nossa filhas o que vocês estão fazendo?
- Vai pai - disse a Anna - para de caretice e curte a foda.
- Isso mesmo Olavo - disse a Inez - deixa de ser quadrado, deixa suas filhas fazerem o que elas querem, pois elas puxaram a nossa safadeza.
Ele olhou para a esposa e apenas sorriu, em determinado momento a Bela veio compartilhar meu pau com a Barbara e ela sabia chupar deliciosamente e eu olhava a Inez chupando o Olavo e me aproximei deles e disse:
- Olavo aproveita olha só como a Inez esta chupando, deve estar muito delicioso.
Dei sinal para a Bela novamente ir dar atenção para o Olavo e desta vez a Barbara foi junto, a Inez se levantou e dando um beijo no Olavo disse:
- Olha ai seu safado, duas lindas mulheres te chupando, aposto que você sempre quis ficar assim, mas aproveita ai, que eu estou com vontade de chupar o pinto do Antonio, posso?
- Vai lá - disse o Olavo - estou vendo que você esta esticando seu olho desde que a Barbara tirou o pau dele para fora, quero ver se você vai agüentar esta pau grande que ele tem.
- Você não sabe de nada - disse a Inez - vou adorar sentir esta pau grande e grosso, ver o que nossa filha agüenta e adora e vou dizer mais, quero sentir ele no meu cú.
- Nossa no cú - disse o Olavo- será que você agüenta, eu sei que a Ellen agüentou tudo, pois eu vi, e para dizer a verdade, vou adorar ver ele te fuder como uma puta que eu sei que você é Inez.
Apos ele dizer isso a Inez se ajoelhou ao meu lado e começou a me chupar e para calar o Olavo, engoliu todo o meu pau, passando a língua em minhas bolas, nossa como estava chupando gostoso, a Ellen e a Anna se aproximaram e se juntaram a mãe me chupando, eu olhava para o Olavo que estava delirando com a chupadas da Bela e da Barbara e lhe disse:
- Olavo, olha só que família de putas você tem, olha as duas filhas e a mãe me chupando e eu vou meter nas três aqui na sua frente.
Ele olhou para mim e disse:
- Isso mesmo, fode estas putas, a Ellen eu vi que agüenta, mas quero ver a Inez e a Anna agüentarem.
Coloquei a Inez ao lado do Olavo e fazendo ela se inclinar deixando ele com uma boa visão, me aproximei e comecei a foder a buceta dela, ela rebolava e gemia, olhava para o marido e sorria e ele retribuía o sorriso e ainda a chamava de puta.
A Anna se aproximou do pai e como a Bela havia se levantado para dar um beijo no Olavo, a Anna tomou seu lugar chupando o pau do pai e ele começou a gemer pois como já disse a Anna tem o dom para chupar um pinto, deixa qualquer um louco.
O Olavo aproveitou que a Bela havia se levantado e a colocando ao lado da Inez, na mesma posição, começou a foder a buceta dela, eu olhava e via que a Bela estava querendo mais, mas estava de certo modo curtindo o pinto do Olavo, o Inez começou a beijá-la e disse:
- E ai Bela, como esta o pinto do meu marido, sei que é gostoso, mas vou te dizer em comparação a esta delicia que esta me fudendo agora nem se compara.
- É assim Inez - disse o Olavo - eu sei que não se compara mesmo, pois o Antonio é um jegue, mas eu sei trabalhar com o meu pau.
- Sim - disse a Inez - você sabe, mas diante de um mastro delicioso assim não tem comparação, depois quero que você sinta como eu estou larga, como o Antonio me arrombou.
Nisso eu comecei a bombar mais forte na buceta da Inez, que deliciava e rebolava muito, apos ela gozar fui em direção a Anna e me sentando, fiz ela ficar de frente ao pai, de pernas abertas, para ele ver ela agüentar o meu pau, ela sentava e rebolava como uma louca, gemia alto e em determinado momento, se levantou retirando o pau da buceta e num movimento rápido o colocou no cú e desceu de uma só vez, socando meu pau inteiro no cú e olhando para o pai disse:
- Olha só pai, não é só a Ellen que agüenta esta pinto grande e grosso no cú, eu também agüento.
