Noite de Chuva. Como é bom dar umas voltas de carro.


BY: joseneto
A algum tempo escrevi para vocês contando Uma Tarde Gostosa, que passei na sauna, logo depois do Natal. Nestes dias chuvosos, fico meio entediado e como não tenho o que fazer de noite sai de carro para dar umas voltas, pois gosto de andar pela cidade qdo o movimento é pequeno. Dei varias voltas, passando pela boca do lixo, parte central de São Paulo, onde tem miches fazendo ponto. Fui até o Trianon, onde também tem, as vezes, garotos bonitos e mostrando o pau. Me lembrei que atras do Circulo Militar as vezes tem uns carros parados e tem gente la pegando. Fui até la. Isso já era uma hora da manhã, estava apenas garoando fraco e comecei a dar voltas. Tinha poucos carros, mas alguns sempre ficam a espreita de aparecer alguém interessante para algo real. Quando passei um carro começou a me seguir e passava por mim devagarinho e abriu o vidro e me disse para parar. Encostei o carro e conversamos ali mesmo. O cara era um boa pinta, devia ter uns 40 anos, bigode farto, barba por fazer, o que me deixa louco. Ele me convidou para tomar uma água de coco na banca de frutas e conversarmos. La fui eu. Conversamos amenidades e ele me perguntou o que eu estava pretendendo ali, andando de carro sozinho. Disse que era para sair do marasmo que estava com a chuva. Ele foi se achegando mais perto e começou a me dizer que ele tambem estava meio chateado, pois a chuva deixa ele meio depre. Ficamos li umas 2 horas conversando e ele me disse que adoraria poder ir a um lugar mais calmo para ficarmos mais a vontade. Então quando íamos sair, um carro parou e gritou: - Arnaldo (nome fictício) - E ai betão, tudo bom. O que faz aqui. - O mesmo que você. Ja engatilhou algo. Ele foi até o carro e conversaram, não sei o que. Ele voltou e me disse se o amigo dele poderia ir junto, assim teríamos uma noite mais agradável. Topei. Segui o carro dele e o amigo atras. Chegamos num prédio, onde ele entrou com o carro na garagem e eu e o Betão estacionamos na rua, mas sem problemas, pois tinha guarda olhando e cuidando do carro. O Betão cumprimentou o porteiro e fomos entrando. O Arnaldo morava no 13 andar. Um apartamento pequeno, mais muito gostoso. Entramos, sentamos e começamos a conversar. O Betão então disse que estava com calor e que iria ficar mais a vontade. Tirou a camisa e qual foi meu susto qdo vi aquele físico bem feito, bem torneado. Tinha o peito peludo, e uma tatuagem bem grande do lado esquerdo que pegava do ombro até o peito. Tirou o sapato, abaixou a calça e ficou de cuecas, sentando do meu lado e abrindo bem as pernas. O Arnaldo fez a mesma coisa, ficou a vontade. e sentou-se do outro lado, também com as pernas abertas. O Arnaldo tinha umas coxas grossas, peludas e uma boca muito gostosa. Então o Betão olhou para mim e disse: Só falta você agora, quer uma ajuda para ficar mais a vontade? Eu tremia e ele se achegou e pegou minha mão e colocou no seu pau. Que pau gostoso, grande grosso e com uma chapeleta enorme, mas com uma vantagem, tinha a capinha que cobre a cabeça bem grande, o que me dava mais tesão. Betão disse: - Pega cara, ele não morde não, as vezes é meio mal educado, cospe na cara, mas isto acho que vc gosta. O Arnaldo pegou a outra mão e pôs no pau dele dizendo. - Pode escolher, tem dois aqui para vc. E com essa cara vc não nega que gosta de chupar e levar no rabo. Me assustei e eles começaram a tirar minha roupa, nisso ja estavam pelados. Sem me agüentar, cai de boca nos dois, ora em um, ora em outro. Me colocaram no chão de barriga pra cima e um de cada lado enfiando o pau na boca. Teve horas que estava com os dois. Eles se beijavam e me mandavam mamar tudo, e socavam o pau na minha boca. Isso durou uns 30 minutos, foi