UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES


BY: kellyfe
UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Oi amores eu desde dos meus 15 anos eu sempre gostei de mulheres. Mas meus pais eram do tipo conservadores, e não aceitavam ter uma filha lésbica. Até que com 20 anos pra satisfazer a vontade deles eu me casei com um homem mais meu casamento durou apenas 2 anos e meio. E assim que me separei e ter minha própria vida e fui morar sozinha, eles acabaram por me entender e me aceitaram como eu era. Eu tinha várias amigas lésbicas e Rubi era a mais chegada comigo na época e a que mais frequentava minha casa. Ela era uma loira lindíssima, de pele bronzeada, lábios carnudos e avermelhados, seios empinados e durinhos, eu sentia um tesão danado por ela, e até chegamos a namorar por quase um ano. Ela me atraia muito por ser uma Bissexual totalmente liberal. Depois nos separamos e ela mudou pra outra cidade, e só nos falavamos por telefone e redes sociais. Passados alguns anos nos reencontramos no final de 2014, e ela estava acompanha por uma amiga a Sabrina, uma mulher linda e super educada. Com um corpo de dar inveja a qualquer outra mulher, então saímos para um barzinho pra conversarmos e matarmos a saudade. Só que Rubi não me falou toda a verdade quando me apresentou a Sabrina. E durante nosso papo depois de algumas cervejas ela me confessou que Sabrina era uma travesti e que elas moravam juntas. No momento eu fiquei um pouco enciumada mais depois eu fiquei de boa e tornei amiga da Sabrina, pois eu sendo lésbica já tinha sido casada e também tinha me relacionado com a travesti Gabi que conheci num sexshop, já relatei em outro conto. Bom conversa vai e conversa vem eu descobri que Sabrina e Rubi se tornaram amigas logo que começaram trabalhar na mesma empresa, eu por saber que Rubi curtia uma bucta molhadinha e também um cacete bem duro. Mas jamais iria imaginar que ela iria se relacionar com uma travesti e ainda morar junto, pois ela sempre me parecia uma pessoa bem reservada, não que ela fosse preconceituosa pois na nossa época tínhamos várias amigas travestis mas nunca rolou nada sexualmente com nenhuma delas. E ela me dizia que gostava mesmo era de Homem e Mulher de verdade, rsrs. Quando transávamos, ela sempre era gulosa, safada e sem-vergonha que me fazia gemer e gozar na sua mão e na boca e as vezes usamos uns brinquedinhos pra nos satisfazer. Mas nas nossas conversas depois da nossas transas ela sempre era sincera e me falava que sentia falta de um cacete de verdade, mas por me respeitar ela não procurava, porque se procurasse encontraria fácil. Então Rubi me disse que seu encontro com Sabrina caiu do céu, pois ela conseguiu unir o útil ao agradável e que Sabrina de confiança, pois ela não tinha relacionamentos ocasionais e além do mais tinha formas femininas e a fazia sentir prazer como homem. Eu confesso que fiquei um pouco chateada, mas acabei concordando e aceitei, pois eu também teria feito a mesma coisa se encontrasse uma travesti como aquela ou se a Gabi me propusesse algo assim.

Depois de algum tempo, Rubi me fala que adoraria uma transa entre nós três, na hora eu exitei um pouco mas acabei aceitando e marcamos para um final de semana na casa da Rubi. Então eu fui na casa dela no sábado a tarde, chegando la eu encontrei as duas só de calcinha e sutiã e nem parecia que Sabrina tinha um cacete no vão das suas pernas. Eu apezar de ser experiente estava super nervosa com aquela situação. Sabrina era uma travesti loira com mais 1,70m e um corpo exuberante que faziam inveja a qualquer mulher de verdade. Rubi nos serviu uma bebida e Começamos a conversar e para quebrar o gelo ela me perguntou se era aquilo mesmo que eu tava afim, e quando eu respondi que sim, ela me agarrou me dando um beijo demorado na boca. Na hora eu tive a sensação que era a Gabi que me beijava, pois era deliciosamente idêntico e eu me sentia estar nos braços de uma mulher com braços fortes igual a Gabi, mas ao mesmo tempo sentia suas mãos e sua pele macias e delicadas.

