Eu e minha esposa transando com estranhos.


BY: Rodrigo33ES
Olá, meu nome é Rodrigo, tenho 32 anos, 1,80 de altura e 90 kg, sou loiro e tenho olhos azuis e cabelos compridos. Minha esposa chama-se Ana e tem 33 anos cabelos pretos e curtos, olhos verdes e pele bem branquinha, com pequenas sardas no peito, possui 1,67 de altura 70 kg seios e bunda grandes e um corpo cheinho bem proporcional, vou contar uma história recente de como eu e minha esposa nos divertimos na formatura da faculdade de meu amigo. Meu amigo Felipe mora em MG e estava se formando em direito, eu e minha esposa já vivemos muitas aventuras sexuais, e sempre que temos chance de nos divertir apreveitamos ao máximo, nós fomos de carro para a sua festa de formatura, onde haviam outras turmas de outros cursos, lá haviam umas 1000 pessoas e a festa começava as 22:00 e acabaria as 8:00, todos estavam bem arrumados e a festa estava muito legal, minha esposa esava um festido preto que ia até o joelho e com um conjunto de lingerie sexy preto lindo, eu estava vestido a caráter, e todos os formandos usavam smoking, na mesa de meu amigo estava uma prima de meu amigo e uma antiga paquera minha, chamada Bianca, ela usava uma saia curta e uma blusa combinando, tem 25 anos e faz psicologia na mesma faculdade que meu amigo, Bianca tem uma personalidade bem animada, tem 1,60 de altura e pesa uns 60 kg, com corpinho de menina, o que fica mais acentuado com o fato dela usar óculos, deixando ela com cara de menina travessa possui cabelos pretos e cacheados bem compridos, seus seios e quadris são médios e proporcionais ao seu tamanho e estava muito bonita este dia. Depois de umas duas horas de festa e com o pessoal já menos formal Bianca começou a dançar e tentar ficar com os caras da formatura, minha esposa também foi dançar com ela e a esposa de meu amigo Felipe, nós continuamos na mesa bebendo e olhando as outras mulheres, lá pela meia noite as meninas se cansaram e dançar e vieram sentar com a gente novamente, a essa altura já estávamos todos meio chapados e Bianca sentou ao meu lado e minha esposa Ana do outro lado, como Bianca já estava muito bêbada ela parou de beber pra melhorar um pouco, ficando apenas batendo papo e comendo docinhos, ela estava muito empolgada e começou a por a mão em minha perna e encostar a cabeça em meu ombro, minha esposa que estava do lado viu e me deu um sorrisinho discreto, que significava que não tinha problema. Eu aproveitei e comecei a segurar a mão de Bia, que estava em minha perna, de vez enquanto passava as mãos discretamente em sua coxa, ou fazia um carinho em sua nuca, mas como tava todo mundo meio chapado, acho que ninguém ali reparou em nada. Lá pela uma da manhã Bianca chegou em meu ouvido e disse que queria deitar um pouco em meu carro e perguntou se eu podia levar ela lá, eu disse que sim e falei com minha esposa que ia ajudar a Bia a deitar um pouco no carro, porque ela não estava muito bem, eu e Bianca saímos e fomos para o estacionamento, que ficava um pouco afastado e estava todo escuro, demorei um pouco pra achar o carro, pois o estacionamento era grande e estava lotado, entramos no banco de trás do carro e Bia pediu pra eu dar um pouco de colo pra ela, ela se ajeitou em meu colo e eu comecei a fazer carinho em seus cabelos, nós ficamos conversando um pouco e ela pegou minha mão e deu um beijo, eu fiquei alisando seu rosto e depois de um tempo ela perguntou se minha esposa não ia ficar desconfiada por nós dois estarmos no carro, que caso eu quisesse poderia voltar pra festa, pra não ter problemas, eu disse pra ela que falei pra minha esposa que ia ficar com ela no carro, e que não tinha problema, que minha esposa não tinha ciúmes assim, que até ficava excitada. Ela achou um pouco estranho, mas disse que achava bom, que então não tinha problema de eu ficar com ela ali, eu disse que não tinha mesmo, e comecei a passar a mão em seu pescoço e seios, ela fechou os olhos e abriu um pouco os lábios, eu fui descendo a mão e comecei a alisar suas pernas, nessa hora minha esposa abriu a porta da frente e disse que veio ver se a Bia estava bem, Bia tomou um susto e eu tirei a mão de sua perna, mas continuei com ela deitada em meu colo, continuamos a conversar e eu voltei a por minha mão na barriga de Bianca, minha esposa virou pra nós e disse que podíamos ficar a vontade, então continuamos a conversar e Bianca voltou a relaxar, eu então voltei a deslizar minha mão para suas coxas e ela abriu os olhos e deu um risinho, mas não fez menção de que era pra eu parar, então comecei a enfiar minha mão por baixo de seu vestido curto e alisar sua coxa do joelho até a virilha enquanto conversávamos, quando minha mão tocou em sua virilha ela parou de conversar e fechou os olhos novamente, vi quando ela abriu um pouco as pernas e puxou o vestido para cima bem devagar, eu comecei a passar um dedo bem de leve em sua boceta por cima da calcinha, minha esposa ficou olhando pra minha mão com cara de safada e isso me deixou mais exitado ainda, comecei a massagear o clitóris de Bia por cima da calcinha com mais pressão, ela começou a gemer baixinho e levantou tanto o vestido que sua calcinha branca