UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS


BY: kellyfe
UMA SURUBA ENTRE MULHERES NA BOATE GLS


Bom Amores, eu sempre fui muito tranquila no sentido de sair pra farra ou coisas desse tipo, sempre que saio vou para pizzarias com som ambiente ou barzinhos com um bom som ao vivo, mas eu curto uma boa brincadeira sadia com meus amigos, amo de paixão mulheres lindas e safadas e gosto de dançar. Então num desses final de semana, eu e mais alguns amigos, resolvemos dar uma diversificada e combinamos de ir a uma boate GLS que tinha inaugurado na cidade vizinha da minha. Chegando la, logo na entrada percebi que eu seria a bola da vez naquela noite, pois eu estava chamando a atenção de todos que estavam na fila pra entrar na boate, pois naquele dia eu havia exagerado um pouco na minha roupa que apesar de ser linda (a roupa), mas pra ser sincera eu estava parecendo uma piranha pronta pra atacar quem aparecesse na minha frente, risos. Eu estava com uma maquiagem bem estravagante, usando um vestidinho branco extremamente curto que por pouco não mostrava minha calcinha e alem disso era um pouco transparente, sem sutiã e com um decote bem sensual nas costas e na frente que realsava meus lindos e enormes seios, e com saltos altos. Quando entramos na boate que estava lotada, novos olhares recairam sobre mim, e eu disfarçadamente olhava todos de leve dando um sorriso bem malicioso. As músicas estavam maneiras, fazendo a animação era geral, e eu como sempre comecei dançar, rebolando meu bundão gostoso e as vezes ia com a bunda até o chão sem parar de rebolar que deixava malucos meus amigos e até os gays que frequentavam ali.

E eu comecei perceber que eu as vezes era tocada por algumas meninas, ou beijada por outras, e até rolava altas pegações, sempre aos olhos dos meus amigos, que davam risadas vendo eu me divertir, pois eu raramente saía com eles em programas desse tipo, mais aquele noite eu reservei para me divertir pra valer, eu olhava para meus amigos "homens" e via que todos estavam com seus paus duros, querendo saltar pra fora das bermudas, risos. Numa dessas aproximação das gurias, veio uma gatinha deliciosa e bem atirada, acompanhada de uma guria de cabelos curtos tipo bofinho, que logo de cara me intimidou com um olhar sério e fechado, eu sempre notava que essas garotas que se intitulam bofinhos ou butch's me estranhavam apenas por me aproximar das suas namoradinhas, ou simplesmente por eu olhá-las. Mas a gatinha atrevida tratou de me tranquilizar, dizendo pra que eu não ligasse pois elas eram apenas amigas. E logo me deu um beijo demorado que me tirou até o folego e me puxando saímos do meio do salão e fomos para um cantinho mais escuro. Toques e beijos ardentes aconteceram ali, e suas mãos já levantavam meu vestido e atacando minha bucetinha, tocando de leve no meu grelinho e logo senti seus dedos entrando na minha gruta umedecida, fazendo movimentos deliciosos de vai e vem. As vezes ela tirava os dedos da minha buceta e colocava na minha boca pra eu chupá-los e deixá-los limpinhos, para novamente ela continuar a me foder, até que uma das gurias que estavam comigo e que eu acabara de conhecer, pois ela era amiga de um amigo meu e estava de visita na sua casa,

não aguentou ficar só olhando aquela pegação nossa, e aproximando encostou atrás de mim surrando ao meu ouvido disse que era a Rose e que queria participar daquela brincadeira também e começou se esfregar sua buceta na minha bunda e quando eu ouvi ela dizer aquilo, fiquei mais excitada ainda, pois eu já estava de olho nela mais por receio de ela não curtir fiquei na minha. Então caí de boca nos peitinhos daquela putinha atrevida, chupando e mordendo com vontade. Então puxei a Rose pelos cabelos pra que ela a chupasse também, e nós duas a chupamos deliciosamente, uma em cada seio. A bofinho que até aquele momento só olhava e vendo que Rose tinha chegado junto de nós, decidiu então entrar na festa e se aproximou de mim e logo buscou minha boca me dando um beijo longo, e sentiu minha língua feroz passear pela sua boca.

