Minha sogra que era muito religiosa se revelou uma puta


BY: PolicialSafado

Ola, venho novamente lhes relatar um fato de minhas aventuras sexuais, sempre alterando os nomes para não comprometer as pessoas envolvidas.
Ontem, sexta-feira, eu e minha esposa fomos jantar na casa dos pais dela, pois estava somente minha sogra Inez (morena, 47 anos, não muito bonita, gordinha, quando jovem devia ter chamado a atenção se comparada com as filhas, bunda e seios grandes) e minha cunhada Anna (morena jambo, pele da cor do pecado, gordinha gostosa, não tinha muito seios, mas as pernas e a bunda maravilhosas), meu filho havia ido dormir na casa de um amigo, então fomos somente eu e minha esposa Ellen (Branquinha, gordelicia, seios fartos, bunda deliciosa, cinturinha delicada, pernas divinas).
Minha sogra é daquela beatas, ratas de sacristia, esta sempre envolvida em varias coisas da igreja e sempre criou as filhas neste regime, tanto que minha esposa era muito careta em relação ao sexo até a nossa separação, mas depois da volta por causa da safada da Anna, se mostrou uma verdadeira puta na minha cama, e minha sogra é daquelas mulheres xucras, que não sabem muito das coisas, mas o pouco que sabe quer impor como verdade aos outros, inclusive já causando varias discussões comigo a respeito de alguns assuntos que eu tenho mais conhecimento.
Bom, ontem estávamos lá, eu estava ajudando minha esposa e minha cunhada a fazer a comida e minha sogra sentada na cozinha conversando conosco, terminamos de fazer a janta e servimos e sempre mantendo um dialogo sobre vários assuntos, apos o fim do jantar, continuamos a conversar até que surgiu o assunto sexo e minha sogra começou a criticar e falar mal de varias coisas, nisso minha esposa virou para ela e perguntou se ela era santa, pois tinha certeza de que a mãe tinha transado pelo menos duas vezes e que com certeza havia feito muito mais que isso, minha sogra ficou vermelha, mas disse que sim, que havia transado mais vezes, mas sempre com o pai delas.
Nisso minha cunhada já emendou, que era solteira e que já havia transado com vários ex namorados que teve, minha sogra ficou mais vermelha ainda e já soltou um xingo, dizendo que isso não era certo e minha esposa a interrompeu e lhe perguntou se a mãe nunca tinha tido vontades ou fantasias, que por mais que a mãe tentasse passar uma imagem de santa, sabiam que não era assim.
A minha sogra me olhou e ficou mais vermelha ainda e de pronto percebendo isso já fui dizendo que ela poderia se sentir a vontade, que este assunto não iria sair dali e já fui dizendo que durante a minha separação eu tinha tido outras mulheres em minha cama e que depois que eu e a Ellen havíamos retomado o casamento, ela estava mais a vontade no sexo comigo.
Minha sogra me olhou e disse que sabia que eu tinha outras mulheres durante a separação, pois a Ellen já havia chorado muito em seu ombro durante a separação e inclusive que ela mesmo, já havia presenciado eu entrar com duas mulheres em minha casa e só saído de lá muito tempo depois e com a mulheres de cabelo molhado.
Eu confirmei, que sim, que havia transando não só com duas mulheres ao mesmo tempo, mas até com mais mulheres e que não era devido a isso que não amava a filha dela, tanto que havia retomado o casamento e que o sexo não deve ser um tabu, tratado a ferro e fogo, pois tudo o que nos prendemos um dia se volta contra nos de alguma maneira, seja em forma de doenças ou como no meu caso, na separação.
Ela ficou espantada e olhando para minha esposa e para mim, e começou a olhar para baixo, tentando se esconder, mas logo a chamei e disse que ela poderia falar sobre o que quisesse, pois comigo e com as filhas dela, ela pode confiar que nos não tínhamos preconceitos e nem tabus, ela me olhou e perguntou vc e minhas filhas, como, se vc é casado somente com a Ellen como vc pode saber da opinião da Anna, eu mais que depressa, disse que ela já havia procurado eu e a Ellen para conversar sobre este assunto, já que ali com os pais não havia esta possibilidade.