qdo ouvi os dois dizendo: - Bebe tudo agora, vai abre bem a boca, isso, vaiiiiiiiii Encheram minha boca e cara misturando as porras. Não sabia quem esporrava mais. Deitaram do meu lado e ficaram ali se refazendo. Nisso ouvi barulho na porta, ele se abriu e entrou um outro cara que ao ver aquilo ja foi dizendo. -Legal, vocês começam uma festa sem eu, nem me avisaram e agora eu quero participar tambem. Ele foi tirando a roupa se apresentando para mim e dizendo que era o Zeca, amigo do Arnaldo e do Betão. Deitou e começou a chupar o pau do Betão, que gemia e dizia que só ele chupava gostoso. O Arnaldo levantou e veio na minha frente, levantando minha perna e ja com o pau duro começou a esfregar o seu pau no meu rego. Cuspiu no meu cu, deu umas lambidas e disse que eu estava pronto para ser enrabado. Forçou a cabeça o que doeu muito, mas agüentei. O Zeca veio e pôs o pau na minha boca, e continuou chupando o Betão. Nisso o Zeca disse. -Arnaldo sai dai, eu como ele e vc me come, vamos fazer um trenzinho gostoso, vai la Betão mete na boca dele. Assim foi feito, o Zeca me comendo de frango assado e o Arnaldo metendo no Zeca e eu chupando o Betão. Isso fui durante algum tempo, qdo o Betão gozou novamente na minha boca, Tirando o Arnaldo do rabo do Zeca e se posicionado atras e metendo nele. Tive que chupar o Arnaldo que mais uma vez gozou na minha boca. O Zeca metia em mim e não gozava, e dizia que era muito bom levar ferro e dar ferro. Isso foi me dando um tesão que eu gozei. Bem descansamos um pouco, mas o Zeca não tinha gozado. Me pôs de 4 e mandou ferro de novo. Os dois olhavam e se punhetavam. Então resolveram que aquilo não era justo, apenas o Zeca me comia. Me colocaram numa mesa e começaram a revezar, cada cinco minutos um metia no meu rabo e enquanto eu era comido eu tinha que chupar os outros dois. Levei tanto ferro no rabo que pedi para que trocassem um pouco, que metessem no Zeca, mas ele disse que ele gosta de dar apenas um pouco, e que o pau dos rapazes era muito grosso, que o cu dele não poderia ser rasgado, pois sua mulher adorava chupa-lo qdo transavam. Nessa tive que agüentar. Então fizeram uma aposta. O que demorasse mais para gozar metendo em mim, dormiria comigo e com o pau no meu cu e seria o primeiro a meter em mim antes do café da manhã. Dei muito nessa noite, e o vencedor foi o Betão que me pôs no chão e me deitou de lado, metendo o pau no meu rabo e dormindo em seguida, pois estava exausto. Algumas vezes tentei tirar o pau dele do cu, mas ele sempre me puxava e não deixava. Não dormi a noite toda, pois com um pau no cu e ardendo como estava eu não conseguia conciliar o sono. Eram 7 da manhã qdo o Arnaldo a acordou e pôs todos de pé, fazendo a rodada do café da manhã. A mesa foi posta e eu tomei café sentando no pau deles, primeiro do Betão que tirou o pau do meu rabo para ir para a mesa, me fazendo sentar logo em seguida de novo nele. As vezes ele tirava o pau do meu rabo, molhava no leite e fazia eu chupa-lo. O Arnaldo lambuzou o pau no requeijão e me enrabou com requeijão e o Zeca Passou geleia no meu cu. Estava tonto de tanto dar o rabo, mas fiquei firme. Eles gozaram gostoso todos em cima de mim e fui tomar um banho. Hoje quando eles querem uma festinha eles me ligam se eu estiver com tesão eu vou e a gente passa um tempo gostoso na casa do Arnaldo fudendo, sempre sou eu quem dou mais, pois o Zeca chega e da uma vez pro Arnaldo e uma vez pro Betão, e eu agüento o pau dos tres a noite toda e depois no café da manhã, sendo fudido com requeijão, geleia, mel, e outras coisas mais. Se alguém quiser uma festinha gostosa me avise.


Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu vonto junto com o meu comentario:

 


Próximo Conto

A gatinha e seu cachorro