Aquela mini suruba de mulheres foi esquentando, que as vezes, dávamos beijos múltiplos, eu, a bofinho, a safadinha atrevida e a minha amiga putinha e nossas línguas se entrelaçavam sugando ao extremo uma as outras. Que loucura estava aquilo e não aguentando mais de tanto tesão, pedi pra bofinho colocar seus dedos na minha xana, que já estava supermelada e escorrendo meu liquedo de tanto tesão que estava, e assim ela fez. Então me posicionei, inclinando meu corpo um pouco e impinando minha bunda pra trás, senti seus dedos ageis tocando a porta da minha caverna e invadindo lentamente. E com uma das mãos a bofinho tocava os seios da atrevida ao mesmo tempo. A minha amiga nesse momento enfiava seus dedos na bucetinha da bofinho e da atrevida, a bofinho não aguentou de tanto tesão e enlouquecinda se abaixou e começou a chupar minha buceta e a da minha amiga ao mesmo tempo. Eu delirava com aquilo. E de vez em quando, ela tirava seus dedos dentro de mim, todo lambuzados, e colocava em sua boca, pra eu chupar, deixando-os sem qualquer resíduo do melzinho que saía da minha buceta melada, e os recolocava novamente dentro de mim. O tesão e a excitação era demais. Muita loucura, muito prazer, e tudo isso ao som de "Cassia Erlem, cantando Malandragem". Nisso, a atrevida colocou um dos dedinhos no meu cuzinho e metendo de uma só vez. Não aguentei e disse que iria gozar. Então ao ouvirem aquilo todas disseram que também iriam gozar. Então dei um grito, que mais parecia um urro de uma leoa enfurecida, e explodi num orgasmo sem igual e jorrei todo meu melzinho quente na boca da bofinho. E eu pensando que a atrevida iria tirar seus dedos do meu cu, ela fez muito ao contrario, metendo ainda mais rápido, e meteu sua boca sugando minha buceta com mais força ainda. E a ela que tambem estava chupando a Rose ficou louca ao sentir o cheiro do gozo que saía da minha caverna e parou com o que estava fazendo e enfiou sua língua junto com a da bofinho, e foi até o fundo buscar o mel que ainda existia dentro de mim. Ela sugava minha buceta enquanto chupava os dedos da sua amiguinha bofe e se beijavam trocando meu mel que estava em suas bocas. Então nos beijamos as quatro ao mesmo tempo pra deliciarmos com aquilo tudo.

Que delícia, que tesão que foi aquela noite, quantas safadezas fizemos numa única noite, sem ao menos importar onde estavamos. Já era umas 4 horas da manhã quando fomos embora bebadas mais extremamente saciadas por aquela noite deliciosa. Chegando em casa, despedi dos meus amigos, E como eu moro sozinha, e tinha toda liberdade para fazer o que bem entendesse, eu então convidei minha nova amiga pra dormir na minha casa, ela aceitou e entramos indo as duas direto para o banheiro tomar um banho juntas e em seguida dormimos agarradinhas na minha cama, parecendo duas namoradas com tesão que ainda sentiamos. Acordamos no domingo era umas 10 da manhã com uma ressaca danada, mais senti pelo jeito que nos olhamos que ainda estávamos a mil e com muita vontade louca uma da outra, e aquele clima de romance sem o barulho da boate, eu queria sentir mais um pouco daquela sensação de prazer da noite anterior e ela mostrava que também queria. Então fui acariciando ela bem devagar tirando sua calcinha e sua camiseta, a deixando nua por completo, comecei a fazer tudo que eu queria e imaginava fazer pois essa seria a nossa primeira transa, então resolvi aproveitar ao máximo aquele momento. Mas começamos com calma, uma chupando a outra, e eu sempre controlando a situação, dominando ela por completo. Fui beijando todo seu corpo e comecei chupar sua buceta, percebendo que ela seria todinha minha e que estava entregue aos meus prazeres. E apesar dela ser bem experiente eu virei a dona da situação. Eu lambia sua buceta e enfiava meus dois dedos fazendo movimentos de vai e vem bem devagarinho, e ela se contocia e gemia alto de prazer.