ficou visível, minha mulher não agüentou mais e disse pra Bianca tirar a calcinha, ela puxou a calcinha pra baixo, e pôs sua mão em cima da minha e começou a se masturbar com minha mão, hora fazendo movimentos circulares no clitóris, hora enfiando dois dedos meus na sua bocetinha rosada depiladinha, que estava toda melada, como estávamos dentro do carro no estacionamento, não tinha como eu penetrá-la sem chamar a atenção, então fiquei a masturbando por uns 5 minutos, enquanto a basturbava, beijava sua boca sofregamente e minha esposa puxou a alça do vestido de Bia para baixo, para que eu pudesse chupar aqueles seios durinhos, que eram pequenos e perfeitos, com auréolas rosadas e biquinhos pequenos, eu sugava os seus seios e beijava sua boca como um louco, quanto ia aumentando e diminuindo o ritmo de meus dedos em sua bocetinha. Bianca não agüentou muito e em pouco tempo começou a tremer toda no meu colo e quanto gozou parecia que tinha desmaiado. Vi que minha mulher ainda se masturbava e ela disse que agora seria a vez dela, achei que ela queria que eu a masturbasse também, mas ela disse que queria outra coisa, deixamos Bianca se arrumar novamente, ainda lhe dei mais um beijo e ela disse que iria dormir um pouco ali…como estávamos no estacionamento e os banheiros ficavam dentro do salão de festas, disse pra minha mulher que queria procurar um lugar ali pra poder urinar, ela disse que iria comigo, mais pro fundo do estacionamento haviam 3 caminhões estacionados e disse pra minha mulher que iria urinar atrás dos caminhões, ela foi comigo e ficou na frente do caminhão, ao lado de um carro, quando fui pra trás do caminhão minha esposa acendeu um cigarro e ficou encostada no carro, ouvi quando ela começou a conversar com alguém que havia chegado ali e lhe pedira um cigarro, e resolvi esperar um pouco mais pra ver o que eles estavam conversando, olhei de trás do caminhão e vi minha esposa de frente pra mim e o cara de costas, ele estava de smoking, e parecia ter uns 23 anos, era branco, de cabelos curtos e estava bem embriagado, minha esposa fez sinal pra eu não ir e ficou conversando mais um pouco com ele, então ela começou a passa a mão em seus braços e ela segurou em sua cintura, ele a puxou bruscamente e começou a beijá-la, ela se afastou e pegou ele pelas mãos e o levou pra trás do outro caminhão ao lado do que eu estava. Dei a volta por trás do caminhão e fique atrás da carroceria observando a cena, ela estava de costas pra ele, enquanto ele beijava seu pescoço, com as mãos ele acariciava os seios de minha esposa com as duas mãos, e ela com uma mão apertava a mão dele e com a outra masturbava o pênis dele, ele a pôs pra segurar na roda do caminhão e levantou o vestido de minha esposa, que estava com uma calcinha preta confortável e folgada, ele puxou a calcinha de lado e com a mão ajeitou o pau na boceta dela, mas como estava meio bêbado minha esposa ajudou ele a enfiar o pau no lugar certo, ela arrebitou bem a bundo e ele agarrou com as duas mãos em seus quadris e começou a penetrá-la com força, ela olhava de lado pra mim escondido ali e fazia cara de puta, revirando os olhos e as vezes mordendo a mão pra não gritar de tesão, apesar de bêbado o cara foi mantendo um ritmo frenético e constante, até que ele agarrou ela pelos cabelos, a puxou pra trás e parou de socar em sua boceta, ele começou a apertar osseio de minha esposa novamente sobre o vestido, enquanto ela estava de costas e ela lhe deu um beijo demorado na boca, então ela se virou e agachou de frente pra ele, e com uma mão ela se apoiou no pneu do caminhão, e com a outra segurou o penis dele que ainda estava meio duro e começou a chupar e limpar o pau dele, até que amoleceu de vez, então ela levantou e disse algo pra ele e saiu, ele voltou pra festa também e eu fui atrás de minha esposa, vi quando ela voltou pro carro e ficou me esperando do lado de trás, eu fui até o carro e vi que a Bia não estava mais, na hora dedusi que ela havia voltado pra festa, entrei no carro e minha esposa já foi logo enfiando a língua em minha boca, depois que ela parou de me beijar, perguntou se eu gostei do sabor do pau do cara na minha boca, aquilo me excitou demais e disse que adorei, ela então deitou, abriu as pernas e mandou eu limpar o boceta dela, que estava toda melada de porra, eu chupei sua boceta com muita vontade, engoli toda a porra que estava ali, enquanto ela ia me chamado de corninho, de viadinho, dizendo que eu tinha adorado ver ela trepando com um cara estrando, em pouco tempo ela gozou também e mandou eu deitar no banco, eu deitei e ela abriu meu zíper e começou a chupar meu pau, meu tesão era tanto que eu gozei em menos de dois minutos em sua boca, e ela engoliu tudo me olhando com cara de menina sapeca. No final, nos arrumamos no carro e voltamos pra festa de mãos dadas, procuramos pra ver se encontrávamos o estranho que comeu a boceta de minha esposa, mas tinha muita gente acabamos a festa sem o ver novamente. Espero que tenham gostado deste conto.




Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

Outros contos publicados desse mesmo autor
 


Próximo Conto

Ménage com minha esposa e a prima dela