Nossa a Inês ficou sem saber o que dizer, olhou para a Anna e para a Ellen e perguntou se ela era tão autoritária assim, e elas disseram que neste assunto de sexo ela nunca foi de conversar, sempre colocando pudores que atrapalhava a vida sexual delas, ela parecia estar querendo sumir e olhou e disse que ela havia sido criada assim e que também nunca teve muita informação sobre este assunto e que tinha vergonha de falar sobre isso.
Este foi o ponto para começar a falar mais abertamente, pois olhamos para ela e dissemos que ali naquele momento não era para ter vergonha e para dizer tudo, pois ninguém iria julgar ninguém e nisso a Anna já soltou que tinha vontade de experimentar sexo com mais de dois homens ao mesmo tempo, a Inês olhou para ela e disse, como assim com mais de dois homens, a Anna, olha mãe sendo fodida por dois eu já fui, agora quero mais, a Inês ficou muito vermelha e pediu detalhes e a Anna já foi dizendo que queria sentir um pau na buceta e outro no cú e que tivesse pelo menos mais dois ou três para ficar com um na boca e outro punhetando, eu já olhei e disse, olha só que safada, e ri, a Inês começou a rir também.
A Ellen já emendou que adora ver eu transando com outras mulheres e que ela adora transar com outras mulheres também, a Inês olhou espantada, mas riu e olhou para mim e perguntou se o que eu mais gostava no sexo e eu lhe disse que adoro foder uma bunda deliciosa como a da Ellen, e olhando bem no fundo dos olhos da Inês, disse: - Não só a da Ellen, mas a da Anna também, que as duas já haviam sido minhas, que já havia fodido as duas ao mesmo tempo e ela confirmaram e disseram que tinha sido a melhor experiência que elas tiveram e depois eu disse que também adoro gozar na boca delas e ver elas tomando meu leite.
Ai nos olhamos para a Inês e perguntamos, qual seria o segredo que ela guarda no fundo, olha ficou um tempo calada nos olhando e depois de um bom tempo, disse que sempre teve vontade de dar o cú e de sentir o gosto da porra, a Ellen olhou bem para ela e perguntou se o pai nunca havia feito isso com ela e a Inês disse que não, que sempre teve esta vontade mais nunca pode dizer isso para o pai delas pois se ela era fechada o pai era pior.
A Ellen me olhou fundo nos olhos e eu percebendo a sua intenção, fiz sinal de afirmativo com a cabeça, nisso ela perguntou para a Inês se ela queria muito mesmo matar esta vontade, pois se quisesse nos poderíamos ajudá-la e a Anna, muito safada já foi dizendo, isso mesmo mãe, o Antonio já fodeu com as filhas, também pode foder com a sogra e o leite dele é delicioso.
A Inês ficou me olhando mas com receio de tomar alguma iniciativa, nisso a Ellen que estava ao meu lado, começou a passar a mão por cima da minha calça, deixando meu pau duro, a Anna que estava sentada ao lado de Inês, me chamou e me colocando entre as duas, foi tirando meu pau para fora e dizendo:
- Olha só mãe, que belo pau a Ellen tem na casa dela, olha que delicia!
- Nossa - disse a Inês - como é grande e grosso, nunca imaginei que pudesse ter um pau deste tamanho, o do seu pai é tão pequeno perto desta maravilha aqui - e olhando para a Ellen perguntou - Filha posso?
- Lógico mãe, fique a vontade, pega com gosto e cai de boca.
A Inês começou a apalpar meu pau, e eu virei e deixei bem próximo a sua boca, ela olhava com desejo e foi dando uns beijos na cabeça do meu pau, beijava e lambia, foi aos poucos colocando ele dentro da boca e chupando meu pau, a Ellen e a Anna, já estavam nuas e se beijando, a Ellen havia sentado ao lado da mãe que me chupava deliciosamente, e a Anna estava de quatro chupando a buceta da Ellen, tirei o pau da boca da Inês para começar a tira a roupa dela e nisso ela olhou para as filhas uma chupando a outra e apos eu tirar sua camisa e seu sutiã, a Ellen que estava próxima, só se inclinou um pouco, ainda sendo chupada pela Anna e começou a chupar os seios da mãe, que voltou a me chupar, confesso que estava adorando aquilo, ver a minha sogra tão religiosa, mamando meu pau e sendo chupada por sua filha.