Eu me soltei e deixei levar por aquela sensação que eu já havia sentido ha alguns anos atrás. Rubi então se aproximou por trás de mim e começou me acariciar também e foi tirando minha roupa e meteu sua mão na minha buceta lisa por dentro da calcinha e sua boca começou passear por todo meu corpo até chegar no meu reguinho e com sua língua começou a explorá-lo deliciosamente passando pelo meu cusinho até chegar na minha buceta onde estava também sua mão macia e ágil, me fazendo gemer de prazer e tesão, enquanto isso eu beijava e sugava a boca deliciosa da Sabrina. Mas logo em seguida, Sabrina parou de me beijar e com suas mãos nos meus ombros me fez abaixar chegando até sua calcinha, e quando cheguei onde ela queria, então me deparei com um cacete enorme, de cabeça roliça e avermelhada que pulsava de tão duro, que insistia pra mim chupá-lo. E eu tomada por um tesão inexplicável e ao ver toda aquela masculinidade com seios lindos, rosto de mulher meiga e pernas grossas e lisas, deixei aflorar o instinto hétero de mulher dentro de mim e meti minha boca naquele mastro como se fosse um consolo que eu sempre uso, só com uma diferença, que aquele tinha sangue e veias real. Ela gemia e forçava aquele membro pra que eu o engolice e sentir ele pulsar na minha boca. Depois de eu chupar com rapidez por alguns minutos, senti um jato de esperma quente na boca, pois ela acabava de gozar lambuzando minha boca com seu líquido branco, espesso e adocicado. Mas o mais interassante foi que seu pau não abaixou e continuou hiper duro. Ela então pegou uma camisinha na sua bolsa dourada, vestindo naquele mastro e foi até a Rubi, que ainda se deliciava com minha buceta. E colocou aquele mastro na porta da sua gruta e o enfiou todo de uma vez, fazendo ela soltar um gemido alto, mas sem deixar de me chupar.

A safada gritava e se contorcia, mas não pediu para ele parar. Ai eu percebi o quanto ela estava melada, e aquele enorme pau entrava e saía com facilidade da sua buceta, que várias vezes eu tinha me deliciado. Aquilo pra mim foi o ápice demais, e gozei na sua boca. E ela rebolava como uma puta safada no cacete da Sabrina. E logo senti que Rubi deu uma estremecida e explodiu num orgasmo frenético e me olhando, satisfeita e apaixonada, por eu ter participado com ela naquela sua fantasia que desejava a tempos, que era de ter uma buceta e um cacete só para ela. E eu imaginando que Sabrina também havia gozado junto com a Rubi, e que aquela transa louca havia terminado. Mas estava enganada, pois a nossa querida amiga travesti pegou outra camisinha da sua bolsa e como uma fera atrás da sua caça, investiu para cima de mim, louca por sexo. E já havia sido penetrada por um cacete várias vezes mas naquele momento eu me assustei com aquele tamanho e tentei me esquivar, só que Rubi me agarrou me deu um beijo delicioso, que me tirou do controle das minhas ações. E Sabrina me virou de costas, me deixando de quatro e com a língua ágil e molhada, lambusou meu cuzinho com sua saliva, e por mais que eu tentava recusar ela ia aconchegando seu cacete no meu cuzinho apertado que logo começou entrar dentro de mim rasgando minhas preguinhas por trás, na hora senti uma dor insuportável e pensei que não iria aguentar. Então Rubi chegou próxima a minha boca e com seus beijos e carinhos, eu fui relaxando. Então senti Sabrina bombar com toda sua força mas naquele instante eu já não sentia mais dores e sim um prazer imensurável. E Rubi se rastejando como um cobra entrou em baixo de mim e começou chupar a minha buceta e ao mesmo tempo deixou a tua próxima a minha boca, que com aquele tesão enorme comecei a chupá-la fazendo um 69 delicioso. E Sabrina metia aquele mastro dentro de mim cada vez mais fundo. E eu de quatro para ela e repleta de prazer, rebolava totalmente sem controle.

E foi logo que nós três gozamos juntas, duas vezes cada uma, numa orgia louca. Depois desse dia, passamos a nos encontrar uma vez por mês. Um certo dia Rubi me ligou dizendo que elas iriam dar uma festa em sua casa, pois seria o aniversário da Sabrina e ele fazia questão da minha presença, eu agradeci pelo convite e combinei que iria no sábado logo após o almoço. E assim que chegou o sábado, tomei um belo banho, colocando um shortinho jeans, uma blusinha bem decotada e sem sutiã. Almocei e montei na moto indo pra casa da Rubi que ficava ha uns 50 km da minha cidade. Cheguei la por volta das 16:00 Hs, pois antes de ir passei em vários lugares, inclusive numa loja pra comprar um presente para a Sabrina e alem disso fui bem devagar sem nenhuma pressa adimirando as paisagens, pois a festa só iria começar as 19:00 horas. Cheguei la e elas me apresentaram a Bel e fomos fazer os petiscos para a festa. E logo foi chegando os outros convidados amigos delas. Então conheci alguns Gays, Lésbicas, Pessoas Normais e alguns Travestis e começamos conversar, beber e divertir numa boa. Alguns minutos depois encontrei Sabrina e a Bel e começamos a conversar. E Sabrina foi me apresentando a varias pessoas e a conversa durou algum tempo. Lá pelas 02:00 horas da manhã o pessoal já tinham ido embora e ficamos apenas nós 3 e a Bel . Então conversamos um pouco mais. E as coisas começaram a esquentar quando começamos falar sobre sexo e de nossas preferencias. E Bel toda animada devido ter bebido um pouco alem da conta, falou que adorava uma aventura, que poderia ser com homens ou com mulheres e eu disse que adorava mulheres e que numa transa eu gemia muito alto me entregava completamente e Sabrina disse que gostava de homens e mulheres e só faltava a Rubi dizer e foi rápido que ela gritou da cozinha que em matéria de sexo ela curtia tudo e mais um pouco, ai demos uma gargalhada e continuamos o papo. E Rubi veio entre nós, puxando a Sabrina pelas mãos e começaram a dançar e notei que Bel ficará muito excitada e eu também fiquei, ao vê-las dançar de uma maneira muito sensual e senti que aquela situação estava se descontrolando. Então peguei a Bel pelas mãos e começamos dançar também.