- Nossa- disse o Olavo - realmente eu já desconfiava que você era uma puta Anna, agora estou tendo certeza, não só você mas sua mãe também.
- Mas olha só quem fala - disse a Ellen - você esta ai sem fazer nada, esta sendo obrigado a foder a Bela, não estou vendo você reclamar de foder a buceta dela, se nos somos putas você também é pai.
O gozo já escorria da buceta da Anna, quando ela saiu de cima do meu pau, e o Olavo já estava fodendo a Inez, que rebolava gostoso no pau do marido, nisso a Bela veio do meu lado e começou a chupar meu pau, a Barbara ficou de quatro e pediu para a amiga direcionar meu pau a sua buceta, que estava babando de vontade de ser penetrada.
Meu pau entrou facilmente naquela buceta deliciosa, a Bela me beijava intensamente e a Barbara rebolava no meu pau, nisso minha esposa Ellen e sua irmã Anna, já voltaram a se chupar e a puta da minha sogra, estava dando para o Olavo, seu marido, logo apos fazer a Barbara gozar muito, coloquei a Bela deitada e introduzi devagar o pau em sua buceta, que estava apertada, mas devido a estar com muito tesão, foi fácil penetrar totalmente, bombava forte e a Bella gemia cada vez mais alto, olhei para o lado e o Olavo estava fodendo agora a Barbara, percebi que ele olhava com tesão para as filhas que estavam ao seu lado num meia nove delicioso.
A Ellen saiu de cima da Anna e veio sentando no rosto da Bela, que começou a chupar sua buceta e a Ellen me beijou ardentemente, enquanto eu bombava forte na buceta da Bela, ela gozou muito e minha amada esposa também gozou muito em sua boca, olhei para o Olavo e ele estava deitado e a Anna estava sentada sobre ele, dei um sinal para a Ellen que já olhou e disse:
- Olha só, depois nos chama de putas, mas esta gostando de foder a própria filha, olha lá mãe, como a Anna esta rebolando no pau do pai!
- É verdade - disse a Inês - olha só a cara de puta da sua irmã, mas olha só a cara do seu pai fodendo a buceta dela, que safado, vai Olavo, fode bem a buceta a Anna, mostra como nosso família é de safados.
Eu olhei para aquela cena e me aproximei, como a bunda da Anna estava bem a mostra, deixando aquele delicioso cú a meu dispor, me coloquei por trás dela e direcionei meu pau no seu rabo, ela rebolava muito, ainda mais agora, pois estava com o pau do pai na buceta e o meu no cú, ela gemia e rebolava cada vez mais.
- Nossa Anna, que delicia que é te foder - disse o Olavo - e que sensação deliciosa sentir meu pau na sua buceta e o pau do Antonio entrando no seu cú, vai minha filha goza gostoso para o papai.
- Aiiiiii, que delicia - disse a Anna - vai papai, fode gostoso a buceta da sua filhinha.
O Olavo não resistiu muito e encheu a buceta da Anna de porra, eu também não resisti e enchi o cú dela com meu leite, tirei meu pau do cú da Anna e vi que o Olavo estava exausto por baixo de sua filha, a Inês se aproximou e foi falando:
- Nossa Olavo, já esta cansado, olha só o Antonio gozou no mesmo tempo que vc e o pau dele ainda esta duro, pronto para outra, e eu quero mais pinto.
- Vai minha puta - disse o Olavo - vai lá e fode mais com o seu genro, quero ver vc se deliciar hoje, eu não tenho mais este pique que ele tem.
- Hummm, já que vc permite, vou querer este pau no meu cú - disse a Inês - vou gozar muito com esta bela ferramenta no meu cú.
Nisso ela ficou de quatro e arreganhou bem a bunda na minha direção, não me fiz de rogado e fui logo penetrando gostoso naquele cú, a Ellen veio de lado e começou a dar tapas na bunda gostosa da mãe, que a cada tapa, rebolava mais.