Me afastei um pouco e disse para a Ellen e para a Anna, mostrarem para a mãe o que elas sabem fazer, e elas acabaram de tirar a roupa da Inês que meio que relutante foi se deixando levar pelas caricias das filhas, a Anna foi se dirigindo para sua buceta peluda, percebemos que não era usada ha muito tempo, a Anna olhou bem para a Ellen e disse, vamos cuidar da mãe, vou ali buscar aquele creme e vamos depilar sua buceta, deixar ela lisinha e se dirigiu até seu quarto voltando com um pote de creme e um barbeador, nos encaminhamos a Inês até seu quarto, onde a deitamos na sua cama, a Ellen começou a passar o creme sobre os pelos da buceta da mãe e ao mesmo tempo, tocava uma siririca para ela, a Anna veio com o barbeador e delicadamente foi depilando a buceta da Inês, eu me aproximei e fiquei observando aquele cena.
Percebi que a Ellen passou creme até o cú da Inês e apos a Anna depilar td e limpar todo o creme me chamou e disse:
_ Olha só que buceta bonita sua sogra tem e olha que nos até demos um trato no cú dela, pois hj queremos ver a nossa mãe dando o cú para vc, hj ela vai se tornar mais uma puta sua.
A Inês me olhou e nisso a Anna caiu de boca em sua buceta, fazendo-a delirar de tesão, a Ellen foi por cima esfregando a buceta no rosto da mãe e dizendo, vai mãe, mostra que vc também é uma puta e chupa a buceta arrombada da sua filha, a Inês não agüentou e foi lambendo a buceta da Ellen e eu me aproximei e comecei a chupar o cú da Ellen e as vezes minha língua se encontrava com a da Inês e percebendo que ela estava ansiosa por um beijo, tratei de matar esta vontade da minha sogra, depois me levantei e aproximei meu pau da boca dela que chupou deliciosamente novamente, e aproveitando que a Ellen estava com sua deliciosa bunda virada em minha direção, tirei meu pau da boca da Inez e enfiei com tudo na buceta da minha esposa, que começou a gozar muito que escorria pela boca da mãe dela que estava a chupando por baixo.
Virei minha atenção agora para a Anna, que também estava de quatro, chupando a mãe, fui em sua direção e comecei a foder sua buceta, ela rebolava deliciosamente e a cada bombada, chupava com mais vontade a buceta da mãe, eu estava ficando louco com aquela situação, tanto que estava para gozar e logo retirei o pau da buceta da Anna e chamei a Inez para me chupar novamente, explodindo em um gozo delicioso na boca da minha sogra.
Era tanta porra que começou a escorrer por seu rosto, nisso a Anna veio e começou a ajudar a mãe a sugar todo o meu leite quente, a Inez parecia um bezerro, pois já havia engolido toda a porra que havia em sua boca e sugava meu pau de tal maneira que parecia que iria e engolir, mas com esta chupada meu pau não amoleceu e eu aproveitei que minha sogra estava deitada de pernas abertas e direcionei meu pau para sua buceta recém depilada.
Coloque a cabeça do pau e comecei a forçar, estava difícil a penetração e a Inez dizia que faz tempo anos que não transava e que meu pau era bem maior que a do pai da meninas, que seria como se fosse a primeira vez, ela estava bem lubrificada pois a Ellen ainda estava por cima dela chupando a sua buceta, eu forçava aquela buceta começou a ceder e meu pau foi penetrando com dificuldade, mas foi cada vez mais fundo, a Inez gemia e se contorcia e pedia cada vez mais, quando senti minhas bola batendo na sua bunda, comecei a bombar forte e ela gemia alto, a Ellen olhava aquilo e se deliciava:
- Olha só Anna, vê bem para quem nos puxamos, bem que ela nos chama de filhas da puta, olha que puta que ela é, gemendo e rebolando deste jeito no pau do meu marido.