Então começou uma musica lenta e a aguarrei com mais força e em pouco tempo estavamos em um beijo alucinado. Então Sabrina tirou sua blusa, nos mostrando aqueles seios lindos e tirou também a blusa e a saia da Rubi, então tirei minha roupa e a da Bel também ficando todas só de calcinhas. Eu que estava dançando e beijando a Bel fui descendo minha boca e abocanhei seus seios enormes e durinhos. E Sabrina tirou sua calcinha mostrando seu cacete de uns 18cm e grosso, que logo foi abocanhado pela Rubi. Então deitamos no tapete e começamos uma suruba deliciosa. Sendo que Rubi chupava o pau de Sabrina que por vez chupava a buceta da Bel, ela a minha e eu chupava a da Rubi, aquilo tava maravilhoso as 4 sendo chupadas ao mesmo tempo. Então não me contentei e comecei a chupar buceta e o cu de Rubi, e a Bel e Sabrina fizeram a mesma coisa. E depois de alguns minutos nós não resistimos e explodimos num gozo intenso. Então Rubi se levantou e pegou um strapon e me entregou sorrindo dizendo que ali havia muita buceta para pouco cacete. Rsrs. Ai eu coloquei o cinto, colocando ela(Rubi) de 4 e meti aquele cacete no seu cu com vontade, como fez a Sabrina na ultima vez. Então olhei do lado e vi Bel ser comida também de quatro pela Sabrina que estocava com força aquela buceta. E ficamos assim por algum tempo, ate que Rubi disse que queria uma DP. Então eu sai de cima da Bel e me deitei de contas com o meu cacete de silicone ela encavalou em mim rebolando como louca até que aquele cacete entrou tudo na sua buceta, então Sabrina chegou por traz e cravou o pau no seu cu fazendo ela dar um grito ensurdecedor.

E Bel por sua vez sentou com sua buceta na minha boca e começou rebolar e beijar a boca da Rubi. E eu alem de chupar a buceta da Bel também metia meu dedinho no se cu fazendo ela gemer e se contorcer ainda mais na minha boca. Depois de uns 10 minuto naquela suruba nós explodimos num gozo sensacional. Bel soltou um jato na minha boquinha que eu jamais tinha visto coisa igual e Rubi alucinanada soltou seu corpo sobre o meu e me abraçou ficando quieta como que em transe, enquanto Sabrina encheu seu cu com sua porra densa. Deitamos todas exaustas no tapete e em alguns minutos estavamos dormindo ali mesmo, e acordei já era mais de meio dia. E Bel chegou até no meu ouvido e disse que ainda estava com tesão e que queria que eu a fodesse também, então como eu nem havia tirado o strapon pra dormir, fiquei de costas e ela sentou em cima daquele pau de silicone e rebolou deliciosamente enquanto me beijava. Ela foi aumentando o ritmo das suas reboladas fazendo aquele cacete entrar e sair da sua buceta com rapidez e ela gemia e gritava de tanto prazer, que fizeram que Rubi e Sabrina acordassem assustadas com seus gritos. Depois do susto Rubi foi por traz dela e começou chupar e enfiar seus dedos em seu cu, fazendo ela gritar ainda mais. E foi logo que Sabrina se despertou e colocou seu cacete em sua boca para ela parar de gritar. e ela mamou muito até que gozamos as quatro juntas novamente. Nossa que loucura foi aquele fim de semana. Então nos levantamos e fomos tomar uma ducha. Depois comemos alguma coisa e eu montei na minha moto e fui pra casa realizada por aquele final de semana incrível que havia passado.

E foi isso meus amores, espero que curtam mais esse meu conto.

Beijokas da Kelly




Foto 1 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Foto 2 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Foto 3 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Foto 4 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Foto 5 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES

Foto 6 do conto: UMA TRAVESTI E TRÊS MULHERES



Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
11309 - UM AMOR VIRTUAL
 


Próximo Conto

Minha sogra que era muito religiosa se revelou uma puta