Depois de um tempo parei de chupá-la e subi beijando seu corpo e encaixei minha buceta na sua cara para ela lamber. E esfreguei tão forte que quase a sufoquei com minha buceta na sua boca e ela se afogando com o meu gozo. Ela me lambia, acariciava minha bunda e também os meus seios, enquanto isso eu colocava novamente meus dedinhos na sua bucetinha quente e molhada, saí de cima dela e voltei a chupá-la fazendo ela gozar horrores na minha boca e nos meus dedinhos. Ela gemendo alto, se contorcia, tremendo, me chutando e me xingando muito, eu então subi outra vez e coloquei minha xana na sua boca pra que ela parasse de me xingar. Fiz isso várias vezes mais ela sempre que eu tirava minha buceta da sua boca ela me xingava e gozava igual uma puta no cio. Então saí novamente de cima dela e ataquei de língua e dedos na sua buceta, até que coloquei um dedo no seu cuzinho fazendo ela se contorcer ainda mais de prazer, e ela então implorou pra que eu a comesse. E eu colocava um pontinha do dedo e tirava deixando ela enlouquecida ao extremo. Fiquei nesse vai e vem até fazê-la gozar na minha boca e suguei e engoli tudinho o seu mel. Meus dedos que estavam todos lambuzados, coloquei em sua para ela lamber. E chupei seus seios, dando tapinhas e beliscões de leve neles e a safada, pedia que eu a judiasse mais. E eu judiei dela de verdade. Eu ainda não tinha gozado como eu queria, pois mesmo com todo aquele tesão e excitação que eu estava, o que eu queria mesmo era comer aquela guria de todos os jeitos possíveis e imaginaveis.

Então fui no armário e peguei meu consolo de silicone, e voltei a chupá-la só que eu ao invés de enfiar meus dedos, eu enfiei o consolo na sua buceta e explorei seu cuzinho com meus dedinhos, não demorou muito para sentí-la mais uma vez gozando deliciosamente. Cai de boca na sua gruta e senti como era gostoso sentir aquele seu melzinho na minha boca. Depois sugar todo seu gozo, me deitei ao seu lado e ela respirando ofegante como se tivesse participado das mil milhas correndo a pé, risos. E então ela me chamando de puta safada, disse que eu a havia feito ela gozar como ninguém conseguira até aquele dia, e que ela se apaixonou por mim. Ela estava exausta, mas disse que ainda tinha disposição para mais um round, então dei um beijo demorado na sue boca e peguei ela pela mão e a levei para o banheiro pra tomarmos um banho e refazermos nossas energias, mas mesmo debaixo do chuveiro, não me segurei ao ver aquela bunda linda na minha frente e comecei a beijá-la, como ela fez comigo na boate, e com ajuda do chuveirinho fiz ela gozar novamente. E daquela vez sim eu notei que realmente ela tinha se acabado. O banho foi relaxante e excitante que fez ela ter seu último gozo que a derrubou de vez. Fomos para a cama e cochilamos maus um pouco, quase desmaiadas de tanto tesão e orgasmos múltiplos. Nos despertamos já era mais de meio dia, então levantamos o fomos juntas preparar algo pra comermos.

Ficamos a tarde toda em casa conversando, navegando na internet e ouvindo músicas. Ela então despediu de mim com um beijo molhado e um abraço apertado e eu voltei pra cama relembrando a noite e o dia maravilhoso que passei e as vezes ria sozinha das loucuras que eu fezera naquele final de semana e poder ter conquistado novas amizades e me divertindo noite e dia gozando muito, e fazendo duas gatas lindas e gostosas se desmancharem na minha mão e eu nas suas claro. Voltei a dormir pois eu também estava exausta e acordei com ela me ligando dizendo que já estava indo embora pra sua casa, mas que voltaria em um outro final de semana qualquer pra gente se divertir novamente.

E foi assim amores mais um dos vários finais de semanas intensos e com muito sexos da minha humilde vida.
Espero que curtam e comentem com elogios ou clíticas mas não deixem de dar sua opinião sobre a história ok.

Beijinhos da Kelly



Foto 1 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS

Foto 2 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS

Foto 3 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS

Foto 4 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS

Foto 5 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS

Foto 6 do conto: UMA SURUBA DE MULHERES NA BOATE GLS



Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
11309 - UM AMOR VIRTUAL
 


Próximo Conto

3) Meu Vizinho Tímido e Ex- Virgem e Comandando a Madura