- É verdade Ellen - disse a Anna - ela sempre nos xingou de filha da puta, e agora esta realmente mostrando que nos somos mesmo filhas de uma grande puta, quero ver quando o Antonio foder o cú dela.
- Ai que delicia - disse a Inez - olha que vcs estão me tornando uma puta, pois sempre fui muito centrada e fiel, mas não tem como resistir a esta pica gostoso que o seu marido tem Ellen, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, que delicia, fode a sua sogra, vai, me mostra o que um macho de verdade faz com uma puta como eu.
Retirei o pau da buceta dela e a fiz ficar de quatro, vou dizer a vcs, que bela bunda tem minha sogra, uma rabo delicioso, comecei a foder sua buceta novamente e a dar tapas naquela deliciosa bunda, a Ellen e a Anna, estava ao lado se chupando num delicioso meia nove, dava tapas fortes na bunda da Inez, que rebolava cada vez mais forte, e pedia cada vez mais.
- Bate mais forte meu macho - disse a Inez- esfola minha bunda com esta mão pesada, deixa ela toda vermelha que eu adoro.
Nossa eu batia cada vez mais forte, ela chorava e pedia cada vez mais, a Ellen vendo aquilo, se levantou e foi até o guarda roupas da Inez, retirou de lá um cinto e se aproximou da Inez e mostrando o cinto, disse:
- Você se lembra deste cinto puta, vc batia em nos com ele e agora que vc assumiu este seu lado puta, vc também vai apanhar com ele - e começou a bater forte na bunda da mãe com aquele cinto.
- Aiiiiiiii, sua filha da puta - disse a Inez - assim vc vai me deixar toda marcada sua vadia, mas não para, ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, não para que eu estou adorando isso.
- Nossa mãe - disse a Anna - não sabia que vc era tão puta assim, como vc é vadia mesmo.
- Nossa como não ser vadia com um pau delicioso como este me arrombando a buceta que há muito tempo não sabe o que é um pinto de verdade - disse a Inez.
Eu socava fundo e a Ellen batia forte com a cinta na bunda da mãe, que já estava toda marcada, a Inez gemia e chorava, mas pedia cada vez mais, foi quando a Anna se aproximou com um tubo de creme, que foi passando no cú da mãe e enfiando um dedo.
- Nossa mãe - disse a Anna - vai ser a primeira vez que seu cú recebe um pau, pois esta bem apertado.
- Sim minha putinha - disse a Inez - quero que o Antonio me arrombe de vez, sem dó, quero sentir este mastro todo dentro do meu cú.
Olhei para a Ellen que havia parado de bater na bunda da mãe com a cinta, ela passou o creme pelo meu pau e eu fui me sentar numa poltrona que tinha ao lado da cama, a Ellen pegou a mãe pelos cabelos e a encaminhou até onde eu estava.
- Vem aqui sua vadia - dizia a Ellen puxando a mãe pelos cabelos - vem aqui e senta no pau do meu marido, vem que agora ele vai esfolar seu rabo.
Eu direcionei o pau na entrada já lubrificada do cú da Inez, ela estava apoiada com as mãos nos braços da poltrona e com os pés sobre as minhas pernas e soltando o corpo devagar, deste jeito ela achava que estava no controle da penetração, deixei ela inicialmente controlar, mas quando senti que a cabeça já havia rompido as barreiras iniciais, fiz com que ela perdesse o equilíbrio e o controle que ela achava que tinha, fazendo com que meu pau entrasse todo de uma só vez naquela bunda, ele gemeu e chorou de dor, mas logo começou a se movimentar novamente e rebolar com meu pau todo na bunda.
Ela começou a gemer freneticamente entre as lagrimas de dor e as reboladas, eu dava tapas por cima das marcas das cintadas que ela recebeu e ela gemia mais alto ainda, tirei meu pau do cú dela e a fiz colocar as mãos na parede, e se inclinar, e fui e novamente soquei o pau com força no cú dela, que já estava totalmente arrombado, ela gemia e rebolava.