O Olavo ficou observando aquela imagem, da mulher sendo fodida por mim, mas realmente estava exausto, logo as outras mulheres estavam de quatro uma do lado da outra, tirando minha amada esposa que ainda estava ao meu lado dando tapas na bunda da mãe, ao lado da Inez a Bela se posicionou e enquanto eu fodia o cú da Inês, brincava com meu dedo no cú daquela delicia loira, apos a Inez gozar forte, me direcionei para a Bela, que tratou de engolir o meu pau com aquele delicioso cú.
Nisso a Barbara estava ao lado e eu passei a brincar com os dedos em seu cú a Ellen continuava a dar palmadas na bunda da Inês e a Anna foi para o lado da Barbara e dava tapas na bunda dela.
A Bela rebolava e gemia alto, se contorcia e arrebitava a bunda cada vez mais e desta forma eu me deliciava e bombava forte naquele delicioso cú, ela gozou umas três vezes e quando não resistiu, deixou seu corpo ceder completamente cansada, nisso a Barbara que estava ao lado, me olhou com desejo e mudou de posição, se deitou fazendo com que a Anna sentasse sobre seu rosto, ao mesmo tempo que pegava as pernas da Barbara e arreganhava deixando aquele delicioso cú a mostra.
Mirei bem a cabeça do pau na porta do cú da Barbara e comecei a forçar, foi difícil, mas o pau ia entrando devagar, e quando percebi, já estava com minhas bolas batendo na bunda da Barbara, que gemia loucamente e a cada bombada que eu dava, enfiava mais a cara na buceta da Anna, apos a Barbara gozar muito eu retirei meu pau de seu cú e anunciando que ia gozar mais uma vez, a Inez se aproximou e olhando bem para a cara do Olavo, disse:
- Vem aqui Antonio, e enche a minha boca de porra, vem goza em mim que quero sentir o leite quente de um macho de verdade no meu corpo.
Ela se ajoelhou e começou a me chupar e ao mesmo tempo olhava para o marido, não resisti muito e enchi a boca dela de porra, estava tão excitado que gozei muito, que até escorreu pelos lábios dela, caindo sobre seus seios, o que tinha na boca ela engoliu com vontade, o que havia escorrido pelo seu corpo, logo foi limpo pela Bela que havia se recuperado e começou a lamber o que havia no corpo da Inez.
Ficamos um tempo ali bebendo e nos recuperando, a Inez se aproximou do Olavo e lhe perguntou se havia realizado sua fantasia e ele respondeu que sim e que havia se surpreendido com a volúpia que ela havia demonstrado e ela lhe disse que tinha aquela puta dentro de si, mas que sempre teve mede de mostrar para ele, ele se aproximou e a beijou ardentemente, não ligando para o fato dela ter acabado de beber a minha porra e ainda estar com o gosto na boca.
Minha esposa lhe disse que agora ele fazia parte definitiva da família de safados, e lhe revelou algumas transas que já havíamos feito, sem contar os detalhes de que a Inez havia participado e ele disse que sempre que puder iria querer participar e que deixaria a Inez participar sempre que ela quisesse, mesmo que ele não esteja junto, mas que queria saber todos os detalhes depois.
Ele se aproximou da Ellen e dando um tapa na bunda dela disse que queria experimentar a buceta dela e ela já de pronto disse que a buceta e o cú dela, tinham apenas um dono, que era eu e que apenas outras mulheres poderiam sentir seu gosto, mas que pinto de verdade apenas o meu.
Ele ficou decepcionado, pois minha esposa tem um belo corpo, mas logo a Anna disse que sempre que o pai quisesse ela seria dele, pois adora receber um pinto, mesmo que seja pequeno como o do pai e que adorou ser fodida por ele, a Inez estava ao lado a chamou de puta e disse que de agora em diante iria chamar ela para dormir em seu quarto de vez enquanto, para a filhinha ser fodida pelo papai.
Apos nos recuperarmos, continuamos o churrasco na beira da piscina na casa da Bela, ainda todos pelados e continuamos a foder intensamente durante todo os dia, trocamos contatos com a Bela e com a Barbara, combinamos de nos encontrar mais vezes durante esta viajem e sempre que elas forem para o interior para fazer contato conosco.
Ainda fodemos muito nesta ferias, mas seria repetitivo contar, então vou ficar por aqui, espero que vcs tenham gostado.





Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

O PEÃO JOAQUIM ME ARROMBOU