- Vai Antonio, fode forte a bunda da puta da sua sogra - dizia a Inez - vc fez a santinha do pau oco se revelar uma puta que adora pica, vai e fode forte meu cú, seu safado.
Fodi forte ela, nisso a Ellen se aproximou e ficou na mesma posição, arrebitando a bunda deliciosa dela, tirei meu pau da bunda da sogra e meti na minha esposa, enquanto eu fodia o cú da minha esposa, vi minha sogra ir para a cama ficando de quatro chupando a buceta da Anna, aquele cú dela estava piscando e totalmente arreganhado, mas estava muito apetitoso.
Fodi com força a bunda da minha esposa e não agüentando mais, chamei a puta da minha sogra que novamente bebeu todo o meu leite quente, nossa que delicia, depois disso ela se levantou e foi tomar um banho, nos permanecemos no quarto e escutávamos ela gemer quando a água passava pelas marcas das cintadas na bunda.
Quando ela saiu estava com um ar de felicidade que nunca havia visto na minha sogra, se deitou junto da gente na cama e começamos a conversar:
- Nossa que delicia - disse a Inez - vcs me fizeram sentir algo que nunca tinha sentido, nunca gozei tanto quando hj.
- Eu percebi isso Inez - eu disse.
- Olha mãe - disse a Ellen olhando para a bunda da mãe toda marcada das cintadas que ela deu - Me desculpe por ter exagerando ao bater em sua bunda, mas o tesão tomou conta de mim.
- Que isso, filha - disse a Inez - vc só fez o que eu sempre quis, olha que seu pai, sempre me deu uns tapas na bunda e eu sempre pedi mais, mas o frouxo nunca fez eu me sentir a puta que sempre quis, como hj vcs fizeram, eu adorei cada cintada que vc me deu.
- Nossa Ellen - disse a Anna - a mãe é mais puta que nos duas juntas, agüentou chorando o pau do Antonio no cú e ainda pediu mais.
- Olha só filha - disse a Inez - quando a puta interior toma conta eu não resisto e faz tempo que não me sinto mulher deste jeito, amo muito seu pai, mas com ele nunca me senti mulher de verdade.
- Agora Inês - disse eu - quando vc quiser se sentir mulher de verdade, sabe quem procurar, pois sempre vamos te ajudar, neh meninas.
- Eu tenho certeza que sim, Antonio - disse a Inez - e como a Anna disse logo no inicio da nossa aventura, agora vc tem mais uma puta para foder, sei que não sou uma mulher atraente, mas se vc me permitir, vou querer ser sua puta para sempre.
- Hummmm - disse eu - uma família de putas a minha disposição, e vc acha que eu vou dispensar, eu só tenho que agradecer a vc por me dar estas duas delicias para foder e agora mais vc, e vou ser sincero, adorei fazer a santinha mostrar o lado puta.
- Mas mãe - disse a Anna - como vc vai explicar para o pai as marcas na sua bunda e vc estar depilada e bem mais larga?
- Olha filha - disse a Inez - faz tempo que seu pai não me procura e nem que ele me vê pelada, então não vai fazer diferença nenhuma.
- Mas vou te dizer uma coisa Inez - eu falei - o Olavo é um trouxa de deixar uma puta como vc presa, de não te fazer soltar esta fera que estava ai dentro e muito mais trouxa de deixar de foder este seu rabo gostoso, que vou te dizer, que família boa de bunda, que delicia.
- Ele nunca tentou nada com minha bunda - disse a Inez - e olha que eu ficava de quatro para ele muitas vezes, mas ele só quer foder minha buceta com aquele pintinho mixo dele.
Apos isso nos transamos mais durante toda a noite, pois nos dormimos lá e ainda durante dia até agora de pouco, mas vou dizer que eu adorei transformar a beata da minha sogra em uma puta das mais vadias e sinto que logo terei mais relatos para contar sobre esta família de putas.
Espero que vcs estejam gostando, pois estou adorando revelar estes experiências a vcs, comentem e votem.






Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

Putinha